Arquivo do blog

Postagens populares

MANUAL PARA NOVOS CONVERTIDOS

 
 

MANUAL PARA NOVOS CONVERTIDOS
 
 
 
 
 

 



 



 
 



 
 
12 Capítulo 1 – A Bíblia é a Palavra de Deus



O QUE A BÍBLIA ENSINA
 
Paul Collins
 
O Antigo Testamento nos fala sobre a

obra de Deus com o Seu povo antes do nascimento

de Jesus.

O Novo Testamento nos fala sobre o

nascimento de Jesus, a Sua vida, o Seu grande

ministério de curas e perdão para os enfermos

e pecadores, a Sua morte numa cruz,

a Sua ressurreição dos mortos, e a Sua ascensão

(retorno ao Céu).

Ele também nos fala sobre a continuação

do Seu ministério de cura e perdão através

dos que O viram após a Sua ressurreição.

Os que seguem os ensinos de Jesus executam

muitas obras milagrosas, exatamente

como Ele disse que fariam (veja João 14:12).

Os ensinos dos que O viram depois que

Ele ressuscitou dos mortos estão contidos

nas Epístolas (Cartas). Eles foram escritos

nos primeiros cinqüenta anos após a ressurreição

de Jesus e compõem cerca da metade

do Novo Testamento.
 
B. ESTUDE A BÍBLIA
 
O relacionamento mais importante que

você pode ter nesta vida é com Deus. Através

da leitura da Bíblia você chega a compreender

a natureza de Deus – Seus pensamentos,

Seus planos e Suas promessas para

você.

A lista (índice) na frente da Bíblia o ajuda

a encontrar o número da página do trecho da

Bíblia que você talvez queira estudar.

Para ajudá-lo a encontrar trechos específicos

da Bíblia, os tradutores organizaram

o texto em:

• Livros,

• Capítulos dentro dos Livros, e

• Versículos dentro dos Capítulos.

Por exemplo, se você encontrar uma referência

do tipo “Gênesis 3:15”, isso significa:
 
Capítulo 1
 
A Bíblia é a Palavra de Deus
A. O LIVRO ESPECIAL DE DEUS
 
A Palavra de Deus – a Bíblia Sagrada – é

o Livro especial de Deus. Ela não é como os

outros livros, mas é um Livro sobrenatural.

Foi escrita por muitas pessoas diferentes, as

quais escreveram através da inspiração do

Espírito Santo de Deus (veja 2 Timóteo 3:16).

A Bíblia é o Livro mais vendido do mundo.

Ela consistentemente vende mais do que

qualquer outro livro.

A Bíblia já foi traduzida mais do que

qualquer outro livro do mundo. Foi originariamente

escrita em três línguas – hebraico,

aramaico e grego. A Bíblia que você tem foi

traduzida por pessoas dedicadas, a fim de

que você possa ter as palavras, os pensamentos

e os planos de Deus.

A Bíblia é também um dos livros mais

antigos do mundo. Os trechos mais antigos

da Bíblia remontam há quase 4.000 anos.

No entanto, ela ainda é o livro mais moderno

do mundo hoje em dia, pois nela encontramos

as respostas às mais importantes

perguntas da vida:

• “De onde eu vim?”

• “Por que estou aqui?”

• “Para onde irei?”

Muito embora a Bíblia seja constituída

de 66 livros menores, ela tem apenas um

único tema central: o plano amoroso de Deus

para resgatar a humanidade.

No início da Bíblia você encontra uma

lista dos 66 livros que nela podem ser encontrados.

A Bíblia é dividida em duas partes:

• O Antigo Testamento e

• O Novo Testamento.
 
MANUAL PARA NOVOS CONVERTIDOS 13



“Vós já estais limpos pela palavra que vos
 
tenho falado.” (Jo 15:3 – veja também Efésios



5:25-27.)
 
2. Ela nos mantém limpos
 
A Palavra de Deus, plantada em nossos

corações, nos mantém livres do pecado.
 
“Como purificará o jovem o seu caminho?

Observando-o conforme a tua palavra...

Escondi a tua palavra no meu coração, para
 
eu não pecar contra ti.” (Sl 119:9,11.)



G. A PALAVRA DE DEUS É LUZ PARA

NOSSA VIDA
 
“E temos, mui firme, a palavra dos profetas,

à qual bem fazeis em estar atentos, como

a uma luz que alumia em lugar escuro, até

que o dia esclareça, e a estrela da alva apareça
 
em vosso coração.” (2 Pe 1:19.)



1. Ela dá entendimento num mundo

de trevas
 
“... o mandamento do SENHOR é puro e

alumia os olhos.” (Sl 19:8.)



“Lâmpada para os meus pés é tua palavra

e luz, para o meu caminho... A exposição

das tuas palavras dá luz e dá entendimento
 
aos símplices.” (Sl 119:105,130.)



H. A PALAVRA DE DEUS É COMIDA

ESPIRITUAL
 
“Ele, porém, respondendo, disse: Está

escrito: Nem só de pão viverá o homem,

mas de toda a palavra que sai da boca de
 
Deus.” (Mt 4:4.)



1. Ela produzcrescimento

espiritual
 
“E eu, irmãos, não vos pude falar como

a espirituais, mas como a carnais, como a

meninos em Cristo. Com leite vos criei e não

com manjar, porque ainda não podíeis, nem
 
tampouco ainda agora podeis.” (1 Co 3:1,2.)



“Desejai afetuosamente, como meninos

novamente nascidos, o leite racional, não

falsificado, para que, por ele, vades crescendo.”
 
(1 Pe 2:2.)
 
O LIVRO de Gênesis,



• CAPÍTULO três, e

• VERSÍCULO quinze.
 
C. EIS AQUI A MAIOR

PROMESSA DO MUNDO
 
“Porque Deus amou o mundo de tal

maneira que deu o seu Filho unigênito, para

que todo aquele que nele crê não pereça,
 
mas tenha a vida eterna.” (Jo 3:16.)



D. O PROPÓSITO DA PALAVRA DE

DEUS
 
“... as sagradas letras... podem fazer-te

sábio para a salvação, pela fé que há em

Cristo Jesus. Toda Escritura divinamente

inspirada é proveitosa para ensinar, para

redargüir, para corrigir, para instruir em
 
justiça.” (2 Tm 3:15,16.)



“Visto como o seu divino poder nos deu

tudo o que diz respeito à vida e piedade,

pelo conhecimento daquele que nos chamou

por sua glória e virtude, pelas quais ele nos

tem dado grandíssimas e preciosas promessas,

para que por elas fiqueis participantes

da natureza divina, havendo escapado

da corrupção, que, pela concupiscência,
 
há no mundo.” (2 Pe 1:3,4.)



E. A PALAVRA DE DEUS PRODUZ

VIDA
 
“ ...as palavras que eu vos disse são
 
espírito e vida.” (Jo 6:63.)



1. Ela é criativa
 
“Pela PALAVRA DO SENHOR foram feitos



os céus; e todo o exército deles, pelo

espírito da sua boca... Porque falou, e tudo
 
se fez; mandou, e logo tudo apareceu.” (Sl



33:6,9 – veja também Hebreus 11:3.)
 
F. A PALAVRA DE DEUS É COMO

ÁGUA
 
1. Ela limpa
 
Começamos a vida no Reino de Deus

totalmente “lavados” pela Palavra de Deus.
 
14 Capítulo 2 – Deus



O objetivo de Deus para cada um de nós

é expresso em Efésios 4:12-15:
 
“ ... para edificação do corpo de Cristo,

até que todos cheguemos à unidade da fé e

ao conhecimento do Filho de Deus, a varão

perfeito, à medida da estatura completa de
 
Cristo.



I. A PALAVRA DE DEUS É UMA

SEMENTE
 
Em Lucas 8:14,15, Jesus contou aos Seus

discípulos a parábola do semeador.
 
No versículo 11 Ele disse: “a semente é a

Palavra de Deus.’’ A vontade de Deus para



nossa vida é que sejamos frutíferos (Sl 1:3).
 
“Ora, aquele que dá a semente ao que

semeia e pão para comer também multiplicará

a vossa sementeira e aumentará os
 
frutos da vossa justiça.” (2 Co 9:10.)



J. A PALAVRA DE DEUS É COMO

UMA ESPADA
 
“Tomai... a espada do Espírito, que é a
 
palavra de Deus.” (Ef 6:17 – veja também



Hebreus 4:12.)

Observem como Jesus usou a “espada”

contra Satanás em Sua tentação no deserto

(Lc 4:1-14).
 
K. A PALAVRA DE DEUS NOS AJUDA

A ORAR
 
“Se vós estiverdes em mim, e as minhas

palavras estiverem em vós, pedireis tudo o
 
que quiserdes, e vos será feito.” (Jo 15:7.)



“Pedireis tudo o que quiserdes” significa

literalmente “peçam como pessoas que

têm o direito – com autoridade (de ordenarem)”.

Agora a palavra criativa encontra-se
 
em NOSSA BOCA!



L. A PALAVRA DE DEUS É

PODEROSA EM NÓS
 
“Todo aquele, pois, que escuta estas minhas

palavras e as pratica, assemelhá-lo-ei

ao homem prudente, que edificou a sua casa

sobre a rocha. E desceu a chuva, e correram

rios, e assopraram ventos, e combateram

aquela casa, e não caiu, porque estava
 
edificada sobre a rocha.” (Mt 7:24,25 – veja



também os versículos 26 e 27.)

Jesus disse que o homem sábio que

edificou a sua casa sobre a rocha era uma

ilustração daqueles que ouvem a Sua Palavra

e a obedecem. A Palavra de Deus produz

um concreto (material de construção)

interno em nossa vida de forma tal que ficamos

firmes e fortes, não importando o que

possa vir contra nós.
 
Capítulo 2
 
Deus
Deus é grandioso demais para que possamos

compreendê-Lo plenamente. Ele não

teve princípio e não tem fim. Não há lugar

onde a Sua presença não seja sentida. A Bíblia

faz a seguinte pergunta em Jó 11:7:
 
“Porventura, alcançarás os caminhos

de Deus ou chegarás à perfeição do Todopoderoso?”
 
Deus habita no Céu e Ele reina sobre

toda a terra. A Bíblia nos diz:
 
“Assim diz o SENHOR: O céu é o meu



trono, e a terra, o escabelo dos meus pés...”
 
(Is 66:1.)
 
“Deus reina sobre as nações; Deus se

assenta sobre o trono da sua santidade.”
 
(Sl 47:8.)

Neste estudo estaremos enfocando algumas

verdades especiais sobre Deus. São

fatos sobre o imutável caráter de Deus. Através

destas coisas você entenderá mais sobre

a natureza de Deus. Você chegará a entender

Deus e a ver como Ele Se importa

com você pessoalmente.
 
A. QUAL É A NATUREZA DE DEUS?
 
1. Deus é o Criador de tudo
 
“Tu só és SENHOR, tu fizeste o céu, o céu



dos céus e todo o seu exército, a terra e tudo

quanto nela há, os mares e tudo quanto

neles há; e tu os guardas em vida a todos, e
 
o exército dos céus te adora.” (Ne 9:6.)

MANUAL PARA NOVOS CONVERTIDOS 15



“Pois possuíste o meu interior; entreteceste-
 
me no ventre de minha mãe.” (Sl



139:13.)
 
2. Deus é Todo-Poderoso
 
“... Porquanto, quem resiste à sua vontade?

o oleiro não tem poder sobre o barro...?”
 
(Rm 9:19-21.) “Tua é, SENHOR, a



magnificência, e o poder, e a honra, e a

vitória, e a majestade; porque teu é tudo
 
quanto há nos céus e na terra; teu é, SENHOR,



o reino, e tu te exaltaste sobre todos
 
como chefe.” (l Cr 29:11.)



“Ora, àquele que é poderoso para fazer

tudo muito mais abundantemente além daquilo

que pedimos ou pensamos, segundo o
 
poder que em nós opera.” (Ef 3:20.)



3. Deus é onisciente
 
“E não há criatura alguma encoberta

diante dele; antes, todas as coisas estão nuas

e patentes aos olhos daquele com quem temos
 
de tratar.” (Hb 4:13.)



“ ...maior é Deus do que o nosso coração
 
e conhece todas as coisas.” (l Jo 3:20.)



4. Deus é santo
 
“Não há santo como é o SENHOR; porque



não há outro fora de ti; e rocha nenhuma
 
há como o nosso Deus.” (l Sm 2:2.)



5. Deus é espírito
 
“Deus é Espírito, e importa que os que

o adoram o adorem em espírito e em verdade.”
 
(Jo 4:24.)
 
6. Deus é uma pessoa que

você pode conhecer
 
“Chegai-vos a Deus, e ele se chegará a
 
vós...” (Tg 4:8.)

“Perto está o SENHOR de todos os que o



invocam, de todos os que o invocam em
 
verdade.” (Sl 145:18.)



7. Deus é um pai amoroso
 
“Vede quão grande caridade nos tem concedido

o Pai: que fôssemos chamados filhos

de Deus. Por isso, o mundo não nos conhece,
 
porque não conhece a ele.” (l Jo 3:1.)



B. DEUS É GRANDE DEMAIS PARA

HABITAR EM TEMPLOS
 
“O Deus que fez o mundo e tudo que

nele há, sendo Senhor do céu e da terra,

não habita em templos feitos por mãos de

homens. Nem tampouco é servido por mãos

de homens, como que necessitando de alguma

coisa; pois ele mesmo é quem dá a

todos a vida, a respiração e todas as coisas...

porque nele vivemos, e nos movemos,

e existimos, como também alguns dos

vossos poetas disseram: Pois somos também
 
sua geração.” (At 17:24,25,28.)



C. SOMOS:
 
1. Criados por Deus
 
“Pois possuíste o meu interior; entreteceste-

me no ventre de minha mãe. Eu te

louvarei, porque de um modo terrível e tão

maravilhoso fui formado; maravilhosas são

as tuas obras, e a minha alma o sabe muito

bem. Os meus ossos não te foram encobertos,

quando no oculto fui formado e

entretecido como nas profundezas da terra.

Os teus olhos viram o meu corpo ainda

informe, e no teu livro todas estas coisas

foram escritas, as quais iam sendo dia a

dia formadas, quando nem ainda uma delas
 
havia.” (Sl 139:l4-l6.)



2. Propriedade de Deus
 
“Ou não sabeis que o nosso corpo é o

templo do Espírito Santo, que habita em

vós, proveniente de Deus, e que não sois de

vós mesmos? Porque fostes comprados por

bom preço; glorificai, pois, a Deus no vosso

corpo e no vosso espírito, os quais pertencem
 
a Deus.” (l Co 6:19,20.)



3. Chamados para adorarmos a

Deus
 
“Digno és, Senhor, de receber glória, e

honra, e poder, porque tu criaste todas as
 
16 Capítulo 3 – O Homem e Satanás



coisas, e por tua vontade são e foram criadas.”
 
(Ap 4:11.)
 
D. TOME UMA DECISÃO
 
Jesus disse: “E Jesus disse-lhe: Amarás



o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, e

de toda a tua alma, e de todo o teu pensamento.”
 
(Mt 22:37.)

A Bíblia nos fala sobre um homem chamado

Josué. Ele foi um grande líder da

nação de Israel. O povo havia divagado

pelo deserto durante quarenta anos, sem

possuir uma terra própria. Josué, sob a

orientação de Deus, dirigiu o povo na vitória

contra as nações malignas que habitavam

em Canaã e tomou posse da terra

deles para a nação de Israel, que até então

não possuía um lar. Em seguida, Josué

desafiou todo o povo a tomar uma decisão:
 
“... escolhei hoje a quem sirvais: se os

deuses a quem serviram vossos pais, que

estavam dalém do rio, ou os deuses dos
 
amorreus, em cuja terra habitais; porém

eu e a minha casa serviremos ao SENHOR



(Js 24:15).

Esse mesmo desafio vem a cada um de

nós. Você quer assumir hoje esse mesmo

compromisso de Josué?
 
MEU COMPROMISSO

Hoje dou a minha adoração ao único

e verdadeiro Deus dos céus e da terra,

e entrego a minha vontade, a minha

vida, e as minhas posses a Ele. De

hoje em diante assumo a determinação

de nunca adorar nenhum outro

deus. A minha adoração é somente para

Ele, e ensinarei aos outros as verdades

sobre Deus.

UMA PALAVRA FINAL
 
Lembre-se da lei da multiplicação do

Reino de Deus. É a sua vez de ensinar a uma

outra pessoa sobre Deus e ensinar-lhe a

ensinar a outras pessoas.
 
Capítulo 3
 
O Homem e Satanás
A. O HOMEM – A IMAGEM DE DEUS

– CRIADO PARA TER DOMÍNIO
 
Deus tinha motivos muito bons para a

criação do homem (homem e mulher). Ele

tinha um maravilhoso plano e propósito

para eles. Pelo fato de Deus ser amor, Ele

desejava ter seres que pensassem e sentissem

como Ele, seres com os quais Ele pudesse

compartilhar a Sua vida... tudo o que

Ele é e tudo com o que Ele está envolvido –

e que dominassem os céus e a terra com Ele,

como filhos. Assim sendo, Ele criou o homem

– à Sua Própria imagem.
 
“E disse Deus: Façamos o homem à nossa

imagem, conforme a nossa semelhança;

e domine sobre os peixes do mar, e sobre as

aves dos céus, e sobre o gado, e sobre toda

a terra, e sobre todo réptil que se move sobre

a terra. E criou Deus o homem à sua

imagem; à imagem de Deus o criou; macho
 
e fêmea os criou.” (Gn 1:26, 27.)



B. LÚCIFER
 
Deus criou muitas coisas maravilhosas

antes de criar os céus e a terra. Entre estas

coisas encontravam-se os anjos – seres espirituais

cujo propósito é o de cumprirem a

vontade de Deus. Os anjos adoram a Deus e

O servem continuamente (Ap 5:11-14).

No entanto, quando Lúcifer, um dos

grandes anjos da liderança compreendeu o

plano de Deus ao criar o homem, ele se

rebelou contra o Senhor. Ele queria estar

acima do Trono de Deus. Ele queria a posição

e a autoridade que Deus havia planejado

para a espécie humana. Ele queria governar

toda a Criação acima do Trono de

Deus no Céu.

Quando Lúcifer se rebelou, Deus o expulsou

do Céu. Ao mesmo tempo, um terço

dos anjos uniram-se naquela rebelião e foram

expulsos com Lúcifer (Ap 12:4).
 
“Como caíste do céu, ó estrela da maMANUAL

PARA NOVOS CONVERTIDOS 17



nhã, filha da alva! Como foste lançado por

terra, tu que debilitavas as nações! E tu

dizias no teu coração: Eu subirei ao céu,

e, acima das estrelas de Deus, exaltarei o

meu trono, e, no monte da congregação,

me assentarei, da banda dos lados do

Norte. Subirei acima das mais altas nuvens
 
e serei semelhante ao Altíssimo.” (Is



14:12-14.)

Lúcifer foi lançado à terra onde hoje é

conhecido como “Satanás” ou “Diabo”. Separado

da glória do Deus Criador, ele perdeu

a beleza e a luz que tinha outrora (Ez

28:11-17) e tornou-se maligno e repleto de

trevas.

Os anjos que caíram com ele também

perderam a sua glória e tornaram-se Espíritos

malignos no recém-criado mundo de

Deus. Mas a maligna ambição de Satanás

não mudou e, assim sendo, ele começou

um outro plano para tentar usurpar (tomar

ilegalmente) o Trono de Deus. Ele

passou a perseguir o homem que Deus havia

criado.
 
C. A TENTAÇÃO
 
Deus deu ao primeiro homem e mulher

(Adão e Eva) autoridade sobre toda a terra

e disse-lhes para manterem-na sob domínio.

Para mantê-los a salvo de Satanás

e de seus espíritos malignos, Deus plantou

duas árvores especiais no Jardim

onde Adão e Eva moravam. Deus as chamou

de “árvore da vida” e “árvore do conhecimento

do bem e do mal” (veja Gênesis

2:9,17).

A árvore da vida representava a vida e a

autoridade do Próprio Deus – assim sendo,

ao comer do seu fruto, Adão e Eva seriam

cada vez mais preenchidos com a força, o

amor e a glória de Deus.

A árvore do conhecimento do bem e do

mal representava a vida e a autoridade de

Satanás, e enquanto Adão e Eva não comessem

do seu fruto, estariam a salvo dos

espíritos malignos que enchiam a terra. O

domínio de toda a criação sempre seria deles

se obedecessem ao seu amoroso Deus (Hb

2:8).
 
“E tomou o SENHOR Deus o homem e



o pôs no jardim do Éden para o lavrar e
 
o guardar. E ordenou o SENHOR Deus



ao homem, dizendo: De toda árvore do

jardim comerás livremente, mas da árvore

da ciência do bem e do mal, dela

não comerás; porque, no dia em que dela
 
comeres, certamente morrerás.” (Gn



2:15-17.)

