Arquivo do blog

Postagens populares

I. DEFINIÇÃO DE ACONSELHAMENTO BÍBLICO e ASPECTOS FÍSICOS E ESPIRITUAIS DO ACONSELHAMENTO


I. DEFINIÇÃO DE ACONSELHAMENTO BÍBLICO e ASPECTOS FÍSICOS E ESPIRITUAIS DO ACONSELHAMENTO
I. O que não é aconselhamento bíblico.

O aconselhamento bíblico é uma obrigação de todos os membros que estão bem solidificados, uma preocupação não apenas dos pastores mas de toda a igreja de Deus em prover base sólida para o crescimento cristão.
Já que várias distorções da verdade tem surgido com o nome de aconselhamento bíblico, antes de definirmos com precisão o que é aconselhamento bíblico precisamos saber o que não é aconselhamento bíblico. Em primeiro lugar, o aconselhamento bíblico não é uma atividade reservada para os especialistas. Paulo, em Rm 15, nos diz que o que um conselheiro cristão precisa é estar em comunhão com Cristo, nos versos de 1 a 13 ele mostra o que Cristo fez por nós e no 14, como consequência disso diz: "E certo estou, meus irmãos, sim, eu mesmo, a vosso respeito, de que estais possuídos de bondade, cheios de todo o conhecimento, aptos para vos admoestardes uns aos outros." Deixando claro que o que precisamos para sermos bons conselheiros é sermos salvos.
Em segundo lugar devemos notar que o aconselhamento bíblico não é uma atividade opcional para a Igreja. Podemos ver na atitude de Paulo que ele dava grande ênfase ao aconselhamento. Em At 20:31 ele nos mostra a intensidade com a qual ele realizava este serviço dizendo que o fazia dia e noite, e o fazia até o ponto de chorar por eles. Em Cl 1:28 ele nos mostra a amplitude desta obra quando diz que anunciou a todo homem. Por último devemos notar que o propósito do aconselhamento bíblico não é o bem-estar do homem mas a glória de Deus. Numa época em que a felicidade do homem esta acima de tudo, devemos notar que, ao contrário do que faz a psicologia, que se preocupa em como o homem pode alcançar o bem-estar, o aconselhamento noutético tem o propósito de glorificar a Deus. Paulo nos Adverte quanto a isso em Cl 1:28,29 dizendo: O qual nós anunciamos, advertindo a todo homem e ensinando a todo homem em toda a sabedoria, a fim de que apresentemos todo homem perfeito em Cristo; para isso é que eu também me afadigo, esforçando-me o mais possível, segundo a sua eficácia que opera eficientemente em mim. Podemos notar aqui o propósito de suas admoestações era "apresentar todo homem perfeito em Cristo" e não que todo homem alcance felicidade aqui na terra, isto poderia até acontecer, mas é apenas a conseqüência de uma vida vivida dentro dos padrões que agradam a Deus.
II. O que é aconselhamento bíblico.
Duas palavras gregas são usadas na bíblia para o aconselhamento bíblico nouqetew (noutheteo) e parakalew (parakaleo). Baseados nos usos destes dois termos tentaremos formular nossa definição de aconselhamento bíblico.
O primeiro deste termo (noutheteo) tem três significados básicos: admoestar (At 20:31; Rm 15:14; I Co 4:14; I Ts 5:12,14), aconselhar (Cl 3:16) e advertir (Cl 1:28; II Ts 3:15) e sempre da a idéia de mostrar ao irmão o seu erro através da Palavra de Deus e auxilia-lo na correção deste.
O segundo termo (parakaleo), de acordo com Walter Bauer, tem cinco significados. O primeiro deles é chamar alguém ao lado (At 28:20). O segundo da a idéia de convidar ( Lc 8:41; At 8:31; 13:42; 28:20). Um terceiro significado é o de requerer, apelar para, rogar (Mt 8:31,34; Lc 7:4; Rm 12:1; I Co 15:16). O quarto significado é o de confortar, encorajar, incentivar (Lc 16:25; At 16:40; II Co 1:4; Cl 2:2). O último significado é o de consolar, conciliar, falar de maneira amigável (Mt 5:4; Lc 15:28; I Co 4:13; 14:31; Ef 6:22).
Baseados nestes usos podemos dizer que o verdadeiro aconselhamento bíblico envolve ensinar ao irmão a viver de maneira a agradar a Deus aqui na terra, confortando-o em suas dificuldades, incentivando-o a permanecer firme em Cristo, visando o pleno desenvolvimento do irmão e a glória de Deus através deste
III. A teologia no aconselhamento bíblico.
O aconselhamento bíblico, por definição, tem como base as Escrituras, e uma vez que a Teologia é a ciência que busca sistematizar o conteúdo bíblico em tópicos, faz-se claro que o aconselhamento bíblico e a Teologia Sistemática devem andar lado a lado. Devemos notar que as duas se completam. A Teologia é a fonte de conteúdo para o aconselhamento bíblico, e o aconselhamento bíblico é onde a Teologia sistemática entre em prática. Esta seção visa demonstrar a ligação entre as várias doutrinas e o aconselhamento bíblico.
A. Bibliologia.
De nosso estudo de Bibliologia descobrimos que a Bíblia é a Palavra inspirada de Deus, inerrante em seu conteúdo, a revelação da vontade de Deus para o homem. Conclui-se que, como fonte de nosso aconselhamento devemos recorrer a ela para sabermos como fazer a vontade de Deus, que é o propósito do aconselhamento. E que podemos Ter a certeza de que encontraremos nela tudo o que precisamos para um aconselhamento eficaz.
B. Teologia propriamente dita.
A Teologia propriamente dita nos leva a reconhecer que só existe um Deus que merece todo o nosso louvor pois Ele é o criador e mantenedor de todo o universo. Logo, devemos Ter em mente que nosso aconselhamento deve levar o homem a conhecer e se relacionar de forma harmônica com este Deus.
C. Cristologia.
Na doutrina de Cristo entramos em contato com o plano redentor de Deus para o homem, e com a solução proposta por Deus para o mal que se enraizou no ser humano a partir de sua queda. Concluímos que a única solução possível para o mal do homem se encontra na pessoa e obra do nosso Senhor Jesus Cristo e não em alho de bom que o homem possa fazer.
D. Pneumatologia.
Estudando acerca do Espírito Santo vemos que é ele quem convence o mundo do pecado, que é o real problema da humanidade, inferimos daí que não se não estivermos na dependência do Espírito Santo nada do nosso esforço terá resultado.
E. Antropologia.

A doutrina do homem nos fala acerca do homem criado por Deus em estado de perfeição, e da ansiedade do homem por não mais poder desfrutar de um relacionamento aberto com Deus. Então nosso aconselhamento deve leva-lo a desejar a restauração deste dois elementos
F. Hamartiologia.
É no estudo da doutrina do pecado que encontramos a descrição perfeita do estado do homem e de suas necessidades. Um aconselhamento que leva em conta o fator pecado, e todo o mal que ele causou, na vida do homem esta mais apto para conseguir a solução para o problema do homem.
G. Soteriologia.
Um aconselhamento que já mostrou ao homem a sua condição, através da doutrina do pecado, mostra também a grandiosidade da transformação que precisa sofrer. É na doutrina da salvação que está a cura para o mal do homem, a esperança para a sua vida.
H. Eclesiologia.
A doutrina da igreja nos mostra a necessidade que o homem tem de participar do corpo de Cristo, e crescer junto com este corpo, o aconselhamento cristão levará o homem a reconhecer a necessidade de comunhão com outros que, como ele, buscam a glória de Deus em suas vidas.
IV. O valor do aconselhamento bíblico.
O valor do aconselhamento bíblico reside exatamente no que ele discorda da psicologia moderna, suas concepções acerca da natureza do homem, do problema que ele enfrenta e da solução para este.
Enquanto a psicologia vê o homem como inerentemente bom, que só precisa de bons estímulos, e de que o mal da sociedade que o cerca seja afastado para não influenciar seu comportamento. A Bíblia o descreve como um ser inteiramente corrompido, que só busca o que é mal aos olhos de Deus e incapaz de fazer o bem. Partindo de uma perspectiva correta, uma vez que é dada por Deus, ela pode ajudar melhor o homem e não torná-lo cada vez mais desesperado, como podemos ver no príncipe do existencialismo, Jean Paul Sartre: " O homem está condenado a liberdade". A Bíblia oferece a solução para o homem sim, mas não para um "homem bom" mas para um homem totalmente depravado.
Para a psicologia o problema do homem está em sua falta de auto-afirmação, ou no meio ambiente corrompido em que ele habita. A Bíblia apresenta o pecado como problema maior do homem e isto é que gera sua falta de auto-afirmação e um meio ambiente pervertido pelo próprio homem.
A cura para o mal do homem está na reestruturação do meio ambiente, como nos diz a psicologia moderna, ou em qualquer outro fator que esteja ao alcance do homem. Mas a Bíblia nos fala de uma transformação radical que não pode ser feita pelo próprio homem, mas tem que ser operada por Deus, aonde ele vai se despojar do velho homem e se revestir de um novo homem, uma transformação total, não uma mera correção de atitudes, mas uma transformação de essência.

ASPECTOS FÍSICOS E ESPIRITUAIS DO ACONSELHAMENTO

Para podermos auxiliar alguém em seus problemas é necessária uma perspectiva correta acerca da natureza do problema que aquela pessoa esta enfrentando. Nossa posição acerca da natureza do próprio homem influi diretamente em nossa atitude ao tratar dos problemas do homem. Se nós cremos que o homem é moralmente bom, com o desejo de fazer as coisas certas e que o atrapalha é uma sociedade corrompida, um meio ambiente desfavorável ou falta de recursos para que possa agir do modo correto, nosso esforço deve ser empregado em corrigir os defeitos e falhas da sociedade, melhorar o meio ambiente em que o homem vive e dar-lhe recursos para que ele consiga agir de modo correto.Mas se cremos que o homem é inerentemente mau, que o seu coração está totalmente revoltado contra Deus e que ele não quer e não pode fazer nada de bom, nosso esforço será em levar o homem a reconhecer a sua incapacidade e colocar sua vida aos pés dAquele que pode fazer uma transformação total na sua vida.Se nós cremos que por trás de todo mau comportamento do homem há algum fator biológico que o esteja pressionando a agir de determinada maneira, nossa atitude deve ser a de curar o corpo físico do indivíduo para que ele possa voltar a agir dentro dos padrões corretos. Mas se, por outro lado, não aceitamos o que os psicólogos chamam de "doença mental", mas vemos por trás de atitudes como depressão maníaca, esquizofrenia e outras pecados encobertos na vida das pessoas, nosso alvo deve ser o de levar estas pessoas a confrontarem os seus pecados com o auxílio do nosso Senhor Jesus Cristo. Vamos analisar os dois lados do problema (físico e espiritual), com episódios ocorridos na vida do nosso Senhor para podermos buscar o discernimento necessário para reconhecer o que é doença verdadeiramente e o que vem como resultado e até pecado direto na vida da pessoa. O primeiro caso é o do cego de nascença curado pelo Senhor (Jo 9). É importante para o nosso estudo aqui a pergunta inicial feita pelos discípulos ao Mestre: "Mestre, quem pecou, este ou seus pais, para que nascesse cego?" podemos inferir daqui uma pressuposição importante para nossa análise, os discípulos criam que havia doenças que eram resultados de pecados. E devemos notar também que Cristo não combateu esta idéia deles, o que era de se esperar se ela não fosse verdadeira, então podemos inferir que Cristo também acreditava que havia doenças que eram decorrentes do pecado, mas aquele não o caso e o próprio Cristo não o recriminou por pecado algum, apenas efetuou a sua cura física, sem colocar no cego mais sofrimento, afirmando que ele estava sofrendo por causa de seu pecado quando não era.O segundo caso que nós vamos analisar é o caso do paralítico do tanque de Betesda (Jo 5)
V. Neste caso podemos de novo a crença de Jesus de que haviam doenças que eram decorrentes de pecado, e que neste caso, o paralítico, provavelmente estava naquela situação exatamente por causa de seu pecado, pois Cristo o advertiu a não pecar mais para que não sucedesse a ele coisa pior. Note que Cristo não ousou confrontar o pecado do pecador quando foi o caso, mas ele não o fez na outra ocasião.
Logo, nós, como conselheiros devemos estar em constante dependência de Deus para não nos tornarmos como os amigos de Jó que só aumentaram ainda mais seu sofrimento, acusando-o de um pecado que ele não tinha cometido, mas também não devemos tratar tudo como causas naturais pois é nosso dever guiar as pessoas em pecado a restauração com Deus.
 Que o Senhor nos dê sabedoria e graça no aconselhamento! Adaptação: Pr. Adelcio Ferreira 
E a ele, Nosso muito obrigada pelo conhecimento  transmitido