Arquivo do blog

terça-feira, 7 de abril de 2015

Como a Igreja destrói a Família Cristã


Bojidar Marinov


Anos atrás, um missionário americano reformado na Europa reclamou comigo que na igreja que ele havia plantado havia apenas uma família. "Bem", eu disse, "por que você não encoraja os solteiros a se casarem?"

Ele me deu uma resposta amedrontadora: "Isso não funciona. A maioria é mulher e elas não precisam desse encorajamento. Mas não há homens disponíveis. Às vezes os homens aparecem nas reuniões, mas não duram muito. E os poucos homens que temos não estão interessados em casamento".

Só consigo pensar em uma solução para um problema na igreja: o pastor deve pregar a solução bíblica para o problema. "Talvez você devesse começar a pregar e ensinar sobre família. Assim iria encorajar os homens a se casar, ter família e filhos, e se tornar adultos responsáveis". "Eu faço isso", ele disse. "Prego e ensino sobre família o tempo todo. Ensino sobre os relacionamentos entre marido e esposa, entre pais e filhos, prego sobre o dom maravilhoso que é a família, prego sobre como Deus abençoa as famílias".

"Hummm", eu disse, "os materiais sobre relacionamentos irão atrair e encorajar principalmente as mulheres. Mas e quanto ao que atrai os homens? Você prega e ensina propósito, aquilo para o qual a família foi criada? Você ensina o mandamento de multiplicar e encher a terra, ter muitos filhos e por meio deles dominar a cultura? Você ensina e prega sobre a função e propósito educacional da família, que é criar filhos no Senhor? Você os ensina sobre o propósito da família como instituição de Deus para as decisões e ações econômicas? Você os ensina sobre os pais como protetores e conquistadores? Você os ensina sobre a função da família como agência de bem-estar, a única instituição ordenada por Deus para cuidar do pobre e necessitado?"

Em nossa conversa, ficou claro que ele não havia ensinado tais coisas. Ele estava um tanto desconfortável em falar sobre a questão de ter filhos pelo fato de a Europa estar superpovoada e, uma vez que a situação financeira de muitos havia decaído, ter muitos filhos seria um fardo pesado para jovens pais. Falar sobre ter filhos, ele disse, não era um assunto popular na Europa.

Quanto à função econômica da família, ele não tinha certeza se isso era verdade, porque nunca foi ensinado a respeito no seminário; e, além do mais, isso era uma questão de "gestão financeira", não do Evangelho, e ele não deveria pregar nada que fosse além do Evangelho.

A respeito da educação, eles tinham boas escolas públicas na Europa, de modo que esse fardo poderia ser retirado das costas dos pais para que eles pudessem focar nas coisas espirituais do Evangelho; além disso, a única alternativa viável era o homeschooling, e ele estava preocupado se as crianças educadas em casa poderiam depois encontrar trabalho na economia europeia. Ele não poderia assumir a responsabilidade de dar aos pais conselhos que depois se provassem impraticáveis.

"Protetores e conquistadores" não era algo claro para ele, até porque nós não devemos tentar impor uma ditadura cristã, só devemos nos preocupar com a salvação das almas e, para todos os efeitos, a Europa tem taxas de crime muito baixas. E quanto ao bem-estar? A mesma resposta: A Europa tem um maravilhoso sistema social, e não há nenhuma necessidade de se preocupar com o pobre, o governo está fazendo um trabalho irretocável nesse sentido.

"Eu acho", disse ele, "que não deveríamos tentar assustar as pessoas com exigências legalistas sobre o que devem fazer enquanto famílias. Precisamos primeiro mostrar a elas a beleza da família enquanto relacionamento; um lugar onde as pessoas encontram o amor e o conforto de Deus, e onde Deus está cuidando delas como um Pai amoroso. Quando fazemos isso, e temos famílias, então seremos aptos a ensiná-los ainda mais, a respeito de suas obrigações". Em outras palavras, ele começou jogando fora todas as razões pelas quais a família deve existir, e então tentou recriá-la sem o seu propósito e significado. E então se admirou de que os homens não estivessem empolgados com tal retrato da família e não fossem à sua igreja; e mesmo aqueles que iam, não estavam inclinados a constituir família. Sua explicação era que os homens daquela nação eram muito imaturos, e era por isso que não se apaixonavam por sua visão de família.

Ele nunca parou para considerar minhas palavras: Esse tipo de conversa sobre relacionamentos, beleza, conforto, ser cuidado, etc., pode ser empolgante para as mulheres, mas não é tão excitante para os homens. Aposto que ele nem mesmo pensou sobre o fato de que pode haver uma correlação direta entre sua pregação e prioridades em relação à família, e a proporção de gênero em sua igreja. Os homens foram criados diferentes das mulheres. E as prioridades do homem, no íntimo de seu ser, são bem diferentes das prioridades da mulher. A mulher foi criada para ser ajudadora; portanto, em sua essência — independente do que digam as feministas — estarão focadas nos relacionamentos. No contexto da família, o foco da esposa inevitavelmente estará nas questões internas, na organização, nas tarefas, nos relacionamentos, no conforto e descanso que o lar proporciona para os seus membros. Uma mulher não precisa de cursos especiais em relacionamentos interpessoais para que possa reconhecer emoções e sentimentos profundos como amor, ódio ou indiferença. Ela pode entender as nuances de comportamento e ler nas entrelinhas melhor do que o marido; é por isso que ela foi posta sobre o lar, como déspota da casa, como a Bíblia a chama, porque aquele é o seu reino, sua esfera de soberania. Uma mulher pode entender as pessoas melhor do que um homem, porque ela tem essa habilidade em seu ser; ela sabe quando alguém está satisfeito, ou inquieto, ou cansado, ou ansioso, ou precisa de conforto.

Isso não significa que os homens não devam estar atentos aos relacionamentos, amor, conforto, e sentimentos. Mas, pela realidade da natureza criada do homem e da mulher, um homem pode e deve aprender com sua mulher e confiar nela nestas áreas. Esse é o reino dela, é sua esfera de ação. Não é contra a natureza que Paulo compare seu cuidado com seus filhos na fé ao cuidado de uma mãe que amamenta (1Ts 2:7); e Deus mesmo compara seu amor por nós ao de uma mãe lactante. As mulheres têm e sabem de alguma coisa que os homens não têm e não sabem. E essa coisa as define, e também determina quais serão as prioridades e interesses delas. Uma mulher sabe da questão dos relacionamentos melhor do que um homem, e ela é naturalmente atraída a uma igreja onde se pregue e se ensine sobre relacionamentos.

E quanto ao homem? Ele tem os mesmos interesses naturais e prioridades? O que meu amigo missionário nunca entendeu é que a família não foi criada para ser primeiro relacionamento e depois alguma outra coisa mais. A família foi criada para ser uma instituição, e essa instituição tem um propósito e função na ordem de Deus para as coisas: expandir o domínio do povo de Deus sobre o mundo inteiro (Gn 1:27-28). O propósito e a função foram primeiro dados ao homem, e ele deveria ser o principal encarregado e executor de tal função. E tal como a mulher foi, de um modo ímpar, projetada e capacitada para discernir e entender as questões de relacionamentos, o homem foi projetado e capacitado, de maneira única, para cumprir o propósito de dominar a terra. A posição de pai e marido ocupada pelo homem não foca primariamente em relacionamentos — foi por isso que ele recebeu uma esposa. A responsabilidade dada ao homem é a de assegurar-se de que sua família cumpra seu propósito no plano de Deus de conquistar a terra. O próprio ser do homem é orientado para o exterior, não para o interior. Seus interesses podem estar no trabalho e na guerra, não em sentimentos e relacionamentos. Embora as mulheres também possam ter parte nos negócios (Pv 31) e na guerra (Jz 4), pela ordenança da Criação esse é terreno do homem, essa esfera é de sua responsabilidade e autoridade.

E, portanto, uma igreja que prega somente relacionamentos e nenhum propósito irá tender a atrair principalmente mulheres, e não homens. E quando se prega que a família é principalmente relacionamento, mas o propósito e as funções da família não são pregados, os homens influenciados por tal pregação não estarão interessados em constituir famílias. Essa é simplesmente a natureza das coisas criadas.

Aquele missionário, obviamente, não deve ser responsabilizado. Ele é somente um produto — uma vítima — de toda uma geração da igreja americana em geral. Durante os últimos 50 anos — se não mais — a igreja adotou uma ideologia sentimental, que rebaixa o cristianismo ao nível da excitação emocional, superficial. O mandato de domínio dado ao homem para que construa uma civilização que exiba a glória de Deus — a "cidade sobre os montes" dos nossos antepassados — foi jogado fora. O cristianismo agora é todo ele sobre "relacionamento com
Jesus". Mesmo nos círculos reformados e com teólogos reformados, essa visão imatura e deformada do cristianismo está sendo enfatizada e pregada. Relacionamentos acima de propósito, essa é a essência daquilo que é pregado nos púlpitos e ensinado nos seminários de hoje.

Essa abordagem, necessariamente, e pela natureza mesma das coisas, não trará muitos homens às igrejas; e os homens que ela trouxer serão imaturos e confusos sobre seu verdadeiro chamado na vida. Fatalmente, aqueles que preservaram algo de sua masculinidade irão deixar as igrejas e partir para o mundo em busca de propósito para sua vida, em busca de uma base para trabalhar e conquistar, simplesmente porque a igreja não apresentou a eles base alguma.

Algum tempo atrás escrevi um artigo chamado
The Demographics of Irrelevance, no qual assinalei o problema de muitas igrejas com várias mulheres jovens e praticamente nenhum homem, incluindo igrejas nas quais a maioria das famílias educam os filhos em casa. Isso foi há dois anos. E as coisas não mudaram. As igrejas — e as igrejas reformadas também — continuam pregando "relacionamento com Jesus". Alguns pregadores reformados insistem em chamar a Bíblia de "conversa de bebê", e então se derramam em convulsão emocional sobre quão grande é Jesus ao suprir nossas necessidades infantis. O cristianismo foi reduzido à irrelevância e imaturidade; não há nenhum chamado claro para a batalha, por mudar o curso da história e por construir um mundo e cultura cristãos. E os jovens homens continuam deixando as igrejas aos montes. Quando não há nenhuma mensagem masculina nas igrejas, poucos homens irão permanecer nela. Simples assim.

A Bíblia tem muito pouco a dizer sobre um "relacionamento com Jesus". De fato, Jesus mesmo falou sobre um relacionamento pessoal entre ele e seus discípulos somente em duas passagens, e deu uma explicação muito simples do que é um relacionamento pessoal com ele: obediência à sua vontade. Em Mateus 12.46-50 ele explica como alguém pode se tornar membro de sua família: "Porque qualquer que fizer a vontade de meu Pai celeste, esse é meu irmão, irmã e mãe". E então novamente, em João 15.14: "Vós sois meus amigos, se fazeis o que eu vos mando" (Jo 15.14). Não há na Bíblia nenhuma teologia específica de "relacionamento pessoal com Jesus"; esse relacionamento pessoal é muito simples: faça o que ele manda. Isso não é baseado em emoções ou sentimentos. É baseado no compromisso autoconsciente de fazer o que ele ordena.

Bem, o que ele ordena está descrito na Bíblia inteira. E começa com o mandato de domínio para que o homem e sua família encham a terra e a subjuguem. E isso significa que há propósito e chamado para que o homem, como pai e marido trabalhe, lute, eduque, cuide, construa, lance fundamentos, proteja, conquiste, estabeleça. Há um propósito para a vida do homem. E esse propósito se encaixa com a inclinação do coração do homem para fazer tais coisas. O coração de um homem arrepia-se com a possibilidade de trabalhar e conquistar. E quando a família não é apresentada a ele como uma instituição de domínio — isto é, uma instituição para trabalho e conquista — mas somente como um lugar para "relacionamentos", ele não se empolga com isso. Ele irá deixa a igreja e buscar outro lugar para trabalhar e conquistar.

Ironicamente, a despeito do ressurgimento do interesse pela família cristã nas últimas décadas, as igrejas falharam em produzir famílias cristãs. Como o missionário acima, muitas igrejas nos Estados Unidos têm tido a mesma — ou uma crescente — taxa de divórcio, pais e maridos irresponsáveis, crianças que abandonam a fé, e jovens mulheres que não conseguem encontrar maridos cristãos. Apenas falar sobre a família não é suficiente; o que deve ser pregado é o propósito da família no plano de Deus. Homens verdadeiramente masculinos são produzidos quando há um significado na vida que transcende sua própria alma pequenina e sua própria família. Homens obcecados com relacionamentos e emoções não são de fato masculinos. É por isso que o fato de alguns pregadores reformados estarem tentando restaurar a masculinidade recorrendo a obscenidades ou outros comportamentos agressivos no palco simplesmente demonstra desespero; mas isso também revela uma profunda ignorância sobre a definição bíblica de homem. Não é o linguajar grosseiro que faz o homem; o que faz um homem é propósito e significado. Porque o mandato de domínio dado ao homem não é pregado, o propósito da família está ausente da pregação e ensino que emana dos púlpitos das igrejas. A família criada e ordenada por Deus não pode ser definida fora do pacto de domínio. A família não tem nenhum propósito a menos que o homem tenha um propósito de trabalhar e conquistar.

Quando todo o cristianismo se resume à salvação individual — e, portanto, a tarefa de encher e subjugar a terra não é levada em conta — o propósito da família se torna simplesmente secundário. Se o Evangelho é limitado a salvação pessoal, não há uma função clara para a família. Se um homem não é encorajado a conquistar, ele não precisa da única instituição que pode ajudá-lo a conquistar.

É fato que tem se falado cada vez mais e mais sobre a família nas últimas décadas. Mas porque esses discursos são equivocados quanto às prioridades — põem-se os relacionamentos acima dos propósitos — o resultado é que isso está na verdade destruindo a família, ao invés de edificá-la. Tanto no campo missionário, quanto nas igrejas que temos em nossos próprios lares, veremos ainda mais daquilo que meu amigo missionário experimentou em sua igreja. A menos, é claro, que nossos pregadores, professores e seminários tomem novamente o mandato de
domínio como o propósito para o homem e sua família, e passem a pregá-lo.

http://www.internautascristaos.com/textos/artigos/como-a-igreja-destroi-a-familia-crista

sexta-feira, 3 de abril de 2015

Pecadores nas Mãos de Um Deus Irado - Jonathan Edwards - Sermão Completo


Experiências com Deus - Paulo Junior


domingo, 15 de fevereiro de 2015

QUAL É A AGUA QUE JORRA EM SUA VIDA?


E os homens da cidade disseram a Eliseu: Eis que é boa a situação desta cidade, como o meu senhor vê; porém as águas são más, e a terra é estéril.
 E ele disse: Trazei-me um prato novo, e ponde nele sal. E lho trouxeram.
 Então saiu ele ao manancial das águas, e deitou sal nele; e disse: Assim diz o Senhor: Sararei a estas águas; e não haverá mais nelas morte nem esterilidade. 2 Reis 2:19-21  Nos podemos mudar se  nos apresentamos a cada dia diante do Senhor pedindo que sejamos novos em  cada amanhecer e lendo a palavra para sejamos sal e sendo como água que jorrada sobre  a terra ela se torne frutífera. Vida no Espirito é andar com Deus dia a dia, tendo nos lábios, oração em línguas para que nosso espirito interaja com o Espirito de Deus, orando com nossas palavras para que tenhamos  um relacionamento com Ele gerando intimidade. A agua quando não é pura torna a terra estéril. Temos oportunidade assim como Eliseu, podemos ter atitudes de fé, através da aplicação da Palavra de Deus pela Leitura diária do evangelho, nos podemos  com os olhos da  fe contemplar e receber novidade de vida. Não se põe vinho novo em odres velhos, Deus não manifesta sua graça sobre uma vida sem transformação diária, Eliseu disse : traga me "UM PRATO NOVO"  e ponde nele SAL" APRESENTE SUA VIDA todos os dias para que seja renovada sua comunhão com o Pai, após a primeira oração do dia voce esta apto a ler a palavra,  isto é, colocar o SAL,ela tem em o nome de Jesus o poder para tornar suas aguas saudáveis . Jesus disse: aquele que crê em mim do seu interior fluirão rios de aguas vivas .Pª Cleusa Maria

sábado, 14 de fevereiro de 2015

Vencendo os Obstáculos da Vida.


 Não será por meio de um poderoso exército nem pela sua própria força que você fará o que tem de fazer, mas pelo poder do meu Espírito. Sou Eu o Senhor todo poderoso que está falando. Bíblia Sagrada - Zacarias 4.8 Muitas vezes nos perguntamos por que existem coisas que queremos tanto fazer e não conseguimos. Olhamos a nossa frente e vislumbramos como se fosse uma montanha nos impedindo de realizarmos aquilo que planejamos. Existem pessoas que nem planejam mais, se cansaram, desistiram, todos os planos que fizeram simplesmente fracassaram e se perderam com o tempo. Conheço mulheres que não conseguem realizam até uma simples tarefa do dia-a-dia como organizar as contas administrativas, planejam fazer isso no final de semana, mas é simplesmente e inexplicavelmente difícil, assim vão se desanimando com a vida. A disciplina uma palavra tão falada nos nossos dias e apontada como a solução para se alcançar o sucesso parecer ser algo inacessível para muitas mulheres que tentam, tentam e não conseguem. Lemos tantos livros que dizem ter a solução para os impedimentos de nossa vida, a maioria deles aponta para métodos que venha nos possibilitar a realizar o que queremos, lemos estes livros, nos animamos, falamos para nós mesmo, amanhã mesmo vou começar e tudo na minha vida vai ser diferente, contudo infelizmente nossa própria força dura somente alguns dias e tudo volta a ser como antes. É hora de atravessar a montanha! Eu sei que há coisas que você leu aqui no meu blog e que gostaria de que elas façam parte de sua vida, entretanto está com dificuldade de trazê-las para a sua rotina diária, esse foi um dos motivos para lhe escrever esse post. Ficamos ainda mais tristes quando vemos que algo que para nós é tão difícil para outros são situações simples e fácil de realizar, assim nos culpamos, nos martirizamos e a nossa alto-estima vai lá pra baixo não é mesmo? Existe coisas em minha vida que não consigo fazer, coisas simples como acordar 6:30 da manhã, algo que para muitas pessoas é automático, para mim é simplesmente um sacrifício doloroso, esse fato acaba atrapalhando muitas coisas em minha vida, atrasa os meus projeto, diminui o meu tempo para realização de metas e me deixa muito chateada. Após passar algum tempo batendo de frente a esta montanha, e outro tempo rodeando-a comecei a meditar e a perguntar a Deus: Senhor será que há na sua palavra a solução para o problema dos impedimentos? Amadas na palavra de Deus ha solução para tudo. Assim, descobri um segredo, existe uma grande diferença entre a força do homem e a força de Deus. E aí está o ponto chave. Muitas vezes tentei com a minha própria força e não consegui, era como se o Senhor estivesse me dizendo: filha você ainda não percebeu que realmente não tem forças para isso. Descobri que a força de Deus pode sim estar a nossa disposição para vencermos os obstáculos da vida. Só que a força de Deus não é recebida de uma maneira tão fácil assim, para consegui-la existem alguns segredos. Estratégia de vitória! 1º passo para se ter a força de Deus é confessar o seu estado de insuficiência, isso mesmo, dizer a Ele que você não era tudo aquilo que pensava ser. 2º passo é pedir. A força é de Deus ele dá a quem ele quiser e na hora que ele quiser, então não adianta exigir, questionar ou ameaçá-lo. 3º passo é o tempo, há um tempo para Deus liberar suas bênçãos, talvez demore um pouco mais daquilo que você pensou e isto o leve a desistir, ou pode ser que venha mais rápido do que você imaginou e te surpreenda. Resumindo, o tempo pode ser um desafio para testar a sua fé. Você não consegue a força de Deus com a sua própria força, Deus já estabeleceu os seus próprios meios de liberá-la: Oração, jejum e paciência. Oração é a forma certa de se chegar a Deus para pedir, separar um tempo na sua casa onde você vai estar a sós para conversar com ele é fundamental. Jejum é o processo que vai te ajudar a permitir o trabalhar de Deus em sua vida e paciência é à disposição do seu coração de entender a soberania do Senhor. Experimente, vá em oração todos os dias e fale para o Senhor dos seus impedimentos e peça a ele a força dele para rompê-los. Jejue pelo ao menos uma vez por semana por um período de tempo, por exemplo da hora que você acorda até 1h da tarde para que o mover de Deus aconteça na sua vida, porém antes de começar o jejum não deixe de apresentar em oração ao senhor o seu objetivo. E espere com alegria e certeza de que Deus vai fazer. Contudo, não se esqueça: não desista no meio do caminho. Este processo pode durar 1mês, 3 meses ou mais, entretanto quando Deus te dê a capacidade vai durar por toda a sua vida. Extraído. Copy and WIN : http://bit.ly/copynwin
Lady da Paz  Vencendo os Obstáculos da Vida.
Copy and WIN :
http://bit.ly/copynwin

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2015

OS FALSOS MINISTROS FALSIFICAM A PALAVRA DE DEUS


“Pelo que, tendo este ministério, segundo a misericórdia que nos foi feita, não desfalecemos; pelo contrário, rejeitamos as coisas que, por vergonhosas, se ocultam, não andando com astúcia, nem adulterando a palavra de Deus; antes, nos recomendamos à consciência de todo homem, na presença de Deus, pela manifestação da verdade. Mas, se o nosso evangelho ainda está encoberto, é para os que se perdem que está encoberto, nos quais o deus deste século cegou o entendimento dos incrédulos, para que lhes não resplandeça a luz do evangelho da glória de Cristo, o qual é a imagem de Deus. Porque não nos pregamos a nós mesmos, mas a Cristo Jesus como Senhor e a nós mesmos como vossos servos, por amor de Jesus” (2ª Co 4.1-5).

A palavra adulterar no gr. dolow doloo, significa: apanhar numa armadilha; corromper, adulterar.

A Bíblia é a verdade (Jo 17.17), a Palavra do Eterno Criador e a nossa única regra de fé, portanto ela não deve ser interpretada ao nosso bel prazer. Quando ensinamos com aberrações e enganos, estamos adulterando, corrompendo e falsificando o genuíno Evangelho de nosso Senhor Jesus Cristo.

A primeira vestimenta de um ministro de Deus é estar cingido da verdade. E a segunda é couraça da justiça.

“Estai, pois, firmes, cingindo-vos com a verdade e vestindo-vos da couraça da justiça” (Ef 6.14).

A palavra verdade no gr. aletheia, significa a verdade em qualquer assunto em consideração; que é verdade em coisas relativas a Deus e aos deveres do ser humano, verdade moral e religiosa; em verdade, de acordo com a verdade; a verdade tal como ensinada na religião cristã, com respeito a Deus e a execução de seus propósitos através de Cristo, e com respeito aos deveres do homem, opondo-se igualmente as superstições dos gentios e as invenções dos judeus, e as opiniões e preceitos de falsos mestres até mesmo entre cristãos; verdade como excelência pessoal; sinceridade de mente, livre de paixão, pretensão, simulação, falsidade, engano, sofisma.

Cegar no gr. tuphloo, que significa obscurecer a mente; embotar o discernimento mental. Como alguém que coloca uma venda nos olhos para não poder ver.

O deus deste século (Satanás) vedou, cegou, obscureceu o entendimento (a mente) dos seus ministros para que lhes não resplandeça a luz do evangelho. Por está razão o diabo usa seus ministros para enganar e corromper o Evangelho de Jesus para que não resplandeça a luz da Verdade.

Quando um ministro adultera o sentido da Palavra ele está deixando de ser verdadeiro, ou seja, ele não ensina a verdade segundo a Bíblia. Se ele prega seus sermões alterando, sem o verdadeiro sentido da Palavra; ele passa ser um mentiroso. E para estes a Bíblia é clara ao dizer que serão lançados no lago de fogo (Ap 21.8).

Uma das armas que o diabo usa através dos falsos ministros é a proibição do estudo sistemático da Bíblia. Qualquer pregador que despreza a hermenêutica bíblica é presa fácil para Satanás. Um pregador qualificado é difícil de se enganar. Mas o desqualificado está sem conhecimento e preparo. E sem o bom conhecimento o pregador pode mudar o verdadeiro sentido da Palavra de Deus e assim tornar um adúltero no sentido bíblico.

“Mas os que vivem de acordo com a verdade procuram a luz, a fim de que possa ser visto claramente que as suas ações são feitas de acordo com a vontade de Deus” (João 3.21).

“Se alguém fala, fale de acordo com os oráculos de Deus; se alguém serve, faça-o na força que Deus supre, para que, em todas as coisas, seja Deus glorificado, por meio de Jesus Cristo, a quem pertence à glória e o domínio pelos séculos dos séculos. Amém!” (1ª Pe 4.11).

Os dons são concedidos por Deus, não para vantagem pessoal, mas para cumprir Sua vontade no benefício de todos. Os oráculos de Deus (Rm 3.2; At 7.38) referem-se às Escrituras. No sentido aqui seria: “Fale como se as palavras fossem de Deus”, e seja Deus glorificado e não o homem.

“Porque nós não estamos, como tantos outros, mercadejando a palavra de Deus; antes, em Cristo é que falamos na presença de Deus, com sinceridade e da parte do próprio Deus” (2ª Co 2.17).

“Pelo contrário, rejeitamos as coisas que, por vergonhosas, se ocultam, não andando com astúcia, nem adulterando a palavra de Deus; antes, nos recomendamos à consciência de todo homem, na presença de Deus, pela manifestação da verdade” (2ª Co 4.2).

Sempre que o homem começa a escutar a si mesmo e deixa de escutar a Deus, sua versão da mensagem cristã ficará distorcida e inadequada. Sempre que se esquece de testar suas idéias e seus conceitos pela Palavra e pelo Espírito de Deus, produzirá uma versão da mensagem cristã que é sua e não de Deus. Se continuar fazendo assim, é bem possível que acabará amando mais seu próprio sistema do que a verdade de Deus.
Embora não cabe a nós separar o joio do trigo, mas cuidar do rebanho de Cristo contra os falsificadores da Palavra de Deus, é missão de um verdadeiro líder.

Dessa forma, o nosso compromisso com a verdade absoluta que é, e está na Palavra de Deus, não pode ser deixado de lado.

Se complementando entre si, a graça e o conhecimento formam bons soldados na fé, mas quando separados pelo manto da ignorância, o conhecimento pode passar a ser alimento de lobos, e a graça torna-se anêmica.

O falso líder tende a isolar as ovelhas de Cristo do alimento sólido que é a Palavra do Criador, ao mesmo tempo suprem o ego de seus seguidores com soberba e hipocrisia.


Pr. Elias Ribas
Igreja Evangélica Assembléia de Deus
Blumenau - SC

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

A REVELAÇÃO DO ANTICRISTO



O Anticristo irá esperar a Igreja sair da terra, para depois assumir o comando do mundo de forma total. Em Apocalipse 6.1-2, surgirá um cavalo branco, cujo cavaleiro será o Anticristo.

Ele apresentar-se-á às nações como sendo o messias redentor da humanidade, já esperado por muitos, inclusive os judeus (2ª Ts 2.4-9; Ap 13.10).

O Anticristo surgirá como um líder do reino do mal completamente personificado por Satanás (1ª João 2.18).

I.  O QUE ACONTECERÁ APÓS O ARREBATAMENTO DA IGREJA


O cristianismo deixará de existir, as Bíblias serão queimadas em praças públicas, os templos evangélicos passarão a pertencer ao governo. As propriedades dos crentes que foram arrebatados serão confiscadas pelo governo do Anticristo, e serão dadas às pessoas que vivem em favelas nesta época, as favelas deixarão de existir, pois o Anticristo tem o prazer em dizer que é amigo dos pobres e dos menos favorecidos da sociedade. Carros, sítios, fazendas, lojas, casas, utensílios domésticos, aparelhos eletrônicos, roupas, terrenos, enfim, tudo o que a Igreja deixou neste mundo será do Anticristo.

Que resposta o Anticristo dará à humanidade com respeito a grande multidão, que sumirá da terra? Dirá o Anticristo: Este povo que sumiu e foram levados por extraterrestre, pois eles eram diferentes e não eram deste planeta - foram levados por discos voadores a outro planeta. Com este povo na terra não poderíamos instalar um governo de paz, pois eles não têm uma mente aberta acessíveis para nossa forma de governo. Mas esta resposta não convencerá a muitos, principalmente aqueles que ficaram e que conheciam a Bíblia. Mas, contudo, ele lutará até o fim para tirar da cabeça do povo de que Cristo veio e levou a Sua Igreja.

O mundo nesta época estará falido economicamente e espiritualmente, será nesta hora que o Anticristo revelará o seu plano de governo ao mundo e os homens o aceitarão.

[....] O terreno para o Anticristo está sendo preparado. Atualmente observamos o fortalecimento das grandes organizações geopolíticas e a unificação dos blocos econômicos. Na verdade trata-se de uma preparação para um único governo mundial, pois de acordo com a Palavra de Deus, o Anticristo assumirá grande poder político (Dn 7.8), comercial e religioso (Dn 8.25; Ap 13- 16.17). Segundo as Escrituras, ele terá o controle da economia mundial (Ap 13.16-17) [Antônio Gilberto. Lições Bíblica. 3º Trimestre de 2009. P. 53. CPAD].

II.    O QUE SIGNIFICA O ESPÍRITO DO ANTICRISTO


“Filhinhos, já é a última hora; e, como ouvistes que vem o Anticristo, também, agora muitos anticristos tem surgido; pelo que conhecemos que é a última hora” (1ª Jo 2.18).

João deixa claro que já é a última hora, ou seja, a vinda de Cristo dar-se-á em breve. João é o único escritor do Novo Testamento a utilizar a palavra Anticristo, e isto por cinco vezes. E de acordo com João, o espírito do anticristo já está no mundo (1ª Jo 4.3).

Embora o Anticristo não haja manifestado ainda plenamente, o seu espírito já está transformando igrejas e torcendo as Sagradas Escrituras, alterando a configuração política das nações e apoderando-se dos organismos internacionais, objetivando a instauração de seu império numa rebelião aberta contra Deus.

Quando o apóstolo João afirmou que o mundo jaz no maligno, queria ele deixar bem claro que todos os recursos, quer humanos, materiais, acham-se bem aparelhados para receber o homem do pecado.

O espírito dele está no mundo (v. 18). Assim a Bíblia o intitula:

1. O príncipe que há de vir (Dn 9.26).
2. O que vem em seu próprio nome (Jo 5.43).
3. Aquele que assentar-se-á no templo de Deus (2ª Ts 2.4).
4. O homem do pecado (2ª Ts 2.3).


III.      O QUE SIGNIFICA O TERMO ANTICRISTO


“Quem é o mentiroso, senão aquele que nega que Jesus é o Cristo? Este é o Anticristo, o que nega o Pai e o Filho” (1ª Jo 2.22).

O Anticristo no grego “anti” quer dizer: “Contra e em lugar de”. O Anticristo é aquele que se coloca no lugar de Cristo e contra o verdadeiro Cristo levantará-se-á. Todo o que é contra Cristo (2ª Jo 1.7); mas em particular, o líder da grande tribulação (2ª Ts 2.1-4).

Este termo só é encontrado nas epístolas de João (1ª Jo 2.18, 22; 4.3; 2 Jo 7) e pode significar “alguém que toma o lugar de Cristo”, neste caso, “anti” é entendido no sentido de “em lugar de”; ou “alguém que, embora assumindo a aparência de Cristo, opõe-se a Ele”; neste caso, “anti” é empregado no sentido de “contra”. Lendo a primeira epístola de João, devemos entender a diferença entre “anticristos” e “Anticristo”. Quando o apóstolo usa o termo no plural “anticristos” (1ª Jo 2.18), fala acerca dos falsos mestres que negavam a divindade de Cristo; e, quando usa o termo no singular “Anticristo”, refere-se acerca do líder mundial, que virá, no fim dos tempos, para governar o mundo e liderar uma grande rebelião contra a fé cristã (Ap 13.1,8,18; 19.20; 20.10). Podemos dizer, então, que o espírito do Anticristo já estava em ação nos dias de João; mas, só no fim dos tempos é que o Anticristo exercerá seu domínio sobre a humanidade.


IV.   QUEM É O ANTICRISTO?


É revelado à Igreja, através da Bíblia, como o Anticristo será e como governará, durante seu império, que será manifestado durante a Grande Tribulação. Esta pessoa que representará Satanás, na terra, será ao mesmo tempo o arqui-inimigo de DEUS e seu CRISTO, o representante maior do Diabo e é conhecido pela Bíblia como “A Besta”.

Ao começar o Dia do Senhor, o Anticristo aparecerá neste mundo como um governante mundial. Ele será um “cristo” para todas as religiões um imitador de Jesus. Um inimigo de Deus e de Cristo. O Anticristo será a mais completa personificação de Satanás e o seu mais autêntico representante.

Segundo mostram os textos bíblicos, o Anticristo, ainda que pareça sobrenatural, será um ser humano como outro qualquer (Ap 13.1-12), a Besta que subiu do mar; Ele será um homem personificando, o diabo, porém, apresentando-se como se fosse Deus (Dn 11.36); ele será usado por Satanás (Ap 13.1-2); ele terá apoio religioso (Ap 13.11-12); ele será um líder mundial (Ap 13.8); será um gênio em oratória (Dn 11.36); na política, no comércio e na economia (Ap 17-11, 12, 13 e 17). Será um gênio intelectual (2ª Ts 2.9-10); um gênio militar (Ap 19.19); um gênio religioso (2ª Ts 2.4). Sua sabedoria e capacidade serão sobrenaturais, pois, além da ação diabólica em seu apoio, outros fatores contribuirão para a implantação de seu governo, tais como: poder político (Dn 7.8,25) e comercial (Dn 8.25; Ap 13.16,17). Não fará caso ao amor das mulheres (Dn 11.37); ele perseguirá os santos (Ap 13.7). Por enquanto, algo detém a sua manifestação (2ª Ts 2.6-10). O quê? O mandado de Deus.

A Bíblia diz que toda a terra maravilhar-se-á após a Besta (Ap 13.3), que será recebido, ao aparecer, com a solução dos problemas e crises sociais e políticas que fustigam o mundo inteiro, para as quais os líderes mundiais não encontram solução. Porém, é importante salientar que, de acordo com as Escrituras, o Anticristo só há de manifestar-se ao mundo depois do arrebatamento da Igreja. Devemos evitar toda e qualquer especulação sobre o nome deste personagem, pois, não sabemos se o mesmo já está, ou não no mundo.

A besta, o Anticristo, será o último império mundial, é um dos sete, ou seja, sete impérios mundiais passados na história, que são: Egito, Assíria, Babilônia, Medo-Persa, Grécia e Império Romano. Isto pode ser o oitavo, que significa que o Anticristo pertença ao mesmo sistema mundano, que os sete primeiros impérios pertenceram também.

Será nesta época que a doutrina terrível da Nova Era, vai atuar na terra assustadoramente, quando o casamento deixará de existir, quando as mulheres tiverem tantos parceiros e a criança pertencerá ao estado, por não saberá dizer quem é o pai. Estará bem claro que a prostituição passou a ser como se fosse uma religião.

Terá todo poder maligno: “A esse cuja vinda é segundo a eficácia de Satanás, com todo o poder, e sinais e prodígios de mentira” (2ª Ts 2.9; Ap 13.2). O Anticristo, ainda que se pareça sobrenatural, será um ser humano como outro qualquer (Ap 13.12). Entretanto um representante do próprio Lúcifer na terra.

1. Os nomes do Anticristo.
Diversos nomes e títulos são dados ao Anticristo nas Escrituras1: Anticristo (1ª João 2.18). Iníquo (2ª Ts 2.8); injusto, cruel, perverso e mal; a besta (Ap 11.7; 13.1); filho da perdição (2ª Ts 2.3); homem do Pecado (2ª Ts 2.3); o líder de muitas nações (Sl 111.6); o pequeno chifre (Dn 7.8); o príncipe que há de vir (Dn 9.26); o homem vil (Dn 11.21); o rei que fará segundo a sua vontade (Dn 11.36); o pastor inútil (Zc 11.16,17). A estes podem ser acrescentados: aquele que vem em seu próprio nome (Jo 5.43), o rei feroz (Dn 8.23), o abominável da desolação (Mt 24.15), o assolador (Dn 9.27). Assim, é possível ver quão extensa a revelação deste indivíduo. Não é de admirar, já que esta é a obra-prima de Satanás na sua tentativa de imitar o plano de Deus.

2. Receberá os reis da terra todos os reinos. 
“Porque Deus tem posto em seu coração que se cumpra o seu intento, e tenham uma mesma ideia, e que deem à besta o seu reino até que se cumpram as palavras de Deus” (Ap 17.17).



3. Será o senhor da terra. “E deu-se-lhe poder sobre toda a tribo, e língua e nação”. (Ap 13.7b).

4. Quais são as atividades pessoais do Anticristo?
Fazer a vontade de Satanás, como Judas (Ap 13.2). Opor-se sistematicamente contra Deus (Dn 7.25). Promover a expansão da apostasia e da impiedade no mundo (Dn 11.36). Atuará como um ditador tirano e cruel (Dn 7.23; 2ª Ts 2.9).


 V.   COMO SURGIRÁ O ANTICRISTO


Aparecerá no início da Grande Tribulação (1ª Ts 2.1-9). No início do seu reinado, o Anticristo, fará uma aliança com Israel que vai durar um período de três anos e meio. Nesta época os israelitas estarão confusos e olharão para o Anticristo como o messias prometido.

Terá um auxiliar (o falso profeta), que fará o povo adorá-lo através de prodígios (Ap 13.11-17), e Satanás entregar-lhe-á todo o poder que tem, será considerado o senhor da terra (Ap 13.7; Dn 11.36; Ap 13.14 -15).

 VI.    O MUNDO JÁ ESPERA O ANTICRISTO


A O.N.U. (Organização das Nações Unidas) é uma organização mundial de estados criada para manter a paz e a segurança no mundo. Esta organização com mais 50 anos de existência, está apavorada com a situação dos povos em todo o mundo. Um dos seus mais eminentes líderes, declarou: “A única coisa que pode resolver o caos político e económico atual, em nível mundial, é o aparecimento de um homem especial, super talentoso, inteligentíssimo, que una a economia (globalização econômica) de todas as nações, e estabeleça um sistema financeiro mundial. Precisamos deste homem. Estamos esperando. Ele tem que aparecer, venha de Deus ou do Diabo, nós o aceitamos”.

 VII.      QUANDO APARECERÁ O ANTICRISTO


“Quando andarem dizendo: Paz e segurança, eis que lhes sobrevirá repentina destruição, como vêm as dores de parto à que está para dar à luz; e de nenhum modo escaparão” (1ª Ts 5.3).

Na primeira epistola aos tessalonicenses, Paulo garantiu que todos os crentes serão arrebatados para encontrar o Senhor nos ares e assim ficaram para sempre com Ele (1ª Ts 4.16-17). Este evento os livrará da ira futura de Deus sobre a terra (1ª Ts 1.10; 5.9-10). Porém, na segunda epístola aos tessalonicenses, os falsos mestres estavam ensinando que o Dia do Senhor (Dia de Cristo) já havia começado, e que a ira final de Deus estava sendo derramada sobre a terra e por isto Paulo diz:

“A que não vos demovais da vossa mente, com facilidade, nem vos perturbeis, quer por espírito, quer por palavra, quer por epístola, como se procedesse de nós, supondo tenha chegado o Dia do Senhor” (2ª Ts 2.2).

Os tessalonicenses estavam perturbados por causa do ensino dos falsos mestres sobre o Dia do Senhor. Paulo lhes responde dizendo que o dia da ira de Deus ainda não havia chegado. Duas coisas assinalaram esta chegada:

“Ninguém, de nenhum modo, vos engane, porque isto não acontecerá sem que primeiro venha a apostasia e seja revelado o homem da iniquidade, o filho da perdição” (2ª Ts 2.3).

Aqui, Paulo declara que dois eventos serão necessários para o início do “Dia do Senhor”, que são:

1. Haverá uma apostasia geral. 
A apostasia chega ao auge, na rebelião total contra Deus e Sua Palavra; Deus envia uma influência enganadora sobre aqueles que não amam a verdade (2ª Ts 2.9-11). 




2. E a manifestação do “o homem da iniquidade”.

“...sem que primeiro”. A sequência dos eventos será assim:

No decurso de toda a época da igreja, “um ministério da injustiça” está em ação, o que nos faz lembrar que o fim está chegando; a maldade tornar-se-á cada vez mais desenfreada à medida que a história chega ao fim.

O detentor, o que resiste o “ministério da injustiça”, e então será tirado do meio:

“E, agora, sabeis o que o detém, para que ele seja revelado somente em ocasião própria. Com efeito, o mistério da iniquidade já opera e aguarda somente que seja afastado aquele que agora o detém” (2ª Ts 2.6-7).

2. O que detém. 
Algo está detendo “o homem do pecado”. Quando aquele que o detém for tirado do meio, começa o Dia do Senhor.

3. “O ministério da iniquidade já opera”. O ministério da injustiça é uma atividade secreta dos poderes malignos no decurso da história da humanidade, preparando o caminho para apostasia e o “homem da iniquidade”.

É um processo enganoso, que ilude os incrédulos, e induzirá a muitos a se desviarem da verdadeira fé e aceitar a mentira personificada na igreja apóstata. É um espírito ou movimento contra a verdadeira fé bíblica e a lei divina, levando as pessoas a acreditarem no espírito do erro.

“E com todo engano de injustiça aos que perecem, porque não acolheram o amor da verdade para serem salvos. É por este motivo, pois, que Deus lhes manda a operação do erro, para darem crédito à mentira” (2ª Ts 2.10-11).

Embora estas tendências malignas já operassem nos dias de Paulo, ela será comum e geral no mundo, perto do fim da presente era (Mt 24.11; 2ª Tm 4.3-4).

VIII.    A MISSÃO DO ANTICRISTO


A Sua missão será de implantar o domínio de Satanás em todo o mundo, a fim de que esteja transformado no Reino das Trevas. Eis suas missões:

1. Criar uma nova religião. “A esse cuja vinda é segundo a eficácia de Satanás, com todo o poder, e sinais e prodígios de mentiras” (2ª Ts 2.9).

Esta religião será montada para que Lúcifer seja adorado por todos os que desprezam a verdade, e apegam-se a mentira. Hoje ela já existe em forma de sincretismo religioso (Nova Era). Porém será implantada totalmente após o arrebatamento da Igreja e terá uma duração de sete anos.

O Anticristo não vai atuar enquanto a Igreja estiver na terra (2ª Ts 2.7), o Espírito Santo está formando a grande barreira contra a plena manifestação do Anticristo.

2. Colocar-se no lugar de Deus.
Concretizar o que, desde que fora expulso do paraíso, o Diabo intenta fazer. O diabo colocar-se-á no lugar de Deus, a fim de que ele receba uma adoração que exclusiva do Todo poderoso. A resposta de Deus para todas estas maquinações do maligno está no Salmo 2; 2ª Ts 2.8; Ap 19.19-20.

3. Oferecer uma economia fortemente centralizada.
Através da qual forçará os habitantes da terra a aceitarem o sinal da besta (Ap 13.16-18).

Para o Anticristo ter um total controle econômico, obrigará a todos colocar o sinal, ou no nome da besta ou o número do homem, para que possam comprar e vender. Quem recusar aceitar será procurado e morto (Ap 13.5; Dn 11.44).

4. Destruir as bases da religião divina: Para que todos venham a crer nas suas mentiras. Este rei será grande: “E esse rei fará conforme sua vontade, e se levantará, e se engrandecerá sobre todo deus” (Dn 11.36).

5. Destruir os que se hão de se converter durante a Grande Tribulação: O Objetivo do Anticristo será de destruir da terra quaisquer testemunhos concernentes ao Deus Único e Verdadeiro e ao Seu Unigênito Filho (Ap 7.9-17; Ap 11.7-9).

IX.    O ANTICRISTO NO TEMPLO DE DEUS




Já que a besta e o falso profeta atuarão como anti-Deus, o reinado de Satanás haverá de funcionar como anti-reino de Deus. Portanto, o momento de maior triunfo de Satanás será introduzir o seu representante no Santo Templo de Jerusalém.

1. Os judeus aceitem o Anticristo como seu messias.
“Eu vim em nome de meu Pai, e não me aceitais; se outro vier em seu próprio nome, a esse aceitareis” (Jo 5.43).

Fingindo ser o seu messias predito pelos profetas, numa tentativa de destruir e de frustrar os planos de Deus com respeito aos seus estabelecimentos definitivo e pleno dos filhos de Abraão na formosa terra.

2. A verdade seja erradicada. “E com todo engano da injustiça para os que perecem, porque não receberão o amor da verdade para se salvarem. E por isso Deus lhes enviará a operação do erro, para que creiam a mentira” (2ª Ts 2.10-11).

3. Sejam suspensos os sacrifícios a Deus. Ele firmará um concerto com Israel por uma semana: “E ele firmará um concerto com muitos por uma semana; e, na metade da semana, fará cessar o sacrifício e a oferta de manjares; e sobre a asa da abominação virá o assolador, e isto até à consumação; e o que está determinado será derramado sobre o assolador” (Dn 9.27; outra ref. Ap 12.12-17).

O estabelecimento do concerto entre o príncipe e Israel marca o início da septuagésima semana, os últimos sete anos da presente era conforme já mencionado anteriormente.

O Anticristo certamente fará um tratado de paz com Israel no tocante à disputa territorial. E Israel aceitará o Anticristo como o verdadeiro messias, para se cumprir à profecia de Jesus (Jo 5.43).

Na metade dos sete anos, (após três anos e meio), o príncipe romperá seu concerto com Israel, declarar-se-á Deus, apoderar-se-á do templo em Jerusalém, proibirá a adoração ao Senhor e fará cessar os sacrifícios e a oferta de manjares no templo dos judeus: “O qual se opõe e se levanta contra tudo o que se chama Deus ou se adora; de sorte que se assentará, como Deus, no templo de Deus, querendo parecer Deus” (2ª Ts 2.4).

O Anticristo blasfemará contra Deus, (o “Ancião de Dias” - Dn 7.13) e solicitará ser adorado como se fosse Deus, e perseguirá aqueles que não se encurvarem em sua adoração (Ap 13.5-6). Opor-se-á ao Altíssimo e assentar-se-á como um Deus. “Proferirá palavras contra o Altíssimo, magoará os santos do Altíssimo e cuidará em mudar os tempos e a lei; e os santos ser-lhe-ão entregues nas mãos, por um tempo, dois tempos e metade de um tempo” (Dn 7.25).

Como se fora ele o messias que haveria de trazer a libertação a Israel e a salvação a toda a humanidade. Quando os judeus perceberem que o Anticristo não é de fato o seu cristo, mas um impostor tentará ele destruir os descendentes de Abraão (Dn 9.27). Irá perseguir os santos (Israel) durante um período de três anos e meio até serem destruídos.

Cristo referiu-se à visão de Daniel quando disse: “Quando, pois, virdes o abominável da desolação de que falou o profeta Daniel, no lugar santo (quem lê entenda)” (Mt 24.15).

Aqui Jesus refere-se a futura destruição do templo de Jerusalém pelo Anticristo (2ª Ts 2.3-4; Ap 13.14-15), no segundo período da Grande Tribulação.

Quando isto acontecer, será deflagrada toda a ira de Deus tanto sobre o Anticristo como sobre os seus adoradores. Mostrará Deus, uma vez mais, que não dividirá a sua glória com ninguém.

X. VEJAMOS ALGUMAS FIGURAS DO ANTICRISTO NO ANTIGO TESTAMENTO

1.       Caim – foi figura do Anticristo – matou Abel, servo de Deus (Gn 4.5).
2.       Faraó – uma figura do Anticristo – oprimiu o povo de Deus (Êx. 1.22).
3.       Coré – promoveu uma rebelião (Nm 16.1-3).
4.       Saul – intrometeu-se no Santuário (1ª Sm 13.9-13).
5.       Senaqueribe – esforçou-se por destruir Jerusalém (2ª Rs 18.13).
6.       Nabucodonozor – fez uma estátua de ouro para ser adorada (Dn 3.1-7).
7.       Hamã – fez um propósito de exterminar com os judeus (Éster 3).

XI. O FIM DA GRANDE TRIBULAÇÃO O QUE ACONTECERÁ COM O ANTICRISTO

Depois que Satanás e o Anticristo realizarem sua obra de engano e maldade (2ª Ts 2.9-10), o Anticristo será destruído pela Palavra de Deus (2ª Ts 2.7-8), na vinda de Jesus em glória. No Apocalipse, assim está narrado o seu fim: “E a besta foi presa e com ela o falso profeta, que diante dela, fizeram os sinais com que enganou os que receberam o sinal da besta e adoraram a sua imagem. Estes dois foram lançados vivos no ardente lago de fogo e de enxofre” (Ap 19.20).

É interessante observar que quase todas as passagens que mencionam as atividades do Anticristo também incluam uma advertência quanto à sua destruição final, pois este acontecimento ocupa um lugar de destaque no plano de Deus. As Escrituras afirmam que após sete anos de governo mundial, o governo do Anticristo será eliminado por um juízo direto de Deus (Ez 28.6; Dn 7.22,26; 8.25; 9.27; 11.45; Ap 19.19,20). Este juízo acontecerá quando ele estiver ocupado em uma campanha militar na Palestina (Ez 28.8,9; Ap 19.19), e ele será lançado no lago de fogo (Ap 19.20; Ez 28.10). Este juízo acontecerá na segunda vinda de Cristo (2ª Ts 2.8; Dn 7.22) e constituirá uma manifestação da Sua autoridade messiânica (Ap 11.15). E, o reino sobre o qual o Anticristo governou, passará para a autoridade do Messias e tornar-se-á o reino dos santos (Dn 2.34,35, 44,45; 7.27).

O Senhor Jesus Cristo mostrará a todos que o seu poder é irresistível. Ele é o Rei dos reis e Senhor dos senhores. O Senhor Jesus, não nos deixa ser seduzidos pelo engano nem pelas mentiras do adversário. Ele deixou Sua Palavra que é a nossa bússola para nos orientar o caminho certo. Ele é um Pai bondoso e maravilhoso que outro não existe igual. Ele revelou todas as coisas aos seus filhos através de Sua Palavra, para que soubéssemos os acontecimentos das últimas coisas. Porém, Lúcifer não deixou nem uma orientação com respeito aos últimos dias para os seus adeptos, todavia, ele não tem nada para dar no porvir, mas, apenas nesta vida. O que ele pode trazer para seus seguidores nesta vida? Apenas a mentira e engano, pois ele veio para matar roubar e destruir, mas Jesus veio para que tenham vida e vida com abundância (Jo 10.10).

XII. VAMOS ESTUDAR SOBRE O CONTRASTE QUE EXISTE ENTRE O SENHOR JESUS, E O ANTICRISTO


cristo
ref.

Anticristo

ref.
A.             
A imagem de Deus
Hb 1.3
É imagem de Satanás
2ª Ts 2.9
B.             
Segunda Pessoa da Trindade Divina
Mt 28.19
Segunda pessoa da trindade satânica
Ap 16.13
C.             
Desceu do céu
Jo 6.38
Subirá do mar
Ap 13.1
D.             
É o Cordeiro
Ap 5.12
É a Besta
Ap 13.1
E.             
É o filho de Deus
Jo 1.49
É o filho da perdição
2ª Ts 2.3
F.             
É o Santo
At 3.14
É o iníquo, cruel
2ª Ts 2.8
G.            
É o mistério de Deus
Jo 1.18
É o mistério da iniqüidade
2ª Ts. 27
H.             
Veio em nome do Pai
Jo 5.43
Virá em seu próprio nome
Jo 5.43
I.              
Subiu ao céu
Mc 16.19
Irá para o lago de fogo
Ap 19.20
J.             
Recebe louvor dos santos
Fp 2.10-11
Receberá adoração dos iníquos
Ap 13.3-8
K.             
Número simbólico é o 7
Ap 5.6
Seu número simbólico é o 6
Ap 13.18
L.             
Tem uma noiva – a Igreja
Ef 5.22-23
Suma mulher – prostituta
Ap 17.16-17
M.            
É a verdade
Jo 14.6
É a mentira
2ª Ts 2.9-11
N.             
É a luz
Jo 12.46
É a treva
Ap. 16:10
O.            
Seus seguidores andam na luz
Jo 8.12
Seus seguidores andarão nas trevas
Ap. 16:10
P.             
Seu reino é Eterno
Ap 1.8
Seu reino é de apenas 7 anos
Dn 9.27

 Pr. Elias Ribas
Doutor em Teologia