No entanto, Satanás enganou a Eva. Ele

lhe disse que a árvore do conhecimento do

bem e do mal não era tão ruim assim – ao

contrário, Eva se tornaria semelhante aos

deuses. Ainda que sabendo que era uma mentira,

Adão também comeu do fruto da árvore

(l Tm 2:14).
 
“E, vendo a mulher que aquela árvore

era boa para se comer, e agradável aos

olhos, e árvore desejável para dar entendimento,

tomou do seu fruto, e comeu, e deu

também a seu marido, e ele comeu com ela.”
 
(Gn 3:6.)
 
D. O RESULTADO
 
Através deste isolado ato pecaminoso,

o homem perdeu a glória, a imagem de

Deus, e o domínio sobre a criação. Satanás

então tomou o trono desocupado por Adão

e Eva e exerceu o seu domínio sobre a terra,

e a morte entrou no mundo (Hb

2:14,15).
 
“...por um homem entrou o pecado no

mundo, e pelo pecado, a morte, assim também

a morte passou a todos os homens,
 
por isso que [em Adão] todos pecaram.”



(Rm 5:12.)

Todas as gerações subsequentes a Adão

e Eva herdaram a sua natureza caída. Todos

foram submetidos ao poder e ao domínio de

Satanás.
 
“E vos vivificou, estando vós mortos

em ofensas e pecados, em que, noutro tempo,

andastes, segundo o curso deste mundo,

segundo o príncipe das potestades do
 
ar, do espírito que, agora, opera nos fi18

Capítulo 4 – Jesus



lhos da desobediência; entre os quais todos

nós também, antes, andávamos nos

desejos da nossa carne, fazendo a vontade

da carne e dos pensamentos; e éramos

por natureza filhos da ira, como os outros
 
também.” (Ef 2:1-3.)



Os corações das pessoas em toda parte

estão agora repletos de:
 
1. Idolatria
 
“Porquanto, tendo conhecido a Deus,

não o glorificaram como Deus, nem lhe

deram graças; antes, em seus discursos

se desvaneceram, e o seu coração insensato

se obscureceu. Dizendo-se sábios,

tornaram-se loucos. E mudaram a glória

do Deus incorruptível em semelhança da

imagem de homem corruptível, e de aves,
 
e de quadrúpedes, e de répteis.” (Rm 1:21-



23.)
 
2. Imoralidade
 
“Pelo que também Deus os entregou

às concupiscências do seu coração, à imundícia,

para desonrarem o seu corpo entre

si; pois mudaram a verdade de Deus em

mentira e honraram e serviram mais a

criatura do que o Criador, que é bendito

eternamente. Amém! Pelo que Deus os

abandonou às paixões infames. Porque até

as suas mulheres mudaram o uso natural

de suas relações íntimas, no contrário à

natureza. E, semelhantemente, também os

varões, deixando o uso natural da mulher,

se inflamaram em sua sensualidade uns

para com os outros, varão com varão,

cometendo torpeza e recebendo em si mesmos

a recompensa que convinha ao seu
 
erro.” (Rm 1:24-27.)



3. Todos os tipos de iniqüidade
 
“E, como eles se não importaram de ter

conhecimento de Deus, assim Deus os entregou

a um sentimento perverso, para fazerem

coisas que não convém; estando cheios

de toda iniqüidade, prostituição, malícia,

avareza, maldade; cheios de inveja, homicídio,

contenda, engano, malignidade; sendo

murmuradores, detratores, aborrecedores

de Deus, injuriadores, soberbos, presunçosos,

inventores de males, desobedientes ao

pai e à mãe; néscios, infiéis nos contratos,

sem afeição natural, irreconciliáveis, sem

misericórdia; os quais, conhecendo a justiça

de Deus (que são dignos de morte os que

tais coisas praticam), não somente as fazem,

mas também consentem aos que as fazem.”
 
(Rm l:28-32.)
 
E. O GRANDE PLANO DE DEUS

PARA A RESTAURAÇÃO
 
Deus não desistiu do homem por causa

do seu pecado! Não! Ao contrário, Ele colocou

em ação um outro plano grandioso – o

plano de salvar a humanidade do poder de

Satanás, e de restaurá-la ao Seu plano original

de sermos Seus filhos e de compartilharmos

do Seu Trono. Ele começou a preparar o

mundo para a vinda do Salvador – Jesus.
 
“Porque, assim como todos morrem em

Adão, assim também todos serão vivificados
 
em Cristo.” (l Co 15:22.) O Novo Testamento



registra a história de Cristo, Aquele que

viria para nos salvar de todos os pecados.
 
O QUE O NOVO TESTAMENTO ENSINA
 
Capítulo 4
 
Jesus
A. JESUS É O FILHO DE DEUS
 
Há dois mil anos, um Homem entrou

no cenário da história. Ele nasceu no mundo

e cresceu até alcançar a maturidade, exatamente

igual a todos os seres humanos;

mas este Homem era diferente de qualquer

outra pessoa. Ele não era nenhum Homem

comum.

Uma virgem O concebeu através do Espírito

Santo para que Ele pudesse nascer.
 
MANUAL PARA NOVOS CONVERTIDOS 19

varão, mas de Deus.” (Jo 1:12 – veja também



l João 3:1,2.)
 
6. Restaurar a nossa comunhão

com Deus Pai
 
“O que vimos e ouvimos, isso vos anunciamos,

para que também tenhais comunhão

conosco; e a nossa comunhão é com
 
o Pai e com seu Filho Jesus Cristo.” (1 Jo



1:3.)
 
C. JESUS VEIO PARA NOS

MOSTRAR A NATUREZA DE DEUS
 
“Se vós me conhecêsseis a mim, também

conheceríeis a meu Pai; e já desde agora

o conheceis e o tendes visto... Quem me

vê a mim vê o Pai; e como dizes tu: Mostranos

o Pai? Não crês tu que eu estou no Pai

e que o Pai está em mim? As palavras que

eu vos digo, não as digo de mim mesmo,

mas o Pai, que está em mim, é quem faz as

obras. Crede-me que estou no Pai, e o Pai,

em mim; crede-me, ao menos, por causa
 
das mesmas obras...” (Jo 14:7-11 – veja



também João 1:18.)
 
1. Ele nos mostrou o amor de Deus
 
“Nisto se manifestou a caridade de

Deus para conosco: que Deus enviou seu

Filho unigênito ao mundo, para que por
 
ele vivamos. Nisto está a caridade: não



em que nós tenhamos amado a Deus,

mas em que ele nos amou e enviou seu
 
Filho para propiciação pelos nossos pecados.”



(l Jo 4:9,10 – veja também Romanos

5:8.)
 
2. Ele nos mostrou o poder de Deus
 
a. Ele curou os enfermos, os aleijados
 
e os cegos. “E a sua fama correu



por toda a Síria; e traziam-lhe todos os

que padeciam acometidos de várias enfermidades

e tormentos, os endemoninhados,

os lunáticos e os paralíticos, e ele os
 
curava.” (Mt 4:24 – veja também João



9:1-7.)
 
b. Ele expulsou os espíritos malig-
 
Ele era o Próprio Deus vindo à terra em
 
forma humana. Ele era o “Filho de Deus



(Lc 1:26-35).
 
“No princípio, era o Verbo, e o Verbo

estava com Deus, e o Verbo era Deus... E o

Verbo se fez carne e habitou entre nós, e

vimos a sua glória, como a glória do

Unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade.”
 
(Jo 1:1,14.)
 
B. JESUS VEIO AO MUNDO PARA

UM PROPÓSITO ESPECIAL
 
1. Resgatar a humanidade

do poder de Satanás
 
“Porque o Filho do Homem veio buscar
 
e salvar o que se havia perdido.” (Lc



19:10.) Veja Colossenses 1:13.
 
2. Dar a Sua vida como resgate

para nos comprar de volta
 
“...o Filho do Homem não veio para ser

servido, mas para servir e para dar a sua
 
vida em resgate de muitos.” (Mt 20:28.)



3. Destruir as obras de Satanás

em nossa vida
 
“Quem comete o pecado é do diabo,

porque o diabo peca desde o princípio. Para

isto o Filho de Deus se manifestou: para
 
desfazer as obras do diabo.” (l Jo 3:8.)



4. Dar-nos a vida eterna
 
“E o testemunho é este: que Deus nos

deu a vida eterna; e esta vida está em seu

Filho. Quem tem o Filho tem a vida; quem

não tem o Filho de Deus não tem a vida.”
 
(1 Jo 5:11,12 – veja também João 3:16,17 e

João 10:10.)
 
5. Dar-nos um novo “nascimento”

na família de Deus
 
“Mas a todos quantos o receberam

deu-lhes o poder de serem feitos filhos de

Deus: aos que crêem no seu nome, os

quais não nasceram do sangue, nem da

vontade da carne, nem da vontade do
 
20 Capítulo 5 – A Cruz

nos. “E curou muitos que se achavam



enfermos de diversas enfermidades e expulsou

muitos demônios, porém não deixava

falar os demônios, porque o conheciam.”
 
(Mc 1:34 – veja também Marcos

5:1-17.)
 
c. Ele realizou milagres. “E levantou-



se grande temporal de vento, e subiam

as ondas por cima do barco, de maneira

que já se enchia de água... E ele, despertando,

repreendeu o vento e disse ao mar: Calate,

aquieta-te. E o vento se aquietou, e houve

grande bonança... E sentiram um grande

temor e diziam uns aos outros: Mas quem

é este que até o vento e o mar lhe obedecem?”
 
(Mc 4:37-41 – veja também João 6:

1-21.)
 
d. Ele ressuscitou mortos. “... clamou



com grande voz: Lázaro, vem para fora. E

o defunto saiu, tendo as mãos e os pés ligados

com faixas, e o seu rosto, envolto num

lenço. Disse-lhes Jesus: Desligai-o e deixaio
 
ir.” (Jo 11:43,44.)



D. JESUS COMPARTILHOU

DOS NOSSOS SOFRIMENTOS

EM SUA VIDA
 
Durante a Sua vida na terra, Jesus experimentou

todos os problemas da vida que

enfrentamos. Assim sendo, Ele compreende

os nossos sentimentos.
 
“Porque não temos um sumo sacerdote

que não possa compadecer-se das

nossas fraquezas; porém um que, como

nós, em tudo foi tentado, mas sem pecado.”
 
(Hb 4:15 – veja também Mateus

8:17.)
 
E. JESUS MORREU

NA CRUZ POR NÓS
 
Homens malvados tomaram o Senhor Jesus

e O executaram, crucificando-O numa

cruz de madeira, como no caso de um criminoso

comum.

Ele poderia ter salvo a Si Próprio, mas

não o fez, pois foi através da Sua morte

na Cruz que Deus salvaria o mundo. Jesus

morreu por nós! (Leia Marcos 15:16-

39.)
 
“Levando ele mesmo em seu corpo os

nossos pecados sobre o madeiro, para que,

mortos para os pecados, pudéssemos viver

para a justiça; e pelas suas feridas fostes
 
sarados.” (1 Pe 2:24 – veja também



Isaías 53:5,6.)
 
F. JESUS RESSUSCITOU

DOS MORTOS POR NÓS
 
Depois de permanecer três dias na sepultura,

Deus ressuscitou o Seu Filho dos

mortos! (Leia Mateus 28.) Isso também foi

por nós!
 
“Mas Deus, que é riquíssimo em misericórdia,

pelo seu muito amor com que nos

amou, estando nós ainda mortos em nossas

ofensas, nos vivificou juntamente com

Cristo, e nos ressuscitou juntamente com

ele, e nos fez assentar nos lugares celestiais,
 
em Cristo Jesus.” (Ef 2:4-6 – veja



também Romanos 6:4.)
 
G. JESUS ABRIU A PORTA DO CÉU

PARA NÓS
 
Quando a Sua obra na Terra foi completada,

Jesus voltou ao Céu para ficar com

Deus, o Seu Pai. Mas isso também foi por

nós... pois Ele abriu para nós o caminho

para a presença de Deus, onde podemos

habitar agora e para sempre!
 
“Tendo, pois, irmãos, ousadia para entrar

no Santuário, pelo sangue de Jesus,

pelo novo e vivo caminho que ele nos consagrou,

pelo véu, isto é, pela sua carne...

cheguemo-nos com verdadeiro coração, em
 
inteira certeza de fé...” (Hb 10:19-22 – veja



também João 14:1-3.)
 
MEU COMPROMISSO

Reconheço hoje que Jesus é o Filho

de Deus e que Ele veio ao mundo

para suprir a minha grande necessidade

de um Salvador. Também contarei

aos outros que Ele veio ao mundo

para eles.
 
MANUAL PARA NOVOS CONVERTIDOS 21



Capítulo 5
 
A Cruz
Quando Jesus Cristo foi morto, tendo

sido pregado numa cruz de madeira, aqueles

homens malvados pensaram que estavam

simplesmente executando um homem

que estava perturbando o seu estilo de vida.

Eles não perceberam que a Cruz fora planejada

por Deus desde o início do mundo.
 
A. DEUS LIDA COM O PECADO
 
Através da morte do Seu Filho na Cruz,

o grande Deus Criador estava lidando com

o pecado, o sofrimento, e a angústia de todas

as pessoas. Jesus estava morrendo no

lugar de todos os indivíduos do mundo.

A aceitação pessoal do que Ele fez na

Cruz traz a resposta a todas as nossas necessidades.
 
1. Deus revela o Seu poder

através da cruz
 
“Porque a palavra da cruz é loucura

para os que perecem; mas para nós, que
 
somos salvos, é o poder de Deus.” (1 Co 1:



18 – veja também Romanos 1:16.)
 
2. Deus mostra o Seu amor na cruz
 
“Mas Deus prova o seu amor para conosco

em que Cristo morreu por nós, sendo
 
nós ainda pecadores.” (Rm 5:8.)



3. Deus removeu as nossas dores

na cruz
 
“Verdadeiramente, ele tomou sobre si

as nossas enfermidades e as nossas dores

levou sobre si; e nós o reputamos por aflito,
 
ferido de Deus e oprimido.” (Is 53:4.)



4. Jesus tomou a punição pelos

nossos pecados na cruz
 
“Mas ele foi ferido pelas nossas transgressões

e moído pelas nossas iniqüidades;

o castigo que nos traz a paz estava

sobre ele, e, pelas suas pisaduras, fomos

sarados. Todos nós andamos desgarrados

como ovelhas; cada um se desviava pelo
 
seu caminho, mas o SENHOR fez cair sobre

ele a iniqüidade de nós todos.” (Is 53:5,6 –



veja também 1 Pedro 2:24.)
 
B. UM NOVO RELACIONAMENTO

COM DEUS ATRAVÉS DA CRUZ
 
Pelo fato de Deus ser tão santo e reto, o

pecado nos separa d’Ele. Ninguém que tenha

pecado em seu coração é capaz de permanecer

em Sua presença.

Portanto, com a Sua morte na Cruz, Jesus

não somente sofreu pelos nossos pecados

em nosso lugar, mas também tornou

possível que conhecêssemos a Deus pessoalmente

e que experimentássemos o amor, a

paz, e a alegria que a comunhão com Ele

traz.
 
1. Tornamo-nos aceitáveis diante

de Deus através da cruz
 
“Àquele que não conheceu pecado, o fez

pecado por nós; para que, nele, fôssemos
 
feitos justiça de Deus.” (2 Co 5:21.)



2. Recebemos o perdão através da

cruz
 
“Ele nos tirou da potestade das trevas e

nos transportou para o Reino do Filho do

seu amor, em quem temos a redenção pelo

seu sangue, a saber, a remissão dos pecados.”
 
(Cl 1:13,14 – veja também l João 2:1,2.)
 
3. Tornamo-nos membros da

família de Deus através da cruz
 
“Porque, assim o que santifica como os

que são santificados, são todos de um; por

cuja causa não se envergonha de lhes chamar

irmãos, dizendo: Anunciarei o teu nome

a meus irmãos, cantar-te-ei louvores no
 
meio da congregação.” (Hb 2:11,12 – veja



também João 1:12.)
 
4. Barreiras raciais são quebradas

através da cruz
 
“Mas, agora, em Cristo Jesus, vós,

que antes estáveis longe, já pelo sangue
 
22 Capítulo 5 – A Cruz



de Cristo chegastes perto. Porque ele é a

nossa paz, o qual de ambos os povos fez

um; e, derribando a parede de separação

que estava no meio, na sua carne, desfez

a inimizade, isto é, a lei dos mandamentos,

que consistia em ordenanças, para

criar em si mesmo dos dois um novo homem,

fazendo a paz, e, pela cruz, reconciliar

ambos com Deus em um corpo,
 
matando com ela as inimizades.” (Ef 2:13-



16.)
 
C. LIBERDADE ATRAVÉS DA CRUZ
 
A morte de Jesus na Cruz foi uma grande

vitória para nós. Pelo fato de Deus ter

tratado com o nosso pecado na Cruz, isto

significa também que toda a angústia e sofrimento,

que são resultados do pecado,

também foram tratados. Através da Cruz

ganhamos uma grande liberdade!
 
1. Livres de Satanás
 
“E, despojando os principados e potestades,

os expôs publicamente e deles triunfou
 
em si mesmo.” (Cl 2:15 – veja também



Colossenses 1:13.)
 
2. Livres dos pecados passados
 
“Se, pois, o Filho vos libertar, verdadeiramente,
 
sereis livres.” (Jo 8:36 – veja



também Colossenses 2:13.)
 
3. Livres dos pecados presentes
 
“Porque o pecado não terá domínio sobre

vós, pois não estais debaixo da lei, mas
 
debaixo da graça.’’ (Rm 6:14.)



4. Livres das enfermidades
 
“Para que se cumprisse o que fora dito

pelo profeta Isaías, que diz: Ele tomou sobre

si as nossas enfermidades e levou as
 
nossas doenças.” (Mt 8:17.)



5. Livres da maldição
 
“Cristo nos resgatou da maldição da

lei, fazendo-se maldição por nós, porque

está escrito: Maldito todo aquele que for
 
pendurado no madeiro.” (Gl 3:13 – veja



também Deuteronômio 28:15-68.)
 
6. Livres do julgamento
 
“Doutra maneira, necessário lhe fora

padecer muitas vezes desde a fundação do

mundo; mas, agora, na consumação dos

séculos, uma vez se manifestou, para aniquilar

o pecado pelo sacrifício de si mesmo.

E, como aos homens está ordenado

morrerem uma vez, vindo, depois disso, o
 
juízo.” (Hb 9:26,27.)



7. Livres da morte eterna
 
“Porque Deus amou o mundo de tal

maneira que deu o seu Filho unigênito, para

que todo aquele que nele crê não pereça,
 
mas tenha a vida eterna.” (Jo 3:16.)



D. O AMOR E A JUSTIÇA

ENCONTRAM-SE NA CRUZ
 
A Cruz é o lugar onde o amor e o justo

julgamento de Deus se encontram. O Seu

justo julgamento exigia a penalidade de morte

pelo pecado – o derramamento de sangue.

O Seu amor satisfez as Suas Próprias

exigências, e Jesus, o Filho de Deus, morreu

em nosso lugar.
 
“Mas Deus prova o seu amor para conosco

em que Cristo morreu por nós, sendo

nós ainda pecadores. Logo, muito mais agora,

sendo justificados pelo seu sangue, seremos

por ele salvos da ira. Porque, se nós,

sendo inimigos, fomos reconciliados com

Deus pela morte de seu Filho, muito mais,

estando já reconciliados, seremos salvos pela

sua vida. E não somente isto, mas também

nos gloriamos em Deus por nosso Senhor

Jesus Cristo, pelo qual agora alcançamos a
 
reconciliação.” (Rm 5:8-11.)



E. A CRUZ É O CENTRO DA

HISTÓRIA
 
A Cruz de Jesus Cristo é o ponto central

da existência da humanidade na terra. Desde

o momento em que o primeiro homem e

a primeira mulher pecaram (veja Gênesis
 
MANUAL PARA NOVOS CONVERTIDOS 23



3), já havia sido planejado de antemão por

Deus que Jesus morreria na Cruz.

Daquela ocasião em diante, as pessoas

olhavam adiante, em fé, para o que Deus

havia prometido que faria para salvá-las.

Hoje, olhamos para trás, e, crendo no que

Jesus fez por nós na Cruz, recebemos o

perdão e uma nova vida.
 
MEU COMPROMISSO

Hoje coloco a minha total confiança

no que Deus estava fazendo por mim

quando Jesus morreu na Cruz. Creio

que Ele levou a punição pelo meu pecado.

Recebo o perdão que Deus está me

oferecendo, e agradeço-Lhe pelo relacionamento

que isso agora me proporciona

com Ele. Tomo a decisão hoje de viver

cada dia nesse relacionamento pessoal

com Deus e me comprometo a compartilhar

essa verdade com outros.
 
Capítulo 6
 
O Sangue de Cristo
O derramamento do sangue de Jesus Cristo

na Cruz foi um fator para que pudéssemos

receber o perdão pelos nossos pecados

e sermos aceitos na presença de Deus.
 
“...sem derramamento de sangue não
 
há remissão.” (Hb 9:22.)



A. A VIDA ESTÁ NO SANGUE
 
“Porque a alma da carne está no sangue,

pelo que vo-lo tenho dado sobre o altar,

para fazer expiação pela vossa alma,

porquanto é o sangue que fará expiação...”
 
(Lv 17:11.)

Quando pecamos, merecemos a morte.
 
“O salário do pecado é a morte” (Rm 6:23).



Jesus pagou a penalidade por nós, derramando

o Seu sangue (morrendo em nosso

lugar).
 
Expiação significa sermos reconciliados



com Deus. Jesus deu a Sua vida (derramou
 
o Seu sangue) na Cruz para a nossa reconciliação



(expiação). Isso possibilitou a nossa
 
reconciliação com Deus. O sangue de Jesus



significa que não somos mais Seus inimigos

e sim, Seus amigos, Seus filhos e filhas.

Pela fé, aceitamos o que Jesus fez por

nós.
 
B. O QUE O PECADO FAZ À NOSSA

VIDA
 
1. Separa-nos de Deus
 
“Mas as vossas iniqüidades fazem divisão

entre vós e o vosso Deus, e os vossos

pecados encobrem o seu rosto de vós, para
 
que vos não ouça.” (Is 59:2.)



2. Faz com que nos sintamos

culpados
 
“Pois já as minhas iniqüidades ultrapassam

a minha cabeça; como carga pesada
 
são demais para as minhas forças.” (Sl



38:4.)
 
3. Permite que Satanás nos acuse
 
“...o acusador de nossos irmãos... o
 
qual... os acusava de dia e de noite.” (Ap



12:10.)
 
4. Exige a penalidade de morte
 
“...a alma que pecar, essa morrerá.”
 
(Ez 18:4.) O sangue de Cristo supre todas

as nossas necessidades.
 
C. O SANGUE É PARA DEUS
 
O sangue de Cristo satisfaz plenamente

a lei de Deus – que requer uma penalidade
 
pela quebra da lei. l João 3:4 diz: “o pecado



é a quebra da lei”.
 
O sangue nos protege da penalidade pela

quebra da lei (morte). Em Êxodo 12, Deus

ordenou ao povo de Israel a aplicar o sangue

de um cordeiro sob os portais de suas

casas para protegê-los do destruidor – o

qual mataria todos os primogênitos.

Esse cordeiro era um protótipo do Cordeiro

– Jesus – o Qual viria mais tarde. Deus
 
disse: “...vendo eu sangue, passarei por

24 Capítulo 6 – O Sangue de Cristo



cima de vós, e não haverá entre vós praga
 
de mortandade...” (V. 13.)



1. A comunhão é restaurada
 
“Mas Deus prova o seu amor para

conosco em que Cristo morreu por nós,

sendo nós ainda pecadores. Logo, muito

mais agora, sendo justificados pelo seu

sangue, seremos por ele salvos da ira.”
 
(Rm 5:8,9.)
 
2. Somos redimidos (comprados para

sermos libertos da escravidão)
 
“Em quem temos a redenção pelo seu

sangue, a remissão das ofensas, segundo
 
as riquezas da sua graça.” (Ef 1:7.)



D. O SANGUE É PARA O HOMEM
 
O sangue satisfez a Deus. Agora ele deve

nos satisfazer na purificação da consciência

de nossas culpas.
 
1. O sangue nos purifica da culpa
 
“Quanto mais o sangue de Cristo, que,

pelo Espírito eterno, se ofereceu a si mesmo

imaculado a Deus, purificará a vossa

consciência das obras mortas, para servirdes
 
ao Deus vivo?” (Hb 9:14.)



2. O sangue nos santifica
 
“E, por isso, também Jesus, para santificar

o povo pelo seu próprio sangue, padeceu
 
fora da porta.” (Hb 13:12.)



3. O sangue nos aproxima de Deus
 
“...por meio dele reconciliasse consigo

mesmo todas as coisas, tanto as que

estão na terra como as que estão nos céus.



A vós também, que noutro tempo éreis estranhos

e inimigos no entendimento pelas
 
vossas obras más, agora, contudo, vos reconciliou...”



(Cl 1:20-22.)
 
4. O sangue nos dá intrepidez para

entrarmos na presença de Deus
 
“Tendo, pois, irmãos, ousadia para

entrar no Santuário, pelo sangue de Jesus,

pelo novo e vivo caminho que ele

nos consagrou, pelo véu, isto é, pela sua

carne... cheguemo-nos com verdadeiro

coração, em inteira certeza de fé; tendo o

coração purificado da má consciência e o
 
corpo lavado com água limpa.” (Hb



10:19-22.)
 
5. O sangue nos aperfeiçoa diante

dos olhos de Deus
 
“Porque, com uma só oblação, aperfeiçoou

para sempre os que são santificados.”
 
(Hb 10:14.)
 
E. O SANGUE É PARA O DIABO
 
A atividade mais estratégica de Satanás

nesta era é a de ser o acusador dos

irmãos (Ap 12:10) e é nisto que o Senhor

Jesus o confronta: em Seu ministério especial

na qualidade de Sumo Sacerdote

através do Seu Próprio sangue (Hb 9:11-

14).
 
1. O sangue coloca Deus ao lado

dohomem e contra o Diabo
 
“... Se Deus é por nós, quem será contra

nós?... Quem intentará acusação contra

os escolhidos de Deus? É Deus quem os

justifica. Quem os condenará? Pois é Cristo

quem morreu ou, antes, quem ressuscitou

dentre os mortos, o qual está à direita
 
de Deus, e também intercede por nós.” (Rm



8:31,33, 34.)

O diabo não tem nenhuma base para acusações

contra os que receberam a obra do

sangue de Cristo derramado por eles.
 
2. O sangue dissolve todos os

direitos legais de posse de

Satanás
 
“...em quem temos a redenção pelo seu

sangue, a saber, a remissão dos pecados.”
 
(Cl 1:14.)

“Redenção” significa “comprar de volta”.

Estamos debaixo de um novo dono, e o

preço que foi pago por nós foi o sangue

derramado de Jesus.
 
MANUAL PARA NOVOS CONVERTIDOS 25



“...a igreja de Deus, que ele resgatou
 
com seu próprio sangue.” (At 20:28 – veja



também 1 Coríntios 6:19,20 e 1 Timóteo

2:6.)
 
F. O QUE O SANGUE DE CRISTO

NOS TROUXE
 
1. Pureza de coração
 
“Mas, se andarmos na luz, como ele

na luz está, temos comunhão uns com os

outros, e o sangue de Jesus Cristo, seu
 
Filho, nos purifica de todo pecado.” (1 Jo



1:7.)
 
2. Vida eterna
 
“Jesus, pois, lhes disse: Na verdade,

na verdade vos digo que, se não comerdes

a carne do Filho do Homem e não

beberdes o seu sangue, não tereis vida

em vós mesmos. Quem come a minha

carne e bebe o meu sangue tem a vida

eterna, e eu o ressuscitarei no último dia.”
 
(Jo 6:53,54.)
 
3. Aproximação a Deus
 
“Mas, agora, em Cristo Jesus, vós, que

antes estáveis longe, já pelo sangue de Cristo
 
chegastes perto.” (Ef 2:3.)



MEU COMPROMISSO

Compreendo agora o que o sangue

derramado de Jesus significa para Deus,

para Satanás, e para mim. Comprometo-

me a compartilhar com os outros a

verdade com relação ao sangue de Cristo.

Lembrarei a mim mesmo constantemente

da aliança que Deus tem comigo,

de perdoar o meu pecado, purificar-me

do pecado, e proteger-me dos ataques de

Satanás.
 
Capítulo 7
 
A Ressurreição
Após a Sua morte na Cruz, Jesus ficou

na sepultura por três dias (Mt 12:40). Aí

então – Deus ressuscitou o Seu Filho dos

mortos! (Leia Mateus 28.)
 
“...declarado Filho de Deus em poder,

segundo o Espírito de santificação, pela ressurreição

dos mortos, – Jesus Cristo, nosso
 
Senhor.” (Rm 1:4.)



A. DEUS RESSUSCITOU VOCÊ

JUNTAMENTE COM CRISTO
 
A morte de Jesus foi para você, bem

como também a Sua ressurreição!
 
“...estando vós mortos em ofensas e

pecados, em que, noutro tempo, andastes,

segundo o curso deste mundo, segundo o

príncipe das potestades do ar... Mas

Deus, que é riquíssimo em misericórdia,

pelo seu muito amor com que nos amou,

estando nós ainda mortos em nossas ofensas,

nos vivificou juntamente com Cristo

(pela graça sois salvos), e nos ressuscitou

juntamente com ele, e nos fez assentar

nos lugares celestiais, em Cristo Jesus.”
 
(Veja Efésios 2:1-6; Colossenses

3:1-3.)
 
1. Para lhe dar uma nova vida
 
“ ...Deus, que nos salvou e chamou com

uma santa vocação; não segundo as nossas

obras, mas segundo o seu próprio propósito

e graça que nos foi dada em Cristo

Jesus, antes dos tempos dos séculos, e que

é manifesta, agora, pela aparição de nosso

Salvador Jesus Cristo, o qual aboliu a morte

e trouxe à luz a vida e a incorrupção, pelo
 
evangelho.” (2 Tm 1:8-10.)



2. Para lhe dar um novo

nascimento
 
“Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor

Jesus Cristo, que, segundo a sua grande

misericórdia, nos gerou de novo para

uma viva esperança, pela ressurreição de
 
Jesus Cristo dentre os mortos.” (1 Pe 1:3.)



3. Para lhe dar um novo início
 
“Assim que, se alguém está em Cristo,
 
nova criatura é: as coisas velhas já pas26

Capítulo 7 – A Ressurreição

saram; eis que tudo se fez novo.” (2 Co



5:17.)
 
4. Para lhe dar:
 
a. Vitória sobre Satanás. “Filhinhos,



sois de Deus e já os tendes vencido, porque

maior é o que está em vós do que o

que está no mundo... Porque todo o que é

nascido de Deus vence o mundo; e esta é a

vitória que vence o mundo: a nossa fé.

Quem é que vence o mundo, senão aquele
 
que crê que Jesus é o Filho de Deus?” (1



Jo 4:4; 5:4,5 – veja também Colossenses

2:13-15.)
 
b. Autoridade sobre Satanás. Após a

Sua ressurreição, “...Jesus Cristo ... o qual



está à destra de Deus, tendo subido ao céu,

havendo-se-lhe sujeitado os anjos, e as autoridades,
 
e as potências” [isso inclui Satanás]



(l Pe 3:21,22 – veja também Lucas

10:17-19.)
 
c. Poder sobre Satanás. “... lembrando-



me de vós nas minhas orações,

para que o Deus de nosso Senhor Jesus

Cristo, o Pai da glória... tendo iluminados

os olhos do vosso entendimento, para

que saibais... qual a sobreexcelente grandeza

do seu poder sobre nós, os que cremos,

segundo a operação da força do seu

poder, que manifestou em Cristo, ressuscitando-

o dos mortos e pondo-o à sua

direita nos céus, acima de todo principado,

e poder, e potestade, e domínio, e de

todo nome que se nomeia, não só neste

século, mas também no vindouro. E sujeitou

todas as coisas a seus pés e, sobre

todas as coisas, o constituiu como cabeça

da igreja, que é o seu corpo, a plenitude

daquele que cumpre tudo em todos.”
 
(Ef 1:16-23 – veja também Marcos 16:15-

18, Atos 1:8; 4:33.)
 
5. Para torná-lo um filho e herdeiro

no reino de Deus
 
“Porque não recebestes o espírito de

escravidão, para, outra vez, estardes em

temor, mas recebestes o espírito de adoção

de filhos, pelo qual clamamos: Aba, Pai. O

mesmo Espírito testifica com o nosso espírito

que somos filhos de Deus. E, se nós

somos filhos, somos, logo, herdeiros também,

herdeiros de Deus e co-herdeiros de
 
Cristo...” (Rm 8:15-17.)



B. A RESSURREIÇÃO

SATISFAZ TODAS AS

NECESSIDADES DA VIDA
 
1. É a sua libertação do PASSADO



A sua antiga vida pecaminosa foi aniquilada

na Cruz com Jesus, e foi enterrada com

Ele na sepultura. Aí então, quando Jesus foi

ressuscitado, você foi ressuscitado com Ele,

como uma nova criação – deixando para trás

a sua antiga vida na sepultura de Jesus!
 
“De sorte que fomos sepultados com ele

pelo batismo na morte; para que, como Cristo

ressuscitou dos mortos pela glória do

Pai, assim andemos nós também em novidade

de vida... Pois, quanto a ter morrido,

de uma vez morreu para o pecado; mas,

quanto a viver, vive para Deus. Assim também

vós considerai-vos como mortos para

o pecado, mas vivos para Deus, em Cristo
 
Jesus, nosso Senhor.” (Rm 6:4-11 – veja



também Efésios 2:1-7 e Colossenses 2:12-

15.)
 
2. É o seu poder para o PRESENTE

Pelo fato de Jesus estar vivo, recebemos



agora o poder do Seu Espírito para vivermos

uma vida de vitória sobre o pecado e

todos os ataques de Satanás contra nós.
 
“Que diremos, pois, a estas coisas? Se

Deus é por nós, quem será contra nós?

Aquele que nem mesmo a seu próprio Filho

poupou, antes, o entregou por todos nós,

como nos não dará também com ele todas

as coisas? Quem intentará acusação contra

os escolhidos de Deus? É Deus quem os

justifica. Quem os condenará? Pois é Cristo

quem morreu ou, antes, quem ressuscitou

dentre os mortos, o qual está à direita

de Deus, e também intercede por nós. Quem
 
MANUAL PARA NOVOS CONVERTIDOS 27



nos separará do amor de Cristo? A tribulação,

ou a angústia, ou a perseguição, ou

a fome, ou a nudez, ou o perigo, ou a espada?

Como está escrito: Por amor de ti somos

entregues à morte todo o dia: fomos

reputados como ovelhas para o matadouro.

Mas em todas estas coisas somos mais

do que vencedores, por aquele que nos
 
amou...” (Rm 8:31-39.)



3. É a sua esperança para o
 
FUTURO
 
A ressurreição de Jesus nos dá uma grande

esperança para o futuro. Ele é chamado
 
de “o Primogênito dentre os mortos” (Cl



1:18). Em Sua ressurreição, Ele estava abrindo

caminho para todos que creriam n’Ele

para O seguirem – para também serem ressurretos

dentre os mortos!

Num maravilhoso dia do futuro, Jesus

Cristo voltará à terra novamente – não como

um bebê desta vez, porém revelando a todo

o mundo quem Ele realmente é – o glorioso

Deus e Rei de toda a Criação. Nesta ocasião,

todos os que morreram, crendo n’Ele,

serão ressurretos!
 
“E, se Cristo não ressuscitou, é vã a

vossa fé, e ainda permaneceis nos vossos

pecados. E também os que dormiram em

Cristo estão perdidos. Se esperamos em

Cristo só nesta vida, somos os mais miseráveis

de todos os homens. Mas, agora,

Cristo ressuscitou dos mortos e foi

feito as primícias dos que dormem. Porque,

assim como a morte veio por um

homem, também a ressurreição dos mortos

veio por um homem. Porque, assim

como todos morrem em Adão, assim também

todos serão vivificados em Cristo.

Mas cada um por sua ordem: Cristo, as

primícias; depois, os que são de Cristo,
 
na sua vinda.” (l Co 15:17-23 – veja também



l Coríntios 15:50-57 e l Tessalonicenses

4:13-18.)
 
MEU COMPROMISSO

Devido à ressurreição de Cristo, comprometo-

me hoje a receber a plenitude

da minha nova vida e liberação n’Ele.

Permanecerei firme nesta verdade e a

compartilharei com todas as pessoas que

puder.
 
Capítulo 8
 
Arrependimento
O arrependimento é o primeiro passo

que tomamos para recebermos a salvação

que Deus nos oferece no Senhor Jesus Cristo.
 
“... a esse Jesus, a quem vós crucificastes,

Deus o fez Senhor e Cristo. Ouvindo

eles isto, compungiram-se em seu coração

e perguntaram a Pedro e aos demais apóstolos:

Que faremos, varões irmãos? E disse-

lhes Pedro: Arrependei-vos, e cada um

de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo
 
para perdão dos pecados...” (At 2:36-



38 – veja também Atos 17:30.)
 
A. O QUE NÃO É O

ARREPENDIMENTO
 
1. Não é um mero sentimento de

culpa
 
O sentimento de culpa com relação ao

nosso pecado vem antes do arrependimento,

porém não é o arrependimento em si.

Ninguém se arrepende, a menos que tenha

primeiramente se sentido culpado

com relação ao seu pecado, porém nem

todos que se sentem culpados arrependem-

se de fato.
 
“E, tratando ele da justiça, e da temperança,

e do Juízo vindouro, Félix, espavorido,

respondeu: Por agora, vai-te, e, em
 
tendo oportunidade, te chamarei.” (At



24:25.) Félix sentiu-se culpado, porém não

se arrependeu.
 
2. Não é uma mera tristeza pelo

seu pecado
 
Algumas pessoas ficam muito tristes por

causa das conseqüências de seus pecados,
 
28 Capítulo 8 – Arrependimento



ou pelo fato de terem sido pegas. Muitas

pessoas ficam tristes, não pelo que têm feito

de errado, mas pela penalidade que recebem

ao serem pegas.
 
“Porque a tristeza segundo Deus opera

arrependimento para a salvação, da qual

ninguém se arrepende; mas a tristeza do
 
mundo opera a morte.” (2 Co 7:10.)



3. Não é uma mera tentativa de

sermos pessoas boas
 
Muitas pessoas tentam com as suas próprias

forças tornarem-se pessoas melhores e

mudarem o estilo de vida. Todo esforço próprio

traz consigo uma raiz de auto-justiça,

que é algo que não reconhece a necessidade

de arrependimento pelo pecado.
 
“Mas todos nós somos como o imundo,

e todas as nossas justiças, como trapo da

imundícia; e todos nós caímos como a folha,

e as nossas culpas, como um vento,
 
nos arrebatam.” (Is 64:6.)



4. Não é adquirir religiosidade
 
Os fariseus da Bíblia eram extremamente

religiosos em seus comportamentos e

práticas. Jejuavam, oravam e tinham muitas

cerimônias religiosas. No entanto, nunca

se arrependeram.
 
“E, vendo ele muitos dos fariseus e dos

saduceus que vinham ao seu batismo, dizia-

lhes: Raça de víboras, quem vos ensinou

a fugir da ira futura? Produzi, pois,

frutos dignos de arrependimento e não

presumais de vós mesmos, dizendo: Temos

por pai a Abraão; porque eu vos digo que

mesmo destas pedras Deus pode suscitar

filhos a Abraão. E também, agora, está

posto o machado à raiz das árvores; toda

árvore, pois, que não produz bom fruto é
 
cortada e lançada no fogo.” (Mt 3:7-10 –



veja também Mateus 5:20.)
 
5. Não é um mero conhecimento da

verdade
 
A posse de um conhecimento intelectual

da verdade não garante necessariamente que

a verdade tenha se tornado uma realidade

viva em nossa vida. Crermos com nossa

mente e crermos com o nosso coração são

duas coisas diferentes (veja Romanos l0:10).
 
“Tu crês que há um só Deus? Fazes

bem; também os demônios o crêem e estremecem.”
 
(Tg 2:19,20.)
 
B. O QUE É O VERDADEIRO

ARREPENDIMENTO
 
1. Estar pesaroso para com

Deus pelo seu pecado
 
O verdadeiro arrependimento é uma tristeza

não somente para consigo próprio, ou

para com uma outra pessoa, mas em primeiro

lugar é uma verdadeira tristeza para

com Deus.
 
“Tem misericórdia de mim, ó Deus, segundo

a tua benignidade; apaga as minhas

transgressões, segundo a multidão das tuas

misericórdias. Lava-me completamente da

minha iniqüidade e purifica-me do meu pecado.
 
Porque eu conheço as minhas transgressões,
 
e o meu pecado está sempre diante



de mim. Contra ti, contra ti somente pequei,
 
e fiz o que a teus olhos é mal...” (Sl 51:1-4 –



veja também Salmos 38:8.)
 
2. Ser realista com relação ao seu

pecado
 
“Confessei-te o meu pecado e a minha

maldade não encobri; dizia eu: Confessarei
 
ao SENHOR as minhas transgressões; e



tu perdoaste a maldade do meu pecado.”
 
(Sl 32:5 – veja também l João 1:9.)
 
3. Abandonar o seu pecado
 
“O que encobre as suas transgressões

jamais prosperará; mas o que as confessa
 
e deixa alcançará misericórdia.” (Pv 28:13.)



4. Odiar o pecado
 
“Amaste a justiça e aborreceste a iniqüidade;

por isso, Deus, o teu Deus, te ungiu...”
 
(Hb 1:9.)
 
“... e tereis nojo de vós mesmos, por
 
MANUAL PARA NOVOS CONVERTIDOS 29



todas as vossas maldades que tendes cometido.”
 
(Ez 20:43,44.)
 
5. Quando possível, restituir aos

outros o que você lhes deve
 
“E, levantando-se Zaqueu, disse ao Senhor:

Senhor, eis que eu dou aos pobres

metade dos meus bens; e, se em alguma

coisa tenho defraudado alguém, o restituo
 
quadruplicado.” (Lc 19:8 – veja também



Levítico 6: l -7.)
 
C. O QUE O ARREPENDIMENTO

ENVOLVE
 
1. O abandono do pecado
 
“E não sejais como vossos pais, aos

quais clamavam os primeiros profetas, dizendo:
 
Assim diz o SENHOR dos Exércitos:



Convertei-vos, agora, dos vossos maus

caminhos e das vossas más obras. Mas

não ouviram, nem me escutaram, diz o
 
SENHOR.” (Zc 1:4 – veja também Gálatas



5:19-21 e Efésios 5:5.)
 
2. O abandono do mundo
 
“Não ameis o mundo, nem o que no

mundo há. Se alguém ama o mundo, o amor
 
do Pai não está nele.” (1 Jo 2:15 – veja



também Tiago 4:4.)
 
3. O abandono de si próprio
 
“E ele morreu por todos, para que os

que vivem não vivam mais para si, mas para

aquele que por eles morreu e ressuscitou.”
 
(2 Co 5:15 – veja também Lucas 14:26.)
 
4. O abandono do diabo
 
“...para lhes abrires os olhos e das trevas

os converteres à luz e do poder de Satanás
 
a Deus...” (At 26:18 – veja também



Colossenses 1:13.)
 
5. Conversão a Deus
 
“Portanto, dize-lhes: Assim diz o SENHOR



dos Exércitos: Tornai para mim,
 
diz o SENHOR dos Exércitos, e eu tornarei

para vós, diz o SENHOR dos Exércitos.”



(Lc 1:3.)
 
6. Conversão a um estilo de vida de

retidão
 
“Nem tampouco apresenteis os vossos

membros ao pecado por instrumentos de

iniqüidade; mas apresentai-vos a Deus,

como vivos dentre mortos, e os vossos

membros a Deus, como instrumentos de
 
justiça.” (Rm 6:13.)



MEU COMPROMISSO

Decido hoje a arrepender-me e continuarei

abandonando o pecado à medida

que Deus me revelar as coisas que

são erradas.
 
Capítulo 9
 
A fé sempre foi a marca de um discípulo

de Jesus. Os primeiros discípulos eram conhecidos
 
como crentes. Jesus disse: “...

Tudo é possível ao que crê.” (Mc 9:23.)



A fé significa uma total dependência de

Deus. Quando Adão pecou, ele saiu da dependência

de Deus e entrou numa “independência”

(que significa incredulidade).

Esta é a razão pela qual Deus colocou

uma prioridade tão alta assim na fé. A fé é a

forma pela qual somos restaurados a um

relacionamento com Deus (dependência de

Deus).

Essa dependência de Deus é chamada de

fé. A fé o leva além dos seus cinco sentidos

de visão, audição, paladar, olfato e tato. A

fé o libera da sua capacidade limitada. Pela

fé você passa da “incapacidade’’ para a “capacidade

de Deus’’.

Este é o caminhar de fé para o qual todos
 
nós somos chamados – onde “nada vos

será impossível” (Mt 17:20).



A. O QUE É FÉ?
 
Fé é uma ação de obediência em resposta
 
ao que Deus falou. A verdadeira fé é ex30

Capítulo 9 –



pressa em 1) Obediência e 2) Ação, em resposta

ao 3) Nosso ouvir a Palavra de Deus

(voz).
 
“Ora, a fé é o firme fundamento das

coisas que se esperam e a prova das coisas
 
que se não vêem.” (Hb 11:1.)



Fé significa termos confiança ou certeza

numa outra pessoa ou nas palavras desta

pessoa. Ter fé em Deus envolve uma troca

da auto-confiança pela confiança em Deus.

Paramos de confiar em nós mesmos e confiamos

n’Ele. Abandonamos a dependência

de nossas fontes limitadas de conhecimento

e começamos a receber de Suas fontes

ilimitadas.
 
B. DOIS TIPOS DE

CONHECIMENTO
 
“A minha palavra e a minha pregação

não consistiram em palavras persuasivas

de sabedoria humana, mas em demonstração

do Espírito e de poder, para
 
que a vossa fé não se apoiasse em sabedoria

dos homens, mas no poder de Deus.



Todavia, falamos sabedoria entre os perfeitos;

não, porém, a sabedoria deste

mundo, nem dos príncipes deste mundo,
 
que se aniquilam; mas falamos a sabedoria

de Deus, oculta em mistério, a qual



Deus ordenou antes dos séculos para
 
nossa glória.” (1 Co 2:4-7 – veja também



os versículos 8-16.)
 
1. Conhecimento através dos

sentidos
 
Todo conhecimento que vem ao homem

natural vem a ele através dos cinco sentidos

– visão, audição, paladar, olfato e tato. Esse

é um conhecimento limitado e é descrito

como “sabedoria humana”.
 
2. Conhecimento através de

revelações
 
Esse conhecimento não se baseia nos cinco

sentidos nem no raciocínio natural, e sim
 
numa fonte alternativa – a verdade da Palavra



de Deus. É recebido através do espírito

do homem e é descrito como a “sabedoria
 
de Deus” – “...andamos por fé e não por

vista” (2 Co 5:7).



C. A BASE DA FÉ
 
A base para termos fé em Deus encontra-

se em três importantes realidades:
 
1. A natureza de Deus
 
“Porque, quando Deus fez a promessa

a Abraão, como não tinha outro maior

por quem jurar, jurou por si mesmo.”
 
(Hb 6:13.)
 
a. Ele não pode mudar. “Eu, o SENHOR,

não mudo...” (Ml 3:6 – veja também



Tiago 1:17.)
 
b. Ele não pode falhar. “Bem sei eu



que tudo podes, e nenhum dos teus pensamentos
 
pode ser impedido.” (Jó 42:2 – veja

também l Crônicas 28:20.)

c. Ele não pode mentir. “Deus não é



homem, para que minta; nem filho de homem,

para que se arrependa; porventura,

diria ele e não o faria? Ou falaria e não o
 
confirmaria?” (Nm 23:19 – veja também



Tito l :2.)
 
2. A obra redentora do Filho de Deus
 
“Olhando para Jesus, autor e consumador

da fé, o qual, pelo gozo que lhe estava

proposto, suportou a cruz, desprezando

a afronta, e assentou-se à destra do trono
 
de Deus.” (Hb 12:2.)



Cristo tornou-Se a fonte da nossa fé em

Deus. O fato da Sua morte e ressurreição

fornece as bases para a nossa crença.
 
“... Jesus Cristo, o qual para nós foi

feito por Deus sabedoria, e justiça, e santificação,
 
e redenção” (l Co 1:30 – veja também



Romanos 5: l ,2.)
 
3. A Palavra de Deus
 
“Passará o céu e a terra, porém as minhas
 
palavras não passarão” (Mt 24:35 –



veja também Isaías 40:8.)
 
“Disse-me o SENHOR: ...velo sobre a

minha palavra para a cumprir.” (Jr 1:12.)

MANUAL PARA NOVOS CONVERTIDOS 31



A Sua Palavra permanece fiel para sempre.

A fé vem quando Deus traz uma palavra

específica – de tudo o que Ele já disse – diretamente

a nós, em nossas circunstâncias.

Verbalizada desta maneira, a Palavra de Deus

torna-se viva para nós, liberando a nossa fé.
 
D. COMO A FÉ FUNCIONA
 
O princípio da fé (Rm 3:27) é o de operar

em nossa vida continuamente, não importando

quais sejam as circunstâncias (veja

2 Coríntios 5:7 e Tiago 1:5,6). Ela funciona

da seguinte maneira:
 
1. Deus nos dá a fé
 
No Evangelho uma retidão de Deus é revelada,

uma retidão que é pela fé, da primeira

à última, exatamente como está escrito:
 
“O justo viverá da fé [de Deus]” (compare



Romanos 1:17 com Habacuque 2:4).
 
Os justos vivem pela fé de Deus, ou



seja, a fé que Ele nos dá como um dom.
 
“Porque pela graça sois salvos, por

meio da fé; e isso... é dom de Deus. Não

vem das obras, para que ninguém se glorie.”
 
(Ef 2:8,9.) “... conforme a medida da

fé que Deus repartiu a cada um.” (Rm 12:3.)



2. A fé vem através de uma palavra

de Deus
 
Primeiramente Deus nos encoraja falando

uma “palavra” relevante às nossas circunstâncias.

Isso poderá acontecer à medida que você

ler a Bíblia, ou ao ouvir a voz do Espírito

Santo em seu espírito.
 
“... a fé é pelo ouvir, e o ouvir pela palavra
 
de Deus.” (Rm 10:17 – veja também



Gênesis 15:3-5; 17:15-21; Js 1:8.)
 
3. Obediência à Palavra
 
Para que a fé possa operar em nossa situação,

precisamos obedecer esta palavra.
 
A fé é algo ativo, e não passivo. A maioria



das promessas de Deus são condicionais –

Ele faz a Sua parte, se fizermos a nossa

parte.
 
“... a fé, se não tiver as obras, é morta
 
em si mesma.” (Tg 2:17 – veja também Tiago



1:22-25; Gênesis 15:6; Mateus 7:24-

27.)
 
4. A crise, ou “prova da nossa fé”
 
Este é um período de provas e testes.

Tudo o que acontece ao nosso redor parece

ser contrário ao que Deus disse e aparentemente

não há nenhuma evidência para a

nossa crença. Neste ponto, a nossa fé baseia-

se completamente na Palavra de Deus

(o que Ele nos falou).
 
“Em que vós grandemente vos alegrais,

ainda que agora importa, sendo necessário,

que estejais por um pouco contristados

com várias tentações, para que a prova da

vossa fé, muito mais preciosa do que o ouro

que perece e é provado pelo fogo, se ache

em louvor, e honra, e glória na revelação
 
de Jesus Cristo.” (1 Pe 1:6,7 – veja também



Romanos 4:16-21; Salmos 105: 17-19.)
 
Com fé lançamo-nos sobre a Sua fidelidade.



Em nossas ocasiões de dúvidas e

lutas, Deus é fiel e não nos abandona.
 
“Se formos infiéis, ele permanece fiel;
 
não pode negar-se a si mesmo.” (2 Tm



2:13.)

Ele foi fiel a Tomé e a Pedro quando a fé

deles foi provada. Jesus não os abandonou.
 
“... Não te deixarei, nem te desampararei.



(Hb 13:5.)
 
5. O resultado
 
O resultado final é sempre a vitória por

parte do crente, trazendo glória a Deus.
 
“Porque todo o que é nascido de Deus

vence o mundo; e esta é a vitória que vence
 
o mundo: a nossa fé.” (1 Jo 5:4 – veja também



Tiago 1:2-4,12; Gênesis 21:1-3; Salmos

105:19-22; Atos 3:16; Hebreus 6:13-15.)
 
MEU COMPROMISSO

Decido-me hoje a viver pela fé e a

confiar em Deus em todas as áreas da

minha vida. Reconheço a minha necessidade

de ser totalmente dependente de
 
32 Capítulo 10 – Graça



Deus – o que significa a fé em ação.

Nos problemas, desafios, e dificuldades,

contarei com a Sua fidelidade. A resposta

de Deus será a Sua graça – o Seu

poder de capacitação. Ensinarei aos

outros também a depender da fidelidade

de Deus e a caminhar com fé em

Deus.
 
Capítulo 10
 
Graça
“E os apóstolos davam, com grande

poder, testemunho da ressurreição do Senhor
 
Jesus, e em todos eles havia abundante

graça.” (At 4:33.)



“E dali navegaram para Antioquia, onde
 
tinham sido recomendados à graça de Deus

para a obra que já haviam cumprido.” (At



14:26.)

Por que a graça de Deus foi tão importante

na experiência dos primeiros cristãos? Por que
 
a Igreja de Antioquia orou para que a graça de



Deus estivesse sobre Paulo e Barnabé, e mais

tarde sobre Paulo e Silas, quando partiram em

suas viagens missionárias?
 
A. O SIGNIFICADO DA GRAÇA
 
O conceito mais comum da palavra “graça”
 
é “o favor imerecido de Deus” – em



outras palavras, muito embora fôssemos

pecadores, merecedores do julgamento, Deus

olhou para nós com amor e nos perdoou.

Isso, no entanto, é somente a metade do
 
seu significado. Ela também significa “o

poder de capacitação de Deus”.



“E o próprio nosso Senhor Jesus Cristo,

e nosso Deus e Pai, que nos amou e em

graça nos deu uma eterna consolação e boa

esperança, console o vosso coração e vos
 
conforte em toda boa palavra e obra.” (2



Ts 2:16,17.)

A Sua graça não somente nos torna aceitos

na família de Deus, mas também supre,

o poder que necessitamos para vivermos a

vida cristã. Duas passagens bíblicas indicam

os dois aspectos da graça de Deus em

todos os crentes:
 
1. O favor imerecido de Deus
 
“Porque pela graça [o favor imerecido

de Deus] sois salvos, por meio da fé; e isso



não vem de vós; é dom de Deus. Não vem

das obras, para que ninguém se glorie.”
 
(Ef 2:8,9.)
 
2. O poder de capacitação de Deus
 
“Como também... nos predestinou para

filhos de adoção por Jesus Cristo, para si

mesmo, segundo o beneplácito de sua vontade,

para louvor e glória da sua graça
 
[poder e capacitação], pela qual nos fez

agradáveis a si no Amado.” (Ef 14-6.) Leia



também o capítulo inteiro, o qual descreve

tudo o que recebemos pela graça (pelo Seu

poder de capacitação).

Na salvação, não somente é expresso o

favor imerecido de Deus (no fato de que

recebemos o perdão e um relacionamento

restaurado com Ele, muito embora não o

mereçamos), mas também é expresso o poder

de capacitação de Deus – pois é somente
 
pelo Seu poder que podemos ser transformados.



“Assim que, se alguém está em Cristo,

nova criatura é: as coisas velhas já passaram;
 
eis que tudo se fez novo.” (2 Co 5:17.)



Este princípio da graça continua durante

todo o nosso caminhar com Deus. Em todas

as áreas de nossa vida cristã, é a graça de

Deus que faz com que cresçamos e sejamos

fortes – o poder de capacitação de Deus

que nos é dado sem nenhum mérito de nossa

parte.
 
“... crescei na graça e conhecimento de

nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo...”
 
(2 Pe 3:18.)
 
B. A GRAÇA DADA AOS

HERÓIS DA FÉ
 
A força operacional da graça é revelada

na vida de homens e mulheres em toda a

Bíblia. Todos os heróis da fé começaram o
 
MANUAL PARA NOVOS CONVERTIDOS 33



seu caminhar com Deus cientes das suas

próprias fraquezas e incapacidades.

Era somente quando permitiam que a

graça de Deus – o Seu poder de capacitação

– operasse em sua vida que eles conseguiam

tornar-se o tipo de pessoas que Deus queria

que fossem e a cumprir o plano e o propósito

que Deus tinha a vida deles.
 
C. A GRAÇA NA VIDA DE MOISÉS
 
Leia Êxodo 3:11-13; 4:1-13. A ordem que

o Senhor deu a Moisés não foi nenhuma

tarefa medíocre. O Egito era o império dominante

da época. Era uma nação maligna, e

Faraó, o seu líder satânico, possuía uma

autoridade que era divina segundo o que alguns

afirmavam. Todas as nações do mundo

conhecido viviam com temor de Faraó.

Quando Deus disse a Moisés para descer

ao Egito e dizer a Faraó para libertar da

escravidão os Seus três milhões de pessoas,

a resposta imediata de Moisés – proveniente

das suas próprias fraquezas e incapacidades

– foi a seguinte:

V. 3:11: “Quem sou eu?”

V. 3:13: “Quem és Tu?”

V. 4:1: “Eles não crerão em mim!”

V. 4:10: “Eu não sou eloqüente!”

V. 4:13: “Senhor, envia uma outra

pessoa!”

Mas com a graça de Deus, Moisés desceu

de fato ao Egito, e com sinais e maravilhas

tirou o povo de Israel, assim como Deus

lhe havia dito para fazer.
 
D. A GRAÇA NA VIDA DE GIDEÃO
 
Leia Juízes 6:1-24. O chamado de Deus

veio a Gideão para libertar o Seu povo dos

exércitos conquistadores dos midianitas.

Israel havia conhecido somente derrotas

durante muitos anos. A resposta de Gideão

à palavra de Deus no versículo 13 revela a

sua incredulidade inicial:
 
“Mas Gideão lhe respondeu: Ai, senhor
 
meu, se o SENHOR é conosco, por que tudo



isto nos sobreveio? E que é feito de todas as

suas maravilhas que nossos pais nos contaram,
 
dizendo: Não nos fez o SENHOR subir

do Egito? Porém, agora, o SENHOR nos desamparou



e nos deu na mão dos midianitas.”
 
Até mesmo quando o Senhor o encorajou

e prometeu estar com ele, Gideão respondeu:
 
“E ele lhe disse: Ai, Senhor meu, com que

livrarei a Israel? Eis que a minha família é a

mais pobre em Manassés, e eu, o menor na
 
casa de meu pai.” (Veja o versículo 15.)



Mas, a despeito dos seus temores e incapacidades

e com a graça de Deus (poder

de capacitação), Gideão salvou a Israel. E

ele o fez com somente um pequeno grupo

de homens.
 
Foi a graça que fez a diferença!



E. A GRAÇA NA VIDA DO

APÓSTOLO PAULO
 
Leia Atos 15:40. Antes que Paulo e Silas

partissem juntos em sua viagem missionária,

a Igreja de Antioquia orou por eles e os
 
encomendou “à graça do Senhor”, para a



obra que estava diante deles.

Leia a descrição de Paulo da sua experiência

em 2 Coríntios 11:22-33. É compreensível

que ele tenha sido encomendado

primeiramente à graça de Deus! Ele necessitava

dela para sobreviver! A resposta do

Senhor à confissão de fraqueza de Paulo é a

Sua promessa para nós também:
 
“... A minha graça te basta, porque o
 
meu poder se aperfeiçoa na fraqueza...” (2



Co 12:9.)
 
F. A GRAÇA LIBERADA EM

NOSSA VIDA
 
Em nosso relacionamento com Deus – à

medida que caminhamos com Ele a cada dia

– constantemente nos deparamos com situações

que tentam nos soterrar. A nossa resposta

a Deus é a de confiarmos na Sua Palavra.

Expressamos a nossa confiança através

da obediência.

Isso prova que cremos no que a Palavra

de Deus diz apesar do que as circunstâncias

possam indicar. A resposta de Deus à nossa
 
34 Capítulo 11 – Batismo na Água



fé é a Sua graça – o Seu poder de capacitação,

o qual faz com que triunfemos em todas

as situações.
 
G. DUAS PROMESSAS MUITO

IMPORTANTES
 
1. Temos um acesso intrépido

ao trono da graça
 
“Cheguemos, pois, com confiança ao
 
trono da graça [capacitação divina], para



que possamos alcançar misericórdia e

achar graça, a fim de sermos ajudados em
 
tempo oportuno.” (Hb 4:16.)



2. Deus é poderoso
 
“E Deus é poderoso para tornar abundante

em vós toda graça, a fim de que, tendo

sempre, em tudo, toda suficiência,

superabundeis em toda boa obra.” (2 Co



9:8.)
 
MEU COMPROMISSO

Decido-me hoje a receber a graça de

Deus – o Seu poder de capacitação – em

todas as áreas e problemas que surgirem

em minha vida e a ensinar aos outros

a fazer a mesma coisa também.
 
Capítulo 11
 
Batismo na Água
Jesus ordenou que todos os que cressem

n’Ele fossem batizados na água.
 
“E, chegando-se Jesus, falou-lhes, dizendo:

É-me dado todo o poder no céu e na

terra. Portanto, ide, ensinai todas as nações,

batizando-as em nome do Pai, e do
 
Filho, e do Espírito Santo.” (Mt 28:18,19 –



veja também Atos 2:38-41.)
 
Ser “batizado” significa ser “totalmente



imerso”. Quando uma pessoa se arrepende

do seu pecado e crê que Jesus morreu

por ela, diante de muitas testemunhas, esta

pessoa deve ser levada à água, ser submersa,

e ser retirada da água. Por que Jesus ordenaria

que os Seus crentes fizessem uma coisa

tão estranha assim?
 
A. COMPREENDENDO O

BATISMO NA ÁGUA
 
A compreensão do que é de fato o batismo

na água é a chave para uma vida cristã

vitoriosa e livre.

O ato de sermos submersos e sermos

levantados da água é um quadro que demonstra

o que aconteceu ao crente cristão.
 
B. QUATRO ESTÁGIOS DA OBRA

DE CRISTO ILUSTRADOS
 
1. Ele morreu... eu morri com Ele
 
“Sabendo isto: que o nosso velho homem

foi com ele crucificado, para que o

corpo do pecado seja desfeito, a fim de que

não sirvamos mais ao pecado. Porque aquele

que está morto está justificado do pecado.”
 
(Rm 6:6,7.)
 
2. Ele foi sepultado... eu fui

sepultado com Ele
 
“Ou não sabeis que todos quantos fomos

batizados em Jesus Cristo fomos batizados

na sua morte? De sorte que fomos

sepultados com ele pelo batismo na morte;

para que, como Cristo ressuscitou dos mortos

pela glória do Pai, assim andemos nós
 
também em novidade de vida.” (Rm 6:3,4.)



3. Ele ressuscitou... tenho uma

nova vida n’Ele
 
“... para que, como Cristo ressuscitou

dos mortos pela glória do Pai, assim andemos

nós também em novidade de vida. Porque,

se fomos plantados juntamente com

ele na semelhança da sua morte, também o
 
seremos na da sua ressurreição.” (Rm



6:4,5.)
 
4. Ele subiu ao céu... também subi

ao céu n’Ele
 
“...e nos ressuscitou juntamente com ele,

e nos fez assentar nos lugares celestiais,
 
MANUAL PARA NOVOS CONVERTIDOS 35

em Cristo Jesus.” (Ef 2:6 – veja também



Colossenses 3:1.)
 
C. O BATISMO NA ÁGUA É...
 
1. O seu culto fúnebre
 
Um culto de sepultamento não é para matar

alguém. Ele é somente realizado quando a

pessoa já está morta. E assim, pelo fato de

você já ter “morrido” em Cristo, você enterra

a sua antiga vida no batismo na água.
 
2. A sua ressurreição para uma

nova vida
 
Você se levanta da água demonstrando e

declarando que é uma nova criação em Cristo!
 
“Ora, se já morremos com Cristo, cremos

que também com ele viveremos; sabendo

que, havendo Cristo ressuscitado dos

mortos, já não morre; a morte não mais terá

domínio sobre ele. Pois, quanto a ter morrido,

de uma vez morreu para o pecado; mas,

quanto a viver, vive para Deus. Assim também

vós considerai-vos como mortos para o

pecado, mas vivos para Deus, em Cristo Jesus,
 
nosso Senhor.” (Rm 6:8-11.)



D. OS DOIS REINOS
 
“Ele nos tirou da potestade das trevas e

nos transportou para o Reino do Filho do
 
seu amor.” (Cl 1:13.)



Todos os homens e mulheres nascidos

no mundo são nascidos no Reino das Trevas

– são nascidos escravos do ditador Satanás.

Não há nenhum caminho de saída
 
deste reino, exceto pela morte, e não há



nenhum caminho de entrada no Reino de
 
Deus, exceto pelo nascimento. Assim sendo,



Jesus tornou-Se a nossa morte, como

também o nosso novo nascimento – e isto

declaramos no batismo na água!
 
E. AS DUAS RAÇAS
 
Assim como há dois reinos, assim também,

dentro de cada reino, existe uma raça

diferente de pessoas. A Raça Adâmica povoa

o Reino das Trevas, e a Nova Criação

povoa o Reino de Deus.
 
1. O primeiro Adão
 
“Porque... todos morrem em Adão...”
 
(l Co 15:22 – veja também Romanos 5:12.)

Adão foi o pai de todos nós, de toda a

raça humana. O pecado de Adão nos separou

de Deus. Devido ao pecado dele, todos

nós herdamos a sua natureza rebelde e enferma,

e tornamo-nos sujeitos à morte. Os

descendentes de Adão são chamados de

“Raça Adâmica”.
 
2. O último Adão
 
“Porque Cristo, estando nós ainda fracos,

morreu a seu tempo pelos ímpios.”
 
(Rm 5:6.)

Não havia nenhuma maneira pela qual

Deus pudesse transformar a Raça Adâmica

caída. Ele tinha que dar um fim a esta raça e

começar uma raça humana totalmente nova.

Jesus foi o Último Adão. Ele veio como o

último nascido da Raça Adâmica e como

Primogênito de uma nova raça.

Enquanto estava pendurado na Cruz, Ele

ficou pendurado lá na qualidade de último

Adão – o último nascido da Raça Adâmica.

Quando Ele morreu na Cruz, morreram também

a Raça Adâmica e a natureza adâmica

pecaminosa.

N’Ele, Deus aniquilou a criação caída. A

Raça Adâmica morreu em Cristo.
 
3. O segundo homem
 
“... assim também todos serão vivificados
 
em Cristo” (1 Co 15:22). Jesus veio na qualidade



de Novo Homem de Deus, através do

Qual uma nova raça seria criada. Jesus ressuscitou

dentre os mortos – não na qualidade de

último Adão, mas na qualidade de Segundo

Homem, a Cabeça da Nova Criação.
 
“Assim está também escrito: O primeiro

homem, Adão, foi feito em alma vivente;

o último Adão, em espírito vivificante... O

primeiro homem, da terra, é terreno; o segundo

homem, o Senhor, é do céu. Qual o
 
36 Capítulo 12 – O Espírito Santo



terreno, tais são também os terrenos; e,

qual o celestial, tais também os celestiais.

E, assim como trouxemos a imagem do terreno,

assim traremos também a imagem
 
do celestial.” (1 Co 15:45-49.)



4. A nova criação
 
“Assim que, se alguém está em Cristo,

nova criatura é: as coisas velhas já passaram;
 
eis que tudo se fez novo.” (2 Co 5:17



– veja também Efésios 2:10.)

No batismo da água declaramos a todos

os nossos amigos e conhecidos que não mais

fazemos parte da raça adâmica e do Reino

das Trevas. Somos uma Nova Criação em

Cristo e pertencemos ao Reino de Deus!
 
MEU COMPROMISSO

Através deste estudo percebo agora

que a minha antiga vida, com o seu pecado

e julgamento, foi aniquilada na

morte de Jesus, e agora, devido à Sua

ressurreição tenho uma vida totalmente

nova. Pelo fato de que é isso que o

batismo na água representa, assumo o

compromisso de ser batizado na água e

de compartilhar essa verdade com outras

pessoas.
 
Capítulo 12
 
O Espírito Santo
Depois que Jesus ressuscitou dentre os

mortos, Ele apareceu aos Seus discípulos

durante 40 dias. Em seguida, quando todos

estavam reunidos com Ele no cume de

um alto monte, Ele foi arrebatado ao Céu

diante dos olhos deles (Leia Atos 1:1-11).

No entanto, antes de partir, Jesus deu aos

Seus discípulos uma promessa muito especial
 
e maravilhosa: “E eu rogarei ao Pai,



e ele vos dará outro Consolador, para que

fique convosco para sempre, o Espírito da

verdade... Todavia, digo-vos a verdade:

que vos convém que eu vá, porque, se eu

não for, o Consolador não virá a vós; mas,
 
se eu for, enviar-vo-lo-ei” (Jo 14:16-18;



16:5-7).

Jesus não nos deixou sozinhos no mundo.

Ele nos enviou o Espírito Santo.
 
A. O ESPÍRITO SANTO E DEUS
 
A primeira coisa que precisamos compreender

sobre o Espírito Santo é que Ele é

Deus de fato.
 
“Disse, então, Pedro: Ananias, por que

encheu Satanás o teu coração, para que
 
mentisses ao Espírito Santo... Não mentiste

aos homens, mas a Deus.” (At 5:3,4 –



veja também 2 Coríntios 3:17.)

Deus escolheu expressar-Se à humanidade

como Pai, como Filho, e como Espírito

Santo, que são a expressão de três Pessoas

(Personalidades) distintas, e, contudo,

estas três Pessoas são uma só.
 
B. O DOM DO ESPÍRITO SANTO
 
O Espírito Santo é o dom de Deus a

todos os crentes. Quando alguém crê em

Jesus e recebe a salvação que Ele oferece, o

Espírito Santo passa a viver no crente, transmitindo-

lhe vida espiritual.
 
“E disse-lhes Pedro: Arrependei-vos, e

cada um de vós seja batizado em nome de

Jesus Cristo para perdão dos pecados, e

recebereis o dom do Espírito Santo. Porque

a promessa vos diz respeito a vós, a vossos

filhos e a todos os que estão longe: a tantos
 
quantos Deus, nosso Senhor, chamar.” (At



2:38,39 – veja também João 7:37-39.)
 
C. A OBRA DO ESPÍRITO SANTO
 
1. Na vida pessoal do crente
 
O Espírito Santo vem habitar dentro do

crente para ministrar-lhe pessoalmente:
 
a. Ele testifica sobre o nosso relacionamento
 
com Deus. “O mesmo Espírito



testifica com o nosso espírito que somos filhos
 
de Deus.” (Rm 8:16 – veja também 1



João 3:24.)
 
b. Ele ensina. “Mas aquele Consolador,



o Espírito Santo, que o Pai enviará em
 
MANUAL PARA NOVOS CONVERTIDOS 37



meu nome, vos ensinará todas as coisas e

vos fará lembrar de tudo quanto vos tenho
 
dito.” (Jo 14:26.)

c. Ele guia. “Porque todos os que são



guiados pelo Espírito de Deus, esses são
 
filhos de Deus.” (Rm 8:14.)



d. Ele nos ajuda a vivermos uma vida
 
agradável a Deus. “Digo, porém: Andai



em Espírito e não cumprireis a concupiscência
 
da carne.” (Gl 5:16 – veja também



os versículos 17-25.)
 
e. Ele nos ajuda na oração. “E da



mesma maneira também o Espírito ajuda

as nossas fraquezas; porque não sabemos

o que havemos de pedir como convém, mas

o mesmo Espírito intercede por nós com
 
gemidos inexprimíveis.” (Rm 8:26.)

f. Ele vivifica os nossos corpos. E,



se o Espírito daquele que dos mortos ressuscitou

a Jesus habita em vós, aquele que

dos mortos ressuscitou a Cristo também

vivificará o vosso corpo mortal, pelo seu
 
Espírito que em vós habita.” (Rm 8:11.)



2. No crente com vistas ao serviço
 
Além de dar o Espírito Santo para habitar

no crente, Deus também quer encher e

batizar o crente com o Espírito Santo para

capacitá-lo a servir e a glorificar a Deus no

mundo.
 
a. O Espírito Santo dá poder e intrepidez

para testemunharmos sobre Cristo.
 
“Mas recebereis a virtude do Espírito

Santo, que há de vir sobre vós; e ser-me-eis

testemunhas tanto em Jerusalém como em

toda a Judéia e Samaria e até aos confins da
 
terra.” (At 1:8 – veja também Atos 2:14-



40.)
 
b. Ele introduz o mundo do sobrenatural.
 
“Ora, há diversidade de dons, mas

o Espírito é o mesmo... Porque a um, pelo

Espírito, é dada a palavra da sabedoria; e

a outro, pelo mesmo Espírito, a palavra da

ciência; e a outro, pelo mesmo Espírito, a

fé; e a outro, pelo mesmo Espírito, os dons

de curar; e a outro, a operação de maravilhas;

e a outro, a profecia; e a outro, o dom

de discernir os espíritos; e a outro, a variedade

de línguas; e a outro, a interpretação
 
das línguas.” (1 Co 12:4,8-10 – veja também



Atos 2:4; 10:46; 19:6.)
 
c. Ele testifica que Jesus está vivo.
 
“O Deus de nossos pais ressuscitou a Jesus...

somos testemunhas acerca destas palavras,

nós e também o Espírito Santo, que
 
Deus deu àqueles que lhe obedecem.” (At



5:30-32 – veja também Atos 4:31-33.)
 
d. Ele traz uma nova compreensão
 
da Palavra de Deus. “Mas, como está escrito:



As coisas que o olho não viu, e o

ouvido não ouviu, e não subiram ao coração

do homem são as que Deus preparou

para os que o amam. Mas Deus no-las revelou

pelo seu Espírito; porque o Espírito

penetra todas as coisas, ainda as profundezas
 
de Deus.” (1 Co 2:9,10 – veja também



João 16:13.)
 
e. Ele enche o nosso espírito com uma
 
verdadeira adoração a Deus. “... encheivos



do Espírito, falando entre vós com salmos,

e hinos, e cânticos espirituais, cantando

e salmodiando ao Senhor no vosso coração.”
 
(Ef 5:18,19 – veja também João 4:24.)
 
f. Ele glorifica a Jesus. “Mas, quando



vier aquele Espírito da verdade, ele vos

guiará em toda a verdade, porque não falará

de si mesmo, mas dirá tudo o que tiver

ouvido e vos anunciará o que há de vir. Ele

me glorificará, porque há de receber do que

é meu e vo-lo há de anunciar. Tudo quanto o

Pai tem é meu; por isso, vos disse que há de

receber do que é meu e vo-lo há de anunciar.”
 
(Jo 16:13-15 – veja também João 15:26.)
 
D. COMO SER BATIZADO NO

ESPÍRITO SANTO
 
Deus quer que o Seu Espírito Santo, o Qual

habita em você, porque você é um crente em

Jesus, o encha com poder até que você transborde

para poder servi-Lo (Ef 5:18).
 
1. É um dom prometido por

Deus, portanto, peça-o
 
“... quanto mais dará o Pai celestial o
 
38 Capítulo 13 – Tentação

Espírito Santo àqueles que lho pedirem.” (Lc



11:13 – veja também os versículos 9-12.)
 
2. Comece a louvar a Deus

enquanto você o recebe com fé
 
“E, adorando-o eles, tornaram com

grande júbilo para Jerusalém. E estavam

sempre no templo, louvando e bendizendo
 
a Deus. Amém!” (Lc 24:52,53.)



3. Você pode falar com uma

língua sobrenatural
 
“... veio sobre eles o Espírito Santo; e
 
falavam línguas...” (At 19:6 – veja também



Marcos 16:17; Atos 2:4; 10: 45,46; l

Coríntios 14:5,18.)
 
MEU COMPROMISSO

Agradeço a Deus pelo Dom do Espírito

Santo em minha vida. Decido hoje

responder aos estímulos e orientações

do Espírito Santo. Determino-me a

aprender a ouvir a voz do Espírito Santo

em meu coração. Escolho estar cheio do

Espírito. Abro agora o meu espírito para

ser cheio do Espírito Santo.
 
Capítulo 13
 
Tentação
A. SATANÁS ATACA
 
Satanás ataca o indivíduo cristão principalmente

através da tentação. E ele enfoca

as agressões em duas áreas:
 
1. Os desejos do mundo
 
Ele procura tentar o crente a tornar-se

absorto no sistema do mundo:
 
fazer das bênçãos materiais que o



mundo oferece, um desejo central;
 
fazer da honra e reconhecimento



deste mundo um objetivo importante,
 
e
 
fazer do conforto da nossa unidade



com as pessoas deste mundo a

base para a nossa segurança.
 
“Não ameis o mundo, nem o que no

mundo há. Se alguém ama o mundo, o amor
 
do Pai não está nele.” (1 Jo 2:15 – veja



também Tiago 4:4,1; 1 Timóteo 6:6-11.)
 
2. Os desejos da carne
 
Através da obra de Cristo na Cruz, o

verdadeiro cristão é liberto dos resultados

do pecado e do poder do pecado (Rm 6:6-

14). No entanto, ele ainda vive num corpo

físico que é sujeito a apetites e desejos naturais.

Satanás usa estas coisas para tentar fazer

com que o cristão dê maior importância

a elas do que aos estímulos e orientações do

Espírito Santo dentro dele (Rm 8:5-9 – veja

também Tiago 1:14; Efésios2:3).
 
B. A VITÓRIA ORIGINAL DE

SATANÁS
 
Foi nas áreas do mundo e da carne que

Satanás obteve a sua vitória original na

tentação do primeiro homem e da primeira

mulher, e estas ainda são as suas táticas
 
hoje em dia. “Porque tudo o que há no

mundo, a concupiscência da carne, [desejo

de satisfação sensual] a concupiscência

dos olhos [desejos cobiçosos da

mente] e a soberba da vida [confiança em



nossos próprios recursos e na estabilidade

das coisas terrenas], não é do Pai, mas
 
do mundo.” (1 Jo 2:16 – Versão Amplificada.)



Compare a tentação de Eva com o

versículo acima:
 
Gênesis 3:6 1 João 2:16
 
Bom para se comer “Concupiscência



da carne”
 
Agradável aos olhos “Concupiscência



dos olhos”
 
Desejável para se

ganhar sabedoria “Soberba da vida”



Desde a queda de Adão e Eva, toda a

humanidade tem sido governada por sua carne

(os três itens esboçados acima).
 
MANUAL PARA NOVOS CONVERTIDOS 39



A carne também foi corrompida por uma

natureza pecaminosa (Gl 5:19-21).
 
C. A VITÓRIA GANHA POR CRISTO
 
1. Através da Sua vida
 
Jesus foi tentado em tudo, exatamente
 
como nós somos tentados, “mas sem pecado”



(Hb 4:15).
 
Compare a tentação de Jesus com

este versículo:
 
Lucas 4:1-13 1 João 2:16
 
Pedras em pão “Concupiscência



da carne”
 
Reinos da terra “Concupiscência



dos olhos”
 
Pináculo do templo “Soberba da vida”



2. Através da Sua morte e

ressurreição
 
A fé que se apropria (reivindica e recebe)

da obra de Cristo liberta o cristão do

poder e do domínio que o pecado tinha sobre

ele (Rm 8:9). Ele agora está livre para

escolher andar em obediência a Deus (Rm

6:8-14).
 
“Porquanto, o que era impossível à lei,

visto como estava enferma pela carne, Deus,

enviando o seu Filho em semelhança da

carne do pecado... para que a justiça da lei

se cumprisse em nós, que não andamos segundo

a carne, mas segundo o Espírito.”
 
(Rm 8:3,4.)
 
D. A VITÓRIA CONTÍNUA DO

CRISTÃO
 
Com base na grande vitória obtida para

nós por Cristo, podemos agora derrotar

qualquer ataque do inimigo. Eis aqui sete

chaves para uma vitória contínua:
 
1. Saiba que a vitória já foi ganha
 
Devido à sua derrota na Cruz, a única

força do diabo encontra-se na ignorância do

cristão (Os 4:6). Mas quando o cristão conhece

a obra completa da Cruz e da Ressurreição

em sua vida, o diabo é despojado de

qualquer arma contra ele.
 
2. Ande em cadência com o

Espírito
 
Um novo poder é introduzido no cristão

– o próprio Espírito Santo. Devemos andar

em obediência aos Seus estímulos e orientações

internas, dia após dia (Gl 5:22-25).
 
3. Reconheça a tentação pelo que

ela é de fato
 
A tentação não é pecado. Nos entregarmos



à tentação é que é pecado! (Tg 1:15

– veja Gênesis 4:6,7.)
 
4. Compreenda que foi fornecido

um caminho de escape
 
“Não veio sobre vós tentação, senão

humana; mas fiel é Deus, que vos não deixará

tentar acima do que podeis; antes, com

a tentação dará também o escape, para que
 
a possais suportar” (1 Co 10:13).



Tiago 4:7 dá em detalhes o caminho de
 
escape: “Sujeitai-vos, portanto, a Deus;



mas resisti ao diabo, e ele fugirá de vós”.
 
5. Mantenha o enfoque de vida

correto
 
“Portanto, se já ressuscitastes com Cristo,

buscai as coisas que são de cima, onde

Cristo está assentado à destra de Deus. Pensai

nas coisas que são de cima e não nas que são
 
da terra.” (C1 3: 1,2 – veja também Filipenses



4:8; 1 Timóteo 6:11,12; 2 Pedro 3:11-13.)
 
6. Mantenha-se afastado de áreas

óbvias de tentações
 
“Não porei coisa má diante dos meus
 
olhos...” (Sl 101:3 – veja também 1 Timóteo



6:9-11.)
 
7. Esteja ciente das tramas de

Satanás
 
É importante conhecermos as táticas que

o inimigo usa contra nós, a fim de que não

sejamos sobrepujados por ele (2 Co 2:11):
 
40 Capítulo 14 – Comunhão

a. Ele é um mentiroso (Jo 8:44)



b. Ele é um caluniador e acusador
 
(Ap 12:10)
 
c. Ele é um enganador (Ap 12:9)

d. Ele é um tentador (Mt 4: 1 -11)

e. Ele é um opressor (At 10:38)

f. Ele é um obstaculizador (1 Ts 2:18)

g. Ele é um leão rugidor (1 Pe 5:8)



h. Ele pode transformar-se num anjo
 
de luz (2 Co 11:14)



Na qualidade de cristãos, somos chamados
 
para vivermos em vitória! Através de



Cristo esta vitória é nossa:
 
1. Sobre o mundo (1 Jo 5:4)

2. Sobre a carne (Gl 5:16)

3. Sobre o inimigo (Ef 6:11,13)



MEU COMPROMISSO

Agradeço a Deus pela Sua promessa

de me libertar nas ocasiões em que eu

passar por tentação. Comprometo-me a

corresponder à Sua ajuda, a qual está

sempre disponível, a fim de que eu possa

viver em vitória. Compartilharei essa

verdade com os outros também.
 
Capítulo 14
 
Comunhão
A. O PROPÓSITO DA COMUNHÃO
 
A comunhão dos cristãos é muito importante,

pois é nessa união que...
 
1. O crente é encorajado e

cresce em Cristo
 
“Porque desejo ver-vos, para vos comunicar

algum dom espiritual, a fim de que
 
sejais confortados, isto é, para que juntamente



convosco eu seja consolado pela fé
 
mútua, tanto vossa como minha.” (Rm



1:11,12.)
 
2. O mundo passa a saber que

Jesus foi enviado por Deus
 
“E eu dei-lhes a glória que a mim me

deste, para que sejam um, como nós somos

um. Eu neles, e tu em mim, para que eles

sejam perfeitos em unidade, e para que o

mundo conheça que tu me enviaste a mim e

que tens amado a eles como me tens amado
 
a mim.” (Jo 17:22,23.)



B. CONDIÇÕES DA COMUNHÃO
 
1. Um compromisso básico de uns

para com os outros
 
“Amai-vos cordialmente uns aos outros

com amor fraternal, preferindo-vos em honra
 
uns aos outros.” (Rm 12:10.)



Sem uma confiança básica não é possível

que haja comunhão alguma. O nível da

comunhão varia de acordo com o nível de

compromisso.
 
2. O nosso compromisso precisa

estar baseado no “ágape”
 
“Ágape” é um amor unidirecional, que

ama “apesar de” e não “por causa de”. Assim

sendo, um compromisso desse tipo não

é afetado pelo comportamento inconsistente

da outra pessoa.
 
“Um novo mandamento vos dou: Que

vos ameis uns aos outros; como eu vos

amei a vós, que também vós uns aos outros
 
vos ameis.” (Jo 13:34.)



3. A verdadeira comunhão é

cristocêntrica
 
A nossa comunhão de uns para com os

outros baseia-se em nosso compromisso

comum para com Cristo.
 
“... a nossa comunhão é com o Pai e
 
com seu Filho Jesus Cristo.” (1 Jo 1:3 –



veja também Filipenses 2:1,2.)
 
4. Andar na luz
 
A nossa comunhão inclui a necessidade

de sermos abertos, honestos e verdadeiros

uns para com os outros. Isto, às vezes, pode

significar:
 
a. A confissão dos nossos próprios pecados

aos outros, ou o encobrimento
 
amoroso do pecado de uma outra pesMANUAL

PARA NOVOS CONVERTIDOS 41

soa. “Se dissermos que temos comunhão



com ele e andarmos em trevas, mentimos e

não praticamos a verdade. Mas, se andarmos

na luz, como ele na luz está, temos

comunhão uns com os outros, e o sangue

de Jesus Cristo, seu Filho, nos purifica de
 
todo pecado.” (1 Jo 1:6,7 – veja também



Mateus 18:15.)
 
b. A obediência à luz – mandamentos



gerais e específicos que Deus deu.
 
c. A remoção de quaisquer máscaras
 
ou falsas coberturas. Uma grande parte

da comunhão do mundo é hipócrita – as



pessoas fazem atuações teatrais e não são

genuínas.
 
“Purificando a vossa alma na obediência

à verdade, para caridade fraternal,

não fingida, amai-vos ardentemente uns
 
aos outros, com um coração puro.” (1 Pe



1:22.)
 
5. Um interesse genuíno no

bem-estar do outro
 
Não deve haver segundas intenções de

benefício próprio. O nosso desejo deve ser

o de darmos, e não o de recebermos.
 
“Nada façais por contenda ou por vanglória,

mas por humildade; cada um considere

os outros superiores a si mesmo. Não

atente cada um para o que é propriamente

seu, mas cada qual também para o que é
 
dos outros.” (Fp 2:3,4.)



6. Uma disposição de entregarmos

a nossa vida
 
“O meu mandamento é este: Que vos

ameis uns aos outros, assim como eu vos

amei. Ninguém tem maior amor do que este:

de dar alguém a sua vida pelos seus amigos.”
 
(Jo 15:12,13.)

“Vida” envolve mais do que a vida física.

Ela inclui também nossas posses materiais,

nossos interesses e preferências pessoais,

etc. (Tg 2:15,16). Significa também

uma disposição de compartilharmos abertamente

sobre a nossa vida. Somente podemos

conhecer as pessoas até o ponto

em que estão preparadas para revelarem a

si próprias.
 
C. A COMUNHÃO NA IGREJA

SIGNIFICA...
 
1. O compartilhamento de todas as

coisas
 
Houve três estágios de desenvolvimento

na comunhão dos cristãos em Atos 4:32

– em primeiro lugar, eles tinham um só coração

(espírito), em seguida, tinham uma só

alma (mente), e aí então seguiu-se a expressão

física de terem todas as coisas em comum.
 
“Todos os que criam estavam juntos e

tinham tudo em comum. Vendiam suas propriedades

e fazendas e repartiam com todos,

segundo cada um tinha necessidade.”
 
(At 2:44,45.)
 
2. A entrega de nossa vida
 
“Saudai a Priscila e a Áqüila, meus

cooperadores em Cristo Jesus, os quais pela

minha vida expuseram a sua cabeça; o que

não só eu lhes agradeço, mas também todas
 
as igrejas dos gentios.” (Rm 16:3,4.)



3. A nossa devoção em

servirmos os irmãos
 
“Agora, vos rogo, irmãos (sabeis que a

família de Estéfanas é as primícias da Acaia

e que se tem dedicado ao ministério dos
 
santos).” (1 Co 16:15.)



4. Sermos canais de suprimentos

a outros necessitados
 
“...mas para igualdade; neste tempo presente,

a vossa abundância supra a falta dos

outros, para que também a sua abundância
 
supra a vossa falta, e haja igualdade.” (2



Co 8:13,14 – veja também l Coríntios 16:17.)
 
5. O compartilhamento nas

aflições
 
“Todavia, fizestes bem em tomar parte
 
na minha aflição.” (Fp 4:14.)

42 Capítulo 15 – Generosidade



6. Uma doação sacrificial
 
“...como, em muita prova de tribulação,

houve abundância do seu gozo, e como a

sua profunda pobreza superabundou em

riquezas da sua generosidade. Porque, segundo

o seu poder (o que eu mesmo testifico)

e ainda acima do seu poder, deram voluntariamente.”
 
(2 Co 8:2,3.)
 
7. A prática da hospitalidade
 
“Amado, procedes fielmente em tudo o

que fazes para com os irmãos e para com
 
os estranhos.” (3 Jo 5 – veja também Hebreus



13:2.)
 
8. A edificação e o encorajamento

mútuos
 
“Assim nós, sendo-vos tão afeiçoados,

de boa vontade quiséramos comunicar-vos,

não somente o evangelho de Deus, mas ainda

a nossa própria alma; porquanto nos
 
éreis muito queridos.” (1 Ts 2:8 – veja também



2 Timóteo 3:10-14.)
 
D. OS RESULTADOS DA

COMUNHÃO
 
Os resultados da comunhão na Igreja Primitiva

foram:
 
um temor a Deus (At 2:43)

alegria (At 2:46)

simpatia de todas as pessoas



(At 2:47)
 
acréscimo de novos crentes



(At 2:47)
 
todas as necessidades supridas



(Fp 4:19)
 
surgimento de líderes



(l Co 16:15,16).
 
MEU COMPROMISSO

Através deste estudo compreendo

agora a importância de termos comunhão

continuamente com outros cristãos.

Comprometo-me hoje a fazer parte

de um grupo de crentes, ao qual darei

a minha lealdade, o meu amor e o meu

serviço.
 
Capítulo 15
 
Generosidade
“Os céus declaram a glória de Deus e o

firmamento proclama a obra das suas mãos.

Dia após dia eles derramam discursos.

Noite após noite, demonstram conhecimento.”
 
(S1 19:1,2 – leia também os versículos

3,4.)

Através desse salmo, aprendemos que a

Criação de Deus (os céus e a terra):
 
declaram a glória de Deus,

proclamam a obra das Suas mãos,

derramam discursos e

demonstram conhecimento.



Podemos aprender com a Criação de

Deus se a examinarmos cuidadosamente.

Assim como há leis físicas que trazem

a ordem no caos do Universo, Deus

também colocou em movimento leis espirituais

que governam a vida. Uma delas
 
é a Lei da Generosidade. Ela nos

ensina que “... o que semeia em abundância



em abundância também ceifará.”
 
(2 Co 9:6.)
 
A. SOCIEDADE
 
Na qualidade de sócios de Deus (l Co

3:9; 2 Co 5:20; 6:10), é importante compreendermos

onde se encontram as nossas

responsabilidades:
 
1. A posse é com Deus
 
“Do SENHOR é a terra e a sua plenitude,

o mundo e aqueles que nele habitam.” (Sl



24:1 – veja também Salmos 89:11; Jó 41:11;

1 Crônicas 29:10-14.)

Não somos donos, e sim mordomos.

Toda posse é com Deus. Toda e qualquer

coisa criada, viva ou não, em última análise

pertence a Ele – inclusive qualquer coisa

material ou imaterial que possamos ter pessoalmente

nesta vida: posses, carreiras, famílias.

Ele nos deu todas essas coisas para delas

desfrutarmos (l Tm 6:17), e, quando percebemos
 
que ainda pertencem a Deus, poMANUAL

PARA NOVOS CONVERTIDOS 43



demos descansar com a certeza de que Deus

também tem a responsabilidade final sobre

elas.
 
2. A mordomia é conosco
 
Não somos donos, mas sim mordomos.

O mordomo administra e toma conta

daquilo que pertence a uma outra pessoa.

Deus possui tudo. Mas, na qualidade

de mordomos, administramos e tomamos

conta das coisas para Ele. Temos

obrigação de sermos fiéis nesta administração.

O Senhor nos responsabiliza na tarefa

especial de administrarmos e tomarmos

conta das coisas que Ele nos deu

(Leia Mateus 25:14-30). Quando compreendemos

o relacionamento patrãomordomo

que desfrutamos com as propriedades

de Deus, então torna-se mais

fácil darmos.

Diante de Deus, a nossa administração

como mordomos cobre toda e cada coisa

que nos pertence:
 
a. A nossa vida
 
(At 17:25; 1 Co 6:19; Gl 2:20; Jó

33:4)
 
b. O nosso tempo
 
(Sl 90:12; Ef 5:15,16; Cl 4:5)
 
c. Os nossos talentos e capacidades
 
(1 Pe 4:10; 1 Co 12:4-7,11)
 
d. As nossas posses
 
(Mt 6:19-21; Cl 3:1,2)
 
e. As nossas finanças
 
(1 Tm 6:6-10,17-19; Mt 6:24)
 
f. A mensagem do Evangelho
 
(1 Co 4: 1; 9:16,17; 1 Tm 6:20)

Ainda assim, muitos cristãos relutam em

dar (dízimos), não importa o quanto possam

desejar fazê-lo.

Mas a ação que libera o crente às plenas
 
bênçãos da boa mordomia cristã é a entrega



– a submissão irrestrita de toda a nossa

vida, posses e planos à vontade e propósito

de Deus.
 
É somente quando damos a nós próprios



que aprendemos o que significa dar algumas

das posses (ou dinheiro) que Deus nos

deu.
 
B. A DOAÇÃO NA IGREJA

PRIMITIVA
 
Todos os que criam estavam juntos e



tinham tudo em comum. Vendiam suas

propriedades e fazendas e repartiam com

todos, segundo cada um tinha necessidade...

“... ninguém dizia que coisa alguma do

que possuía era sua própria, mas todas as
 
coisas lhes eram comuns.” (At 2:44,45;



4:32.)

Essa atitude básica dos primeiros cristãos

colocou os fundamentos para todas as

expressões de doações que deveriam vir mais

tarde.

À medida que o número de cristãos se

multiplicava, apareceram diferentes métodos

de doação. Mas todas as suas doações

expressavam a compreensão deles sobre a
 
mordomia cristã – que tudo, em última



análise, pertence a Deus.
 
1. A Igreja sustentava os

necessitados
 
Na Igreja Primitiva, homens especiais

eram escolhidos para servirem como “diáconos”

– ajudantes na distribuição de ofertas

e presentes para as viúvas e necessitados

(veja Atos 6:1-3). Esses homens transformaram

em ministério deles a canalização

de todas as doações para onde havia necessidades

práticas.
 
2. As igrejas davam com

sacrifício umas às outras
 
Quando os cristãos judeus de Jerusalém

estavam passando por uma escassez

e fome, a pobre e sofredora igreja dos gentios
 
os ajudou. “... como, em muita prova



de tribulação, houve abundância do

seu gozo, e como a sua profunda pobreza

superabundou em riquezas da sua generosidade.

Porque, segundo o seu poder
 
44 Capítulo 15 – Generosidade



(o que eu mesmo testifico) e ainda acima

do seu poder, deram voluntariamente.”
 
(2 Co 8:2,3 – veja também os versículos

1,4.)
 
3. A Igreja sustentava os

ministérios ambulantes
 
O Apóstolo Paulo viajava de lugar em

lugar, estabelecendo novas igrejas. Em algumas

ocasiões, ele trabalhava com as mãos

para obter o próprio sustento (At 18:3; 2

Ts 3:7-9).

Em outras ocasiões, a Igreja dos Filipenses

demonstrou o verdadeiro espírito de doação

do qual Deus se agrada, sustentando

ministérios ambulantes, tais como o de Paulo.
 
“Mas bastante tenho recebido e tenho

abundância; cheio estou, depois que recebi

de Epafrodito o que da vossa parte me

foi enviado, como cheiro de suavidade e

sacrifício agradável e aprazível a Deus.”
 
(Fp 4:18 – leia também os versículos 15-

17.)
 
4. Os cristãos trabalhavam

para poder dar
 
“Aquele que furtava não furte mais; antes,

trabalhe, fazendo com as mãos o que é

bom, para que tenha o que repartir com o
 
que tiver necessidade.” (Ef 4:28.)



5. A doação era a prova do amor

deles
 
... neste tempo presente, a vossa



abundância supra a falta dos outros...

mostrai para com eles, perante a face

das igrejas, a prova da vossa caridade...”
 
(2 Co 8:14,24 – veja também os

versículos 7-15; l Coríntios 16:1,2; l João

3:17,18.)
 
C. OS PRINCÍPIOS DE DEUS

PARA AS DOAÇÕES
 
Em l Coríntios 10:11 lemos que devemos

aprender com o exemplo de Israel.

Devemos aplicar os princípios que foram

dados por Deus. Ao mesmo tempo devemos

evitar os erros que Israel (e os líderes)

cometeram no deserto. Na área da

doação, encontramos algumas excelentes

diretrizes que podem nos ajudar em nossa

doação:
 
1. Deus espera que comecemos

com uma porcentagem
 
“Trazei todos os dízimos [10% ou um

décimo] à casa do tesouro, para que haja



mantimento na minha casa, e depois fazei
 
prova de mim, diz o SENHOR dos Exércitos,



se eu não vos abrir as janelas do céu e não

derramar sobre vós uma bênção tal, que
 
dela vos advenha a maior abastança.” (Ml



3:10.)
 
2. Devemos dar sistemática e

regularmente
 
“Então, disse Ezequias que se preparassem
 
câmaras na Casa do SENHOR, e as



prepararam. Ali, meteram fielmente as ofertas,

e os dízimos, e as coisas consagradas...”
 
(2 Cr 31:11,12.)
 
3. Devemos dar o primeiro

e o melhor ao Senhor
 
“Honra ao SENHOR com a tua fazenda e



com as primícias de toda a tua renda; e se

encherão os teus celeiros abundantemente,

e transbordarão de mosto os teus lagares.”
 
(Pv 3:9,10.)
 
MEU COMPROMISSO

Percebo, através deste estudo, a importância

de termos um coração e uma

atitude generosa para com os outros.

Hoje, comprometo-me a começar uma

vida de doação, começando a pagar os

dízimos (dar um décimo da minha renda

à obra do Senhor). Também encorajarei

e ensinarei outras pessoas a fazerem

o mesmo.
 
“Mas vós sois a geração eleita...

povo adquirido, para que anuncieis as

virtudes daquele que vos chamou das
 
MANUAL PARA NOVOS CONVERTIDOS 45

trevas para a sua maravilhosa luz.” (1



Pe 2:9.)
 
Capítulo 16
 
O Estilo de Vida do Reino
A. MUDANÇA DE AUTORIDADE
 
Fomos libertos do domínio (reinado ou

chefia) de Satanás. Estamos agora sob uma

autoridade totalmente nova – a do Senhor

Jesus.

À medida que o crente começa a crescer

em sua nova vida no Senhor, ele descobre

que a única maneira pela qual usufruímos a

nossa vida no Reino de Deus é através de
 
um correto relacionamento com Jesus (Ef



1: 17; Fp 3:10). Bem no início da nossa vida

com Deus, esse relacionamento assume

duas formas distintas:
 
1. Salvador
 
Este é o primeiro relacionamento que é

possível termos com Jesus: Não podemos

conhecer a Deus na qualidade de Pai nem

Amigo até que primeiramente tenhamos

tido uma revelação de Jesus como Salvador

– Aquele que morreu por nós e nos resgatou

do reino de Satanás. Jesus nos salvou:
 
a. Do julgamento de Deus (l Ts l: 10;



5:9; Rm 5:9).
 
b. Do poder de Satanás (At 26:18; Cl



1:13; Hb 2:14; l Jo 3:8).
 
c. De nós próprios (Fp 3:19; 2 Co



5:15;Tt 3:3-6; 1 Pe 1:18).
 
“Ainda que era Filho... ele... veio a ser a

causa de eterna salvação para todos os que
 
lhe obedecem.” (Hb 5:8,9 – veja também



Hebreus 2:10; 2 Timóteo 1:10.)
 
2. Senhor
 
O nosso conhecimento de Jesus como

Salvador nos introduz no Reino de Deus,

porém não é aí que o nosso relacionamento

com Ele termina.

Uma vez que estamos dentro do Seu Reino,

nosso relacionamento com ele assume

dramáticas e novas mudanças. Agora O conhecemos,

não meramente como Salvador,
 
mas também como Senhor – O nosso Senhor!

Ele é o Rei no Seu Reino (Cl 2:6).



“Portanto, vos quero fazer compreender

que ninguém que fala pelo Espírito de

Deus diz: Jesus é anátema! E ninguém pode

dizer que Jesus é o Senhor, senão pelo Espírito
 
Santo.” (1 Co 12:3 – veja também João



13:13; Romanos 1:4; l Coríntios 8:6; 4:5.)

Quando entramos no Reino da Luz, podemos

desfrutar daquilo para o qual fomos

criados – um amoroso relacionamento com

o Senhor. Por causa disso, quando Jesus Se

torna Senhor de nossa vida, descobrimos

que esse domínio nos tira do caos do pecado

e nos coloca numa ordem e paz divinas.

Veja Colossenses 2:9,10; 1 Coríntios 8:6.
 
B. O CIDADÃO MODELO
 
“De sorte que haja em vós o mesmo

sentimento que houve também em Cristo
 
Jesus.” (Fp 2:5.)



Jesus, muito embora fosse o Rei do Reino,

tornou-Se um servo. Ele é o exemplo de

como é o verdadeiro cidadão do Seu Reino.
 
“Vós me chamais Mestre e Senhor e dizeis

bem, porque eu o sou. Ora, se eu, Senhor

e Mestre, vos lavei os pés, vós deveis

também lavar os pés uns aos outros. Porque

eu vos dei o exemplo, para que, como
 
eu vos fiz, façais vós também.” (Jo 13:13-



15 – leia também João 13:5-17; Mateus

20:26-28; Lucas 22:27.)
 
C. OS SÚDITOS DO REI
 
Na qualidade de membros do Reino de

Cristo, entramos num relacionamento Mestre-

servo com Ele (Mt 6:24).

Jesus veio para fazer a vontade do Seu

Pai (Hb 10:5-9). Em Sua vida cotidiana, Ele

demonstrou como é de fato o estilo de vida

do Reino: uma vivência para agradar a Deus

(Ef 5:8-10). Devemos ter um coração de

servo exatamente como o coração de Jesus.

Muitos cristãos não gostam do conceito
 
de sermos servos porque isso parece nos tor46

Capítulo 16 – O Estilo de Vida do Reino



nar inferiores aos outros. Na Bíblia, porém,

encontramos quatro interessantes paradoxos:
 
1. Na escravidão há liberdade
 
“Mas, agora, libertados do pecado e feitos

servos de Deus, tendes o vosso fruto

para santificação, e por fim a vida eterna.”
 
(Rm 6:22 – leia também os versículos 16-

23; 12:1; 1 Coríntios 7:22; 2 Coríntios 3:17;

Efésios 6:6,7; 1 Pedro 2:16.)
 
2. No fato de sermos servos

há uma grandeza
 
“Porém o maior dentre vós será vosso

servo. E o que a si mesmo se exaltar será

humilhado; e o que a si mesmo se humilhar
 
será exaltado.” (Mt 23:11,12 – veja também



Mateus 20:26,27; Marcos 9:35; 10:43;

João 12:26.)
 
3. Na humildade há exaltação
 
“Portanto, aquele que se tornar humilde

como esta criança, esse é o maior no
 
Reino dos céus.” (Mt 18:4 – veja também



Lucas 18:14; Provérbios 29:23; Tiago 4:10;

l Pedro 5:5,6; Mateus 19:30.)
 
4. Na submissão há autoridade
 
O centurião romano (um líder militar de

100 soldados) que veio falar com Jesus compreendia

este princípio:
 
“... nem ainda me julguei digno de ir ter

contigo; dize, porém, uma palavra, e o meu

criado sarará. Porque também eu sou homem

sujeito à autoridade, e tenho soldados

sob o meu poder, e digo a este: vai; e ele

vai; e a outro: vem; e ele vem; e ao meu
 
servo: faze isto; e ele o faz.” (Lc 7:7,8.)



Pelo fato de o centurião estar sob autoridade,

ele pôde exercer autoridade, e prontamente

se submeteu à autoridade de Jesus.

Leia também os versículos 1-10 e Tiago 4:7.

O estilo de vida do Reino de Deus é uma
 
atitude de submissão e obediência a Deus



(veja Mateus 12:50; Efésios 6:6; Hebreus

13:21; l João 2:17; 1 Tessalonicenses 4:1).
 
Submetemo-nos à vontade de Deus – não



com relutância – devido a um temor ou por

ser um dever – mas sim:
 
a. Por causa de tudo o que Deus fez
 
por nós (Rm 12:1; Ef 4:1; Tt 3:4-7).



b. Porque, fazendo isso, encontramos
 
a nossa realização (Sl 40:8).

c. Por causa do amor (Jo 14:15; 1 Jo



5:3).
 
D. OS FRUTOS DO REINO
 
“Assim como bem sabeis de que modo

vos exortávamos e consolávamos, a cada
 
um de vós, como o pai a seus filhos, para



que vos conduzísseis dignamente para com
 
Deus, que vos chama para o seu reino e

glória.” (1 Ts 2:11,12 – veja também 2 Tessalonicenses



1:5.)

Em Mateus 21:43, Jesus disse que o Reino
 
pertenceria aos que “dê os seus frutos”.



Os frutos do Reino são explicados em várias

passagens bíblicas:
 
Amor, alegria, paz (Gl 5:22,23)

Bondade, retidão, verdade (Ef 5:9; Tg



3:13-17)
 
Retidão, paz, alegria (Rm 14:17; Hb



12:11)

Já que fomos criados por Deus, também

fomos criados para o Seu Reino e para o

Seu estilo de vida.

Os frutos deste Reino são simplesmente

o resultado natural, final, e visível da operação

do milagre do novo nascimento que o

Espírito Santo executou em nós (veja Gálatas

5:22).

A nossa responsabilidade na qualidade de

cidadãos do Reino de Deus é vivermos como

as pessoas que somos agora! (1 Pe 2:11.)
 
“... não cessamos de orar por vós... para

que possais andar dignamente diante do

Senhor, agradando-lhe em tudo, frutificando

em toda boa obra e crescendo no conhecimento
 
de Deus.” (Cl 1:9,10 – veja também



Colossenses 2:6; Efésios 4:1; 6:8-10.)
 
MEU COMPROMISSO

Compreendo, após estudar o estilo de
 
vida do Reino, que devo submeter miMANUAL

PARA NOVOS CONVERTIDOS 47



nha vida a serviço dos outros exatamente

como Jesus o fez. Comprometo-me a

ser um disposto e alegre servo de Cristo

e dos outros.
 
Capítulo 17
 
Adoração
A. BENDIZENDO A DEUS
 
“Bendize, ó minha alma, ao SENHOR, e



tudo o que há em mim bendiga o seu santo
 
nome.” (Sl 103:1.)



É algo tremendo considerarmos que temos

a capacidade de bendizer o nosso Criador,

mas vez após vez nas Escrituras somos

exortados a fazermos exatamente isto.

Nós O bendizemos através do nosso louvor

e adoração. Veja Salmos 34:1-3.
 
B. LOUVOR
 
O louvor é uma expressão de admiração

e apreciação. Quando elogiamos uma

pessoa, estamos lhe dizendo que a consideramos

como uma pessoa tremendamente

maravilhosa, ou que as suas realizações

são realmente grandiosas. É a mesma

coisa com o Senhor. O louvor tem a ver

com o reconhecimento do caráter e do

poder de Deus.
 
“Porque a tua benignidade é melhor do

que a vida; os meus lábios te louvarão.

Assim, eu te bendirei enquanto viver; em
 
teu nome levantarei as minhas mãos.” (Sl



63:3,4.)
 
1. Por que louvamos a Deus?
 
a. Por causa do que Ele é. “Cantai



louvores a Deus, cantai louvores; cantai

louvores ao nosso Rei, cantai louvores. Pois

Deus é o Rei de toda a terra; cantai louvores
 
com inteligência.” (Sl 47:6,7.)

b. Por causa do que Ele faz. “Bendize,

ó minha alma, ao SENHOR, e tudo o que



há em mim bendiga o seu santo nome. Bendize,
 
ó minha alma, ao SENHOR, e não te



esqueças de nenhum de seus benefícios. É

ele que perdoa todas as tuas iniqüidades e

sara todas as tuas enfermidades; quem redime

a tua vida da perdição e te coroa de

benignidade e de misericórdia; quem enche

a tua boca de bens, de sorte que a tua
 
mocidade se renova como a águia.” (Sl



103:1-5.)
 
2. Quem deve louvar a Deus?
 
a. Os que buscam a Deus. “... louvarão

ao SENHOR os que o buscam...” (Sl



22:26.)
 
b. Tudo o que tem fôlego. Tudo quanto

tem fôlego louve ao SENHOR. Louvai ao

SENHOR!” (Sl 150:6.)



3. Quando louvamos a Deus?
 
a. Em todo o tempo. “Louvarei ao

SENHOR em todo o tempo; o seu louvor estará

continuamente na minha boca.” (Sl



34:1.)
 
b. Em todas as circunstâncias. “Regozijai-



vos sempre. Orai sem cessar. Em

tudo dai graças, porque esta é a vontade de
 
Deus em Cristo Jesus para convosco.” (1



Ts 5:16-18.)
 
4. Onde devemos louvar a Deus?
 
a. No meio do povo de Deus. [Jesus]



dizendo: Anunciarei o teu nome a meus irmãos,

cantar-te-ei louvores no meio da congregação.”
 
(Hb 2:12.)
 
b. Entre as nações. “Louvar-te-ei, Senhor,



entre os povos; cantar-te-ei entre as
 
nações.” (Sl 57:9.)

c. Em nossas camas. “Assim, eu te



bendirei enquanto viver... a minha boca te

louvará com alegres lábios, quando me

lembrar de ti na minha cama e meditar em
 
ti nas vigílias da noite.” (Sl 63:4-6.)



C. ADORAÇÃO
 
Assim como o louvor é uma expressão

de admiração e apreciação, a adoração é uma

expressão de amor e veneração. E possível

admirarmos alguém e apreciarmos o que esta

pessoa faz sem estarmos apaixonados por
 
48 Capítulo 17 – Adoração



ela. Semelhantemente, a adoração tem a ver

com o nosso amor pelo Senhor. Ela pode

ser expressa somente com a entrega de todo

o nosso coração e vida a Ele.
 
“... e que amá-lo de todo o coração, e de

todo o entendimento, e de toda a alma, e de

todas as forças e amar o próximo como a si

mesmo é mais do que todos os holocaustos
 
e sacrifícios.” (Mc 12:33.)



Os rituais e cerimoniais religiosos de Israel

no Antigo Testamento tornaram-se detestáveis

ao Senhor porque o coração deles

estava longe d’Ele (Is 1:10-15; 29:13).

Hoje em dia também Deus está interessado

na adoração genuína e sincera que procede
 
do coração. “Mas a hora vem, e agora



é, em que os verdadeiros adoradores adorarão
 
o Pai em espírito e em verdade, porque



o Pai procura a tais que assim o adorem.

Deus é Espírito, e importa que os que

o adoram o adorem em espírito e em verdade”
 
(Jo 4:23,24). Leia também os versículos

4-26.
 
1. Em espírito
 
O nosso espírito é chamado de “homem

interior” (Ef 3:16). A verdadeira adoração



acontece quando o homem interior, em resposta

aos estímulos do Espírito de Deus,

expressa amor e adoração a Deus. Isso pode

assumir a forma de palavras verbalizadas,

um cântico de amor ao Senhor, ou uma adoração

silenciosa.

A verdadeira adoração requer a ação do

Espírito Santo em nosso espírito. Assim
 
sendo, somente os que “nasceram do Espírito’’,



através da fé em Jesus Cristo, podem

de fato adorar a Deus (Jo 3:5-8).
 
2. Em verdade
 
Adorar a Deus em verdade significa

adorá-Lo assim como a Bíblia diz. Nadabe e

Abiú (filhos do Sumo Sacerdote) ofereceram

fogo estranho diante do Senhor e morreram

(Nm 3:4; 26:61).

Essa admoestação solene ilustra a necessidade

de estudarmos o plano de Deus

(o Tabernáculo de Moisés) para o ministério

sacerdotal.

Havia um sacrifício, purificação, unção

e uso de vestimentas adequadas antes da

adoração (Êx 30:17-38).
 
Apocalipse 1:5,6 diz que “... em seu



sangue nos lavou dos nossos pecados”
 
antes de sermos feitos “... sacerdotes para



Deus e seu Pai...”.
 
Um apóstolo/mestre dos Estados Unidos

estava treinando vários líderes sobre como

curar os enfermos e realizar milagres. Uma

profetiza lhe disse: “O Senhor lhe diz: ‘Como

você ousa ensinar os que estão impuros a fazerem

as Minhas obras? Pare com isto!’”

Havia muita preparação dos sacerdotes

antes que pudessem entrar no Lugar Santo

para adorarem ao Senhor. A negligência dos

passos delineados era perigosa. Precisamos

adorar em verdade – da maneira bíblica.
 
D. EXPRESSÕES DE LOUVOR E

ADORAÇÃO NAS ESCRITURAS
 
1. Com a boca:
 
a. Cantando (Sl 9:2,11)

b. Louvando (Sl 103:1)

c. Bradando (Sl 47:1)



2. Com as mãos:
 
a. Levantando-as (Sl 63:4)

b. Batendo palmas (Sl 47:1)

c. Com instrumentos musicais (Sl



150)
 
3. Com o corpo:
 
a. Ficando de pé (Sl 134:1)

b. Ajoelhando-se, prostrando-se (Sl



95:6)
 
c. Dançando e saltando de alegria (Sl



30:11)
 
“Ó SENHOR, quem é como tu entre os

deuses? Quem é como tu, glorificado em

santidade, terrível em feitos gloriosos, que

operas maravilhas? ... Cantai ao SENHOR,
 
porque gloriosamente triunfou...” (Êx



15:11,21.)
 
MANUAL PARA NOVOS CONVERTIDOS 49



“Entre os deuses não há semelhante a

ti, Senhor... Porque tu és grande e operas

maravilhas; só tu és Deus... Louvar-te-ei,

Senhor, Deus meu, com todo o meu coração

e glorificarei o teu nome para sempre.”
 
(Sl 86:8,10,12.)
 
MEU COMPROMISSO

A coisa mais importante que sempre

poderei fazer nesta vida e na eternidade

é adorar a Deus. Determino-me hoje a

ser um verdadeiro adorador e a fazer da

adoração o meu supremo objetivo de vida.

Também ensinarei a alguém mais este

vital estilo de vida.
 
Capítulo 18
 
Oração
“Ele me invocará, e Eu lhe responderei...

e lhe mostrarei a minha salvação.”
 
(Sl 91:15,16.)

O tempo que passamos com o Senhor

em oração pode liberar um poder capaz

de transformar histórias, o poder mais

dinâmico que este mundo jamais conheceu.

A Bíblia descreve muitas e diferentes operações

da oração, mas nesta lição examinaremos

primeiramente a oração individual. A

nossa oração, quando estamos reunidos

como um Corpo, pode somente ser tão forte

quanto o nosso tempo pessoal com o

Senhor.
 
A. O LUGAR SECRETO
 
“Mas quando você orar, entre no seu

quarto mais privativo, e fechando a porta,

ore ao seu Pai, que está em oculto. E o seu

Pai, o Qual vê secretamente, o recompensará
 
abertamente.” (Mt 6:6 – Versão Amplificada.)



Fomos convidados para um momento

íntimo de oração por nenhum outro, senão

o Próprio Senhor. Esse tipo de oração “em

secreto” pressupõe e assegura:
 
1. As Motivações Corretas (Mt 6:5)



2. Um Correito Relacionamento

com Deus na Qualidade de Pai
 
(Lc 11:11-13)
 
3. Uma Verdadeira Confiança No
 
Senhor (SI 55:16,17)



4. Uma Renúncia de Hipocrisias
 
(Mc 7:6,7)
 
À medida que expressamos nossos sentimentos

e preocupações num diálogo com

Deus, podemos fazê-lo na forma de adoração

(SI 34:1-4), confissão (l Jo 1:9), pedidos

(Mt 7:7), ou ações de graças (Ef 5:4-20).
 
B. CINCO MANDAMENTOS

RELACIONADOS À ORAÇÃO
 
1. Vigiarmos e Orarmos Sempre
 
“Vigiai, pois, em todo o tempo, orando,

para que sejais havidos por dignos de evitar

todas essas coisas que hão de acontecer

e de estar em pé diante do Filho do Homem.”
 
(Lc 21:36 – veja também Marcos

13:35-37.)
 
2. Orarmos Para Não Cairmos Em

Tentação
 
“Vigiai e orai, para que não entreis em

tentação; na verdade, o espírito está pronto,
 
mas a carne é fraca.” (Mt 26:41.)



3. Orarmos Pelos Obreiros
 
“E o anjo lhes disse: Não temais, porque

eis aqui vos trago novas de grande
 
alegria, que será para todo o povo.” (Lc



10:2.)
 
4. Orarmos Pelos que Estão em

Autoridade
 
“Admoesto-te, pois, antes de tudo, que

se façam deprecações, orações, intercessões

e ações de graças por todos os homens,
 
pelos reis e por todos os que estão

50 Capítulo 18 – Oração



em eminência, para que tenhamos uma vida

quieta e sossegada, em toda a piedade e
 
honestidade.” (1 Tm 2:1,2.)



5. Orarmos Pelos Nosso Inimigos
 
“Bendizei os que vos maldizem e orai
 
pelos que vos caluniam.” (Lc 6:28.)



C. QUANDO DEVEMOS ORAR
 
A Bíblia nos dá muitos exemplos de pessoas

que oravam (1 Cr 4:10). Podemos observar

que muitos heróis da fé tinham tempos

regulares durante o dia que eram separados

especificamente para a oração – geralmente

três períodos determinados durante

o dia: de manhã, ao meio-dia e à noite.
 
“Mas eu invocarei a Deus, e o SENHOR



me salvará. De tarde, e de manhã, e ao

meio-dia, orarei; e clamarei, e ele ouvirá a
 
minha voz.” (Sl 55:16,17 – veja também



Daniel 6:10.)

O melhor exemplo de um padrão diário

de oração regular e feita com todo coração

– de uma oração que evitava rituais religiosos

sem significado – pode ser encontrado

no Próprio Senhor Jesus:
 
1. Cedo de Manhã (Mc 1:35)

2. Durante Toda a Noite (Lc 6:12)

3. Antes de Cada Refeição (Mc



6:41)
 
D. PELO QUE DEVEMOS ORAR
 
1. Por Nós Mesmos
 
“Porque Jabez invocou o Deus de Israel,

dizendo: Se me abençoares muitíssimo e

meus termos amplificares, e a tua mão for

comigo, e fizeres que do mal não seja aflito!…

E Deus lhe concedeu o que lhe tinha
 
pedido.” (1 Cr 4:10.)



2. Uns Pelos Outros
 
“Confessai as vossas culpas uns aos
 
outros e orai uns pelos outros...” (Tg 5:16.)



3. Pelos Ministérios do Corpo de

Cristo
 
“No demais, irmãos, rogai por nós,

para que a palavra do Senhor tenha livre

curso e seja glorificada, como também o é
 
entre vós.” (2 Ts 3:1.)



4. Pelos Enfermos e Atormentados
 
“Está alguém entre vós aflito? Ore... Está

alguém entre vós doente? Chame os presbíteros

da igreja, e orem sobre ele, ungindo-

o com azeite em nome do Senhor; e a

oração da fé salvará o doente, e o Senhor o

levantará... orai uns pelos outros, para que
 
sareis...’’ (Tg 5:14-16.)



5. Pelos que Estão Enredados Pelo

Pecado
 
“Se alguém vir seu irmão cometer pecado

que não é para morte, orará, e Deus
 
dará a vida...” (Jo 5:16.)



E. AJUDA NA ORAÇÃO
 
“E da mesma maneira também o Espírito

ajuda as nossas fraquezas; porque não

sabemos o que havemos de pedir como convém,

mas o mesmo Espírito intercede por
 
nós com gemidos inexprimíveis.” (Rm



8:26.)

Uma parte do propósito do Espírito

Santo é ensinar-nos (Lc 12:12), guiar-nos

na oração (Rm 8:27), e ajudar-nos na nossa

fé (Ef 3:16,17).

Às vezes o Espírito Santo unge uma oração

do crente de uma maneira especial. Isto
 
é chamado de “oração no Espírito Santo



(Jd 20; Ef 6:18).

Para nos ajudar na oração, o Espírito Santo

também forneceu um dom especial ao

crente:

O Dom de Línguas – falarmos numa outra

língua ao Senhor em oração. Veja l Coríntios

12:4-11.
 
“... a oração dos retos é o seu contentamento...

mas escutará a oração dos justos.”
 
(Pv 15:8,29.)
 
MANUAL PARA NOVOS CONVERTIDOS 51



F. COMPANHEIRO DE JUGO
 
Duas pessoas que se unem em oração

fornecem algumas vantagens tremendas:
 
“Também vos digo que, se dois de vós

concordarem na terra acerca de qualquer

coisa que pedirem, isso lhes será feito por
 
meu Pai, que está nos céus.” (Mt 18:19.)



G. ORAÇÃO DA IGREJA
 
Se há um tremendo poder quando duas

pessoas oram, o que dizermos então quando

ora toda a assembléia do povo de Deus?

Veja Atos 4:24.

Hoje Deus está chamando o Seu povo à

oração! A missão da Igreja é transformar

vidas individuais, famílias, comunidades,

cidades e nações através da oração!
 
MEU COMPROMISSO

Através deste estudo compreendo as

maravilhosas oportunidades da oração

– não somente no meu relacionamento

com Deus, mas também nos resultados

sobrenaturais que se seguem. Comprometo-

me a fazer da oração uma prioridade

em minha vida.
 
Capítulo 19
 
Céu
“... Deus está nos céus, e tu estás sobre
 
a terra... mas tu, teme a Deus.” (Ec 5:2,7.)



A. O QUE É O CÉU?
 
1. O Céu é a Habitação de Deus
 
“Porventura, Deus não está na altura

dos céus? Olha para a altura das estrelas;
 
quão elevadas estão!” (Jó 22:12 – veja também



Deuteronômio 26:15.)
 
2. O Céu é a Sala do Trono de Deus
 
“O SENHOR tem estabelecido o seu trono



nos céus, e o seu reino domina sobre
 
tudo.” (Sl 103:19 – veja também Isaías



66:1.)
 
3. O Céu é o Lugar da Plena Glória

de Deus
 
“Eu continuei olhando, até que foram

postos uns tronos, e um ancião de dias se

assentou; a sua veste era branca como a

neve, e o cabelo da sua cabeça, como a

limpa lã; o seu trono, chamas de fogo, e as

rodas dele, fogo ardente. Um rio de fogo
 
manava e saía de diante dele...” (Dn 7:9,10



– veja também Atos 7:55.)
 
4. O Céu é o Lar dos Justos

(Crentes) que Morreram
 
“Geralmente, se ouve que há entre

vós fornicação e fornicação tal, qual nem

ainda entre os gentios, como é haver
 
quem abuse da mulher de seu pai.” (1



Co 5:1.)
 
5. O Céu é o Lar Futuro de Todos os

Crentes
 
“Depois destas coisas, olhei, e eis aqui

uma multidão, a qual ninguém podia contar,

de todas as nações, e tribos, e povos, e

línguas, que estavam diante do trono e perante

o Cordeiro, trajando vestes brancas

e com palmas nas suas mãos; e clamavam

com grande voz, dizendo: Salvação ao nosso

Deus, que está assentado no trono...”
 
(Ap 7:9,10.)
 
B. A NATUREZA DO CÉU
 
O Céu é um lugar que vai além de qualquer

coisa que possamos imaginar (1 Co

2:9; 13:12).

O Céu é infinito, um lugar de santidade,

e repleto de glória.

Mas ainda que a Bíblia não descreva todos

os detalhes de como é o Céu, ela nos dá

de fato alguns indícios com relação à sua

natureza. O Céu é:
 
1. Um Lugar de Grande Glória
 
“Então, os justos resplandecerão
 
como o sol, no Reino de seu Pai...” (Mt



13:43.)
 
52 Capítulo 19 – Céu



2. Um Lugar de Adoração Contínua
 
“E, depois destas coisas, ouvi no céu como

que uma grande voz de uma grande multidão,

que dizia: Aleluia! Salvação, e glória, e

honra, e poder pertencem ao Senhor, nosso

Deus... E ouvi como que a voz de uma grande

multidão, e como que a voz de muitas

águas, e como que a voz de grandes trovões,

que dizia: Aleluia! Pois já o Senhor,
 
Deus Todo-poderoso, reina.” (Ap 19:1-6 –



veja também Apocalipse 5:11,12.)
 
3. Um Lugar que Nunca se Acabará
 
“Porque assim vos será amplamente
 
concedida a entrada no Reino eterno de

nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.(2



Pe 1:11 – veja também 1 Pedro 1:4.
 
4. Um Lugar Incontaminado Pelo

Mal
 
“E não entrará nela coisa alguma que

contamine e cometa abominação e mentira,

mas só os que estão inscritos no livro da
 
vida do Cordeiro.” (Ap 21:27 – veja também



Efésios 5:5.)

O Livro do Apocalipse descreve a Nova

Jerusalém, vinda do Céu, como um lugar sem:
 
a. Noite (22:5)

b. Maldições (22:3)

c. Dor (21:4)

d. Choro, ou tristezas (21:4)

e. Morte (21:4)



Isso é assim porque a natureza do Céu é

um produto da natureza de Deus. Já que o

Céu é a plena manifestação da Sua presença, o

que Deus é, assim também é o Céu – um lugar

de santidade, repleto de glória e sem fim.
 
C. A NOSSA LIGAÇÃO COM O CÉU
 
Como crentes, agora vivemos nossa vida

num relacionamento especial com o Céu

porque:
 
1. Pertencemos ao Céu
 
“Mas chegastes... à Jerusalém celestial,

e aos muitos milhares de anjos, à

universal assembléia e igreja dos primogênitos,

que estão inscritos nos céus...”
 
(Hb 12:22,23 – veja também Filipenses

3:20.)
 
2. Estamos Entronizados Lá
 
“... e nos ressuscitou juntamente com

ele, e nos fez assentar nos lugares celestiais,
 
em Cristo Jesus.” (Ef 2:6.)



3. Temos a Nossa Fonte de Vida Lá
 
“Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor

Jesus Cristo, o qual nos abençoou com todas

as bênçãos espirituais nos lugares celestiais
 
em Cristo.” (Ef 1:3 – veja também



Colossenses 3:1-4.)
 
4. Temos os Nossos Nomes

Registrados Lá
 
“Mas não vos alegreis porque se vos

sujeitem os espíritos; alegrai-vos, antes, por
 
estar o vosso nome escrito nos céus.” (Lc



10:20 – veja também Hebreus 12:23.)
 
5. Fomos Enviados por Aquele que

Habita Lá
 
“Não são do mundo, como eu do mundo

não sou... Assim como tu me enviaste ao

mundo, também eu os enviei ao mundo.”
 
(Jo 17:16,18 – veja também 2 Coríntios

5:20.)
 
6. Temos os Nossos Olhos Fixos Lá
 
“Porque a nossa leve e momentânea tribulação

produz para nós um peso eterno

de glória mui excelente, não atentando nós

nas coisas que se vêem, mas nas que se não

vêem; porque as que se vêem são temporais,
 
e as que se não vêem são eternas.” (2



Co 4:17,18 – veja também Hebreus 11:9,

10, 14-16.)
 
7. Temos o Nosso Tesouro Lá
 
“... nos gerou de novo para uma viva

esperança... para uma herança incorruptível,

incontaminável e que se não pode

murchar, guardada nos céus para vós.”
 
MANUAL PARA NOVOS CONVERTIDOS 53



(1 Pe 1:3,4 – veja também Mateus 6:19-

21.)
 
8. Estamos Sendo Chamados Para

 
“... mas uma coisa faço, e é que, esquecendo-

me das coisas que atrás ficam e avançando

para as que estão diante de mim,

prossigo para o alvo, pelo prêmio da soberana

vocação de Deus em Cristo Jesus.”
 
(Fp 3:13,14.)

O Próprio Jesus, antes de retornar ao

Céu, fez uma promessa muito especial a

todos os crentes:
 
“Não se turbe o vosso coração; credes

em Deus, crede também em mim. Na casa

de meu Pai há muitas moradas; se não fosse

assim, eu vo-lo teria dito, pois vou preparar-

vos lugar. E, se eu for e vos preparar

lugar, virei outra vez e vos levarei para

mim mesmo, para que, onde eu estiver,
 
estejais vós também.” (Jo 14:1-3 – veja também



João 17:24.)
 
MEU COMPROMISSO

Decido hoje colocar meus pensamentos

nas coisas do Céu, e não nas coisas

desta terra. Compreendo que a minha

vida na terra é apenas temporária. Assim

sendo viverei de acordo com as prioridades

estabelecidas por essa verdade. Compartilharei

com outros as boas novas sobre

este maravilhoso lar eterno que Jesus

oferece a todos os que crêem n’Ele.
 
Capítulo 20
 
Quando Jesus Voltar – A

Segunda Vinda
“Porque, todas as vezes que comerdes

este pão e beberdes este cálice, anunciais a
 
morte do Senhor, até que venha.” (1 Co 1:26.)



A. A PROMESSA DA SUA VOLTA
 
A Segunda Vinda do Senhor Jesus à terra

é um dos assuntos mais importantes para

o cristão. Os escritores do Novo Testamento

falaram sobre isto mais de 300 vezes

e a expressão mais usada foi quase sempre

imperativa. A primeira coisa que precisamos

saber sobre a Segunda Vinda é que
 
ela é certa!



1. Jesus Falou Sobre a Sua Própria

Volta
 
“Então, aparecerá no céu o sinal do Filho

do Homem; e todas as tribos da terra

se lamentarão e verão o Filho do Homem

vindo sobre as nuvens do céu, com poder e
 
grande glória.” (Mt 24:30 – veja também



João 14:2,3.)
 
2. Anjos a Predisseram
 
“E, estando com os olhos fitos no céu,

enquanto ele subia, eis que junto deles se

puseram dois varões vestidos de branco,

os quais lhes disseram: Varões galileus, por

que estais olhando para o céu? Esse Jesus,

que dentre vós foi recebido em cima no céu,

há de vir assim como para o céu o vistes
 
ir.” (At 1:10,11.)



3. Os Primeiros Cristãos

Encorajavam-se

Mutuamente com Ela
 
“Porque o mesmo Senhor descerá do

céu com alarido, e com voz de arcanjo, e

com a trombeta de Deus; e os que morreram

em Cristo ressuscitarão primeiro; depois,

nós, os que ficarmos vivos, seremos

arrebatados juntamente com eles nas nuvens,

a encontrar o Senhor nos ares, e assim

estaremos sempre com o Senhor. Portanto,

consolai-vos uns aos outros com estas
 
palavras.” (1 Ts 4:16-18 – veja também



Apocalipse 1:7.)
 
4. O Espírito Santo Dá Testemunho

Dela
 
“Ora, quem para isso mesmo nos preparou

foi Deus, o qual nos deu também o
 
penhor do Espírito.” (2 Co 5:5.)



“Sede, pois, irmãos, pacientes até a
 
54 Capítulo 20 – Quando Jesus Voltar – a Segunda Vinda



vinda do Senhor. Eis que o lavrador espera

o precioso fruto da terra, aguardando-

o com paciência, até que receba a

chuva temporã e serôdia. Sede vós também

pacientes, fortalecei o vosso coração,

porque já a vinda do Senhor está
 
próxima.” (Tg 5:7,8 – veja também



Hebreus 10:37.)
 
B. COMO JESUS VOLTARÁ?
 
1. Inesperadamente
 
“Mas, irmãos, acerca dos tempos e

das estações, não necessitais de que se

vos escreva; porque vós mesmos sabeis

muito bem que o Dia do Senhor virá

como o ladrão de noite. Pois que, quando

disserem: Há paz e segurança, então,

lhes sobrevirá repentina destruição,

como as dores de parto àquela que está

grávida; e de modo nenhum escaparão.”
 
(1 Ts 5:1-3 – leia também os versículos

4-11.)
 
2. Como o Relâmpago
 
“Porque, assim como o relâmpago sai

do oriente e se mostra até ao ocidente, assim

será também a vinda do Filho do Homem.”
 
(Mt 24:27 – veja Lucas 17:24.)
 
3. Da Mesma Maneira Como Ele

Partiu
 
“... Esse Jesus, que dentre vós foi recebido

em cima no céu, há de vir assim como
 
para o céu o vistes ir.” (At 1:10,11.)



4. Com Grande Poder e Glória
 
“E, então, verão vir o Filho do Homem

numa nuvem, com poder e grande glória.”
 
(Lc 21:27.)
 
5. Com Ampla Visão de Todos
 
“Eis que vem com as nuvens, e todo

olho o verá, até os mesmos que o traspassaram;

e todas as tribos da terra se
 
lamentarão sobre ele. Sim! Amém!” (Ap



1:7.)
 
C. EVENTOS DRAMÁTICOS QUE

OCORRERÃO
 
1. O Mistério das Eras Será

Completado
 
“... não haveria mais demora; mas nos

dias da voz do sétimo anjo, quando tocar a

sua trombeta, se cumprirá o segredo de

Deus, como anunciou aos profetas, seus
 
servos.” (Ap 10:6,7 – veja também Romanos



16:25,26.)
 
2. O Povo de Deus Entrará em Sua

Plena Glória
 
“Mas a nossa cidade está nos céus, donde

também esperamos o Salvador, o Senhor

Jesus Cristo, que transformará o nosso corpo

abatido, para ser conforme o seu corpo

glorioso, segundo o seu eficaz poder de sujeitar
 
também a si todas as coisas.” (Fp



3:20,21. – veja também 1 Coríntios 15:35-

53.)
 
3. Os Mortos em Cristo Serão

Ressuscitados
 
“Sabendo que o que ressuscitou o Senhor

Jesus nos ressuscitará também por
 
Jesus e nos apresentará convosco.” (2 Co



4:14 – veja também João 6:40; 11:25.)
 
4. Os Crentes que Ainda Estiverem

Vivos Serão Arrebatados Para

Encontrar-se com Ele
 
“E ele enviará os seus anjos com rijo clamor

de trombeta, os quais ajuntarão os seus

escolhidos desde os quatro ventos, de uma à
 
outra extremidade dos céus.” (Mt 24:31.)



5. A Criação Será Liberta da Sua

Escravidão
 
“Porque a ardente expectação da criatura

espera a manifestação dos filhos de Deus.

Porque a criação ficou sujeita à vaidade,

não por sua vontade, mas por causa do que

a sujeitou, na esperança de que também a

mesma criatura será libertada da servidão

da corrupção, para a liberdade da glória
 
MANUAL PARA NOVOS CONVERTIDOS 55

dos filhos de Deus.” (Rm 8:19-21 – leia também



o versículo 22 e Isaías 35:1-7.)
 
6. Todos os Inimigos Serão

Destruídos
 
“Depois, virá o fim, quando tiver entregado

o Reino a Deus, ao Pai, e quando

houver aniquilado todo império e toda

potestade e força. Porque convém que reine

até que haja posto a todos os inimigos
 
debaixo de seus pés.” (1 Co 15:24,25 – veja



também 2 Tessalonicenses 1:7-10; 2-8.)
 
7. Satanás Será Amarrado
 
“E vi descer do céu um anjo que tinha a

chave do abismo e uma grande cadeia na

sua mão. Ele prendeu o dragão, a antiga

serpente, que é o diabo e Satanás, e amarrou-
 
o por mil anos.” (Ap 20:1,2 – leia também



os versículos 3,7-10.)
 
8. O Julgamento Será Distribuído

por Cada Quinhão
 
“... se, de fato, é justo diante de Deus que

dê em paga tribulação aos que vos atribulam

e a vós, que sois atribulados, descanso

conosco, quando se manifestar o Senhor Jesus

desde o céu, com os anjos do seu poder,

como labareda de fogo, tomando vingança

dos que não conhecem a Deus e dos que não

obedecem ao evangelho de nosso Senhor

Jesus Cristo; os quais, por castigo, padecerão

eterna perdição, ante a face do Senhor e
 
a glória do seu poder.” (2 Ts l :6-9.)



9. Um Reino Será Estabelecido e

Nunca Será Destruído
 
“Mas, nos dias desses reis, o Deus do

céu levantará um reino que não será jamais

destruído; e esse reino não passará a outro

povo; esmiuçará e consumirá todos esses
 
reinos e será estabelecido para sempre.” (Dn



2:44 – veja também Apocalipse 19:15,16.)
 
MEU COMPROMISSO

A Segunda Vinda de Jesus é a minha

grande esperança para o futuro.

Contarei ao maior número possível

de pessoas sobre Jesus, meu Salvador,

antes que Ele volte novamente.

Estou comprometido com Ele e espero

com entusiasmo pelo dia da Sua

Vinda.
 
Capítulo 21
 
O Chamado de Deus
Deus tem um plano individual para a

vida de cada crente no Senhor Jesus Cristo.

O Seu chamado não somente envolve

um maravilhoso propósito para nós por

toda a eternidade, mas também temos uma

expressão deste chamado sobre a terra,

agora.
 
“... que nos salvou e chamou com uma



santa vocação... mas segundo o seu próprio
 
propósito e graça...” (2 Tm 1:9.)



“E, se nós somos filhos, somos, logo,

herdeiros também, herdeiros de Deus e

co-herdeiros de Cristo... E sabemos que

todas as coisas contribuem juntamente

para o bem daqueles que amam a Deus,
 
daqueles que são chamados por seu decreto.”



(Rm 8:17,28 – veja também os

versículos 29,30.)
 
A. DEUS NOS CHAMOU
 
1. Desde a Fundação do Mundo
 
“... como também nos elegeu nele antes

da fundação do mundo, para que fôssemos

santos e irrepreensíveis diante dele em caridade,

e nos predestinou para filhos de adoção

por Jesus Cristo, para si mesmo, segundo
 
o beneplácito de sua vontade.” (Ef



1:4,5 – veja também Efésios 2:10 e Mateus

25:34.)
 
2. Para que Fôssemos Separados

Para Ele
 
“Mas vós sois a geração eleita, o sacerdócio

real, a nação santa, o povo adquirido,

para que anuncieis as virtudes daquele
 
que vos chamou das trevas para a sua ma56

Capítulo 21 – O Chamado de Deus

ravilhosa luz.” (1 Pe 2:9 – veja também



Romanos 9:23-26.)
 
3. Para Cumprirmos o Seu

Propósito
 
“Portanto, não te envergonhes do testemunho

de nosso Senhor, nem de mim, que

sou prisioneiro seu; antes, participa das aflições

do evangelho, segundo o poder de Deus,

que nos salvou e chamou com uma santa

vocação; não segundo as nossas obras, mas

segundo o seu próprio propósito e graça

que nos foi dada em Cristo Jesus, antes dos
 
tempos dos séculos.” (2 Tm 1:8,9 – veja



também Romanos 8:28, Filipenses 3:14.)
 
B. O NOSSO CHAMADO NA TERRA
 
“Paulo, um servo [escravo] de Jesus



Cristo, chamado para apóstolo, separado
 
para o evangelho de Deus.” (Rm 1:10.)



Ao descrever o seu próprio ministério,

o Apóstolo Paulo nos dá o exemplo do chamado
 
que está sobre todos os crentes. Ele



tem três aspectos:
 
1. O Chamado Geral –

“Um Escravo de Cristo”
 
Jesus pagou um alto preço por nós: a

Sua Própria vida.
 
“Porque o que é chamado pelo Senhor,

sendo servo, é liberto do Senhor; e, da mesma

maneira, também o que é chamado, sendo

livre, servo é de Cristo. Fostes comprados
 
por bom preço...” (1 Co 7:22,23 – veja



também 1 Coríntios 6:19,20.)

Quando Paulo se denomina um escravo

de Jesus Cristo, ele está apontando para

um significado ainda mais profundo. De

acordo com os costumes da sua época, se o

escravo estava se aproximando da época em

que poderia ser liberto, mas devido a um

amor pelo seu mestre escolhesse não aceitar

a sua liberdade, ele então recebia uma

marca, através de um furo em sua orelha.
 
Este era o sinal de que ele era um “escravo

de amor” ao seu mestre durante toda a sua



vida (Êx 21:5,6; Dt 15:16,17). O Apóstolo

Paulo, por escolha própria, declarou-se um

escravo de amor pelo Senhor Jesus.
 
2. O Chamado Especial –

“Chamado Para Ser um

Apóstolo”
 
Assim como o Apóstolo Paulo tinha um

chamado especial, todos os crentes também

têm um chamado especial. Paulo foi chamado

para ser um apóstolo, mas há muitos diferentes

chamados no Corpo de Cristo. Veja Romanos

12:3-8; Efésios 4:7-16. O papel especial

que Deus tem para cumprirmos é revelado

à medida que buscamos fervorosamente a

Sua vontade.
 
3. O Chamado Específico –

“Separado Para o Evangelho”
 
Dentro de cada chamado especial há um

chamado específico. Por exemplo, tanto

Pedro quanto Paulo eram apóstolos, mas

um deles foi o apóstolo aos judeus e o outro

aos gentios. Veja Romanos 11:13 ; 1 Timóteo

2:7; l Coríntios 12:4-11.

Passamos para o nosso chamado especial

e específico somente à medida que somos

aprovados como “escravos de amor”,

pois precisamos primeiramente aprender a

estarmos totalmente sob a autoridade de
 
Cristo antes que possamos ser enviados



por Ele. Veja Mateus 28:18, 19.
 
C. POR QUE ELE NOS CHAMA?
 
1. Porque o Mundo se Encontra nas

Trevas
 
“Sabemos que somos de Deus e que todo
 
o mundo está no maligno.” (1 Jo 5:19 –



veja também Efésios 6:12 e Colossenses

1:13.)
 
2. Porque as Pessoas Estão

Famintas e Necessitadas
 
“E, vendo a multidão, teve grande compaixão

deles, porque andavam desgarrados

e errantes como ovelhas que não têm
 
pastor.” (Mt 9:36.)

MANUAL PARA NOVOS CONVERTIDOS 57



3. Para Provar a Sua Sabedoria
 
“Para que, agora, pela igreja, a multiforme

sabedoria de Deus seja conhecida

dos principados e potestades nos céus, segundo

o eterno propósito que fez em Cristo
 
Jesus, nosso Senhor.” (Ef 3:10,11.)



4. Porque o Tempo é Curto
 
“Não dizeis vós que ainda há quatro

meses até que venha a ceifa? Eis que eu vos

digo: levantai os vossos olhos e vede as

terras, que já estão brancas para a ceifa.”
 
(Jo 4:35 – veja também João 9:4.)
 
D. O QUE ACONTECE QUANDO

SOMOS CHAMADOS?
 
1. Somos Preparados por Ele
 
“E disse-lhes: Vinde após mim, e eu vos

farei pescadores de homens.” (Mt 4:19 –



veja também Jeremias 18:1-10.)
 
2. Somos Ensinados por Ele
 
“Mas aquele Consolador, o Espírito

Santo, que o Pai enviará em meu nome, vos

ensinará todas as coisas e vos fará lembrar
 
de tudo quanto vos tenho dito.” (Jo



14:26 – veja 1 Coríntios 2:12; l João 2:27.)
 
Escreva abaixo as suas anotações pessoais:
 
3. Somos Enviados por Ele
 
“Assim como tu me enviaste ao mundo,
 
também eu os enviei ao mundo.” (Jo 17:18



– veja também Marcos 16:15.)

Quando Deus chama, Ele vem e interrompe

a nossa vida. Alguns exemplos bíblicos

disto são:
 
Moisés (um pastor no deserto): “Vá –

liberte o Meu povo” (Êx 3:1-12).



Samuel (um menino servindo no templo):
 
“Acorde – fale por Mim” (l Sm 3:1-19).



Ezequiel (um prisioneiro numa terra estranha):
 
“Levante-se — Eu o estou enviando”
 
(Ez 2: l -7).

Os discípulos (negociantes, pescadores):
 
“Venham, sigam-Me” (Lc 5:27,28; Mt



4:18-22).
 
Saulo (um inimigo da Igreja): “Vá, Eu lhe

direi o que você precisa fazer” (At 9:1-9).



MEU COMPROMISSO

Percebo agora que Deus sempre teve

um plano para a minha vida, até mesmo

antes da fundação do mundo. Comprometo-

me agora por completo a este plano

e seguirei ao Senhor totalmente.

Também ensinarei aos outros sobre o

chamado de Deus para suas vidas